Discurso proferido pelo presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, na 8ª reunião da Associação dos Estados do Caribe, em Manágua, Nicarágua, em 29 de Março de 2019, «Ano 61º da Revolução»

Autor: Miguel Díaz-Canel Bermúdez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Photo: Estudio Revolución

 

Companheiro comandante Daniel Ortega Saavedra, presidente da irmã República da Nicarágua e da 8ª Reunião da Associação dos Estados do Caribe;

Companheira Rosario Murillo, vice-presidenta da República da Nicarágua;

Distintos chefes de Estado e de Governo e chefes de delegações;

Exc.ma sr.ª embaixadora June Soomer, secretária-geral da Associação;

Estimados delegados e convidados:

 

O nosso poeta nacional, Nicolás Guillén, voz singular entre as grandes vozes desta região, dedicou ao mar que nos une um breve poema, com o qual gostaria de cumprimentá-los. É intitulado O Caribe e diz:

“No aquário do Grande Zoo, nada o Caribe. Este animal marítimo e enigmático Tem uma crista de cristal as costas azuis, a cauda verde, barriga compacta de coral, barbatanas cinzas de furacão. No aquário, esta inscrição: «Tenha cuidado: morde».”

Todos sabem disso na Venezuela: os atendimentos são baseados na ética médica. A nenhum paciente é perguntado sobre sua filiação política ou lhe pedem dinheiro; são pessoas, pacientes, seres humanos... e isso é suficiente para sensibilizar os médicos treinados nos valores da Revolução. Para torná-la grande, eles não têm que inoculá-la

Autor: Julio César García Rodríguez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Foto: Estudios Revolución

 

Díaz-Canel visitou pacientes venezuelanos, atendidos por médicos cubanos.

A história da colaboração cubana com o mundo é marcada pelo cumprimento de preceitos éticos na conduta e posição do nosso Estado e governo de não interferir nos assuntos internos de qualquer país e de respeitar a soberania das nações e o Direito internacional.

As centenas de milhares de compatriotas que prestam serviços nos cinco continentes consideram e cumprem esses princípios. Assim, fortalecidos por eles, nós, cubanos, trabalhamos na terra natal de Simón Bolívar e de Hugo Chávez.

O carácter itinerante da Feira Internacional do Livro, que actualmente celebra a sua XXVIII edição, atesta a sua chegada aos territórios de Artemisa, Villa Clara, Isla de la Juventud e Las Tunas, que de hoje até domingo 7 celebram dias plenums de acções em torno da literatura

Autor: Ricardo Alonso Venereo | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Foto: Granma Archive

 

Como nas edições anteriores, os artemiseños vão saciar a sua sede de leitura nesta nova Feira.

A natureza itinerante da Feira Internacional do Livro, que vive estes dias a edição XXVIII, atesta a sua chegada no território de Artemisa, Villa Clara, Ilha da Juventude e Las Tunas, que a partir de hoje até 7º domingo celebram dias sessões plenárias de acções em torno da literatura.

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, participou do balanço anual do Minrex

Autor: Yaima Puig Meneses | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Foto: Estudios Revolución

O presidente cubano exortou no encontro a defender o legado deixado, no âmbito das relações exteriores, pelo Comandante-em-chefe da Revolução Cubana Fidel Castro Ruz e o que isso significa, com o compromisso de desenvolver uma política exterior independente, anti-imperialista e contra a hegemonia.

O governo revolucionário condena veementemente a sabotagem ao fornecimento de electricidade na Venezuela, que constitui um acto terrorista, destinado a prejudicar a população indefesa de uma nação inteira, que é usada como refém na guerra não convencional desencadeada pelos Estados Unidos contra o governo legítimo, presidido pelo companheiro Nicolás Maduro Moros e a união cívico-militar do povo bolivariano e chavista.

Autor: Redação Digital | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Foto: misionverdad.com

O governo revolucionário condena veementemente a sabotagem ao fornecimento de electricidade na Venezuela, que constitui um acto terrorista, destinado a prejudicar a população indefesa de uma nação inteira, que é usada como refém na guerra não convencional desencadeada pelos Estados Unidos contra o governo legítimo, presidido pelo companheiro Nicolás Maduro Moros e a união cívico-militar do povo bolivariano e chavista.