A Grande Antilharia tem um contexto privilegiado em que todas as crianças têm direito à saúde e educação gratuitas, disse nesta terça-feira, em Havana, a Coordenadora do programa das Nações Unidas para a Infância, Victoria Colamarco.

Autor: Escrita Digital | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

21 de Novembro de 2018

Cuba tem um âmbito privilegiado no qual todas as crianças têm direito à saúde e à educação gratuita, o que, infelizmente, não é a realidade de muitas crianças no mundo, afirmou terça-feira em Havana, Victoria Colamarco, Coordenador do programa Nações Unidas para as Crianças (UNICEF).

Num acto pelo Dia Mundial da Criança, Colamarco disse que está na altura de fazer um apelo aos líderes dos chamados países em situações 'frágeis', no sentido de se comprometerem com os direitos das crianças, viabilizando igualdade de oportunidades na vida.

A Escola Latino-Americana de Medicina (ELAM) inicia as celebrações por seu vigésimo aniversário, com o compromisso de continuar a formação de homens e mulheres de ciência e consciência para contribuir desde Cuba para a unidade e integração dos povos.

Tal como afirmara Fidel Castro, na sua inauguração, no dia 15 de Novembro de 1999, no marco da IX Cimeira Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, este centro está consagrado ao mais nobre e humano dos ofícios: salvar vidas e preservar a saúde.

O governo de Londres deixou de ser fiável como guardião do ouro que é encarregado de guardar

 

Peter Korzun, Truthdig/O Lado Oculto

A Rússia e a Venezuela estão entre os países aos quais a União Europeia, incluindo o Reino Unido, aplica sanções. Ambas as nações têm sido alvo de vigorosos ataques de Londres, supostamente culpadas de terem praticado numerosas coisas nefandas. O Reino Unido exige que todos sigam as suas regras. Enquanto isso, Londres brinca com normas que são aceites e de uso comum nas relações internacionais.

O governo da Venezuela está a tentar repatriar pelo menos 14 toneladas do ouro que tem depositado no Banco de Inglaterra. Recentemente pediu que sejam devolvidas barras de ouro no valor de 420 milhões de libras, cerca de 480 milhões de euros. Este movimento é adequado e oportuno, como demonstra a última série de medidas punitivas recentemente impostas por Washington a Caracas. O Banco de Inglaterra recusou o pedido!

A Prensa Latina informa que o anúncio foi divulgado em Manágua, no final da XVII sessão do Conselho Político do bloco, que reiterou seu compromisso com a unidade latino-americana e caribenha e reafirmou a necessidade de fortalecer a unidade na diversidade.

Autor: National Drafting | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

9 de Novembro de 2018

Havana vai receber em Dezembro próximo a XVI Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América - Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP).

A Prensa Latina informa que o anúncio foi divulgado em Manágua no final da XVII Sessão do Conselho Político do bloco, que reiterou seu compromisso com a unidade latino-americana e caribenha e reafirmou a necessidade de fortalecer a unidade na diversidade.

Durante o encontro reafirmou-se a necessidade de fortalecer a unidade na diversidade, através da coordenação e integração políticas, da defesa da soberania e da autodeterminação dos povos, bem como da necessidade imperiosa de cumprir e fazer valer os postulados da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, aprovada na II Cimeira da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), em 29 de Janeiro de 2014, em Havana.

Este será um dos pontos mais importantes da próxima reunião na capital cubana.

"Cuba não faz política com a saúde de nenhum povo" 

Cuba tomou uma decisão "dolorosa, mas necessária" para concluir a sua participação no programa Mais Médicos do Brasil, disse em entrevista ao Cubadebate o Ministro da Saúde Pública, José Angel Miranda Miranda.

 

 

O nosso país não provocou a situação actual, mas reage "em defesa da dignidade profissional e humana dos nossos colaboradores e da sua segurança", acrescentou.

Jair Bolsonaro manteve uma posição agressiva contra a participação de Más Médicos de Cuba desde sua criação em 2013. Uma vez eleito presidente, fez referências directas, depreciativas e ameaçadoras à presença de médicos cubanos, reiterando que modificaria os termos e condições do programa.

Perante este cenário, o Ministério da Saúde Pública (MINSAP) decidiu encerrar a sua participação no programa Más Médicos, no qual mais de 20 mil profissionais de saúde cubanos atenderam milhões de brasileiros em áreas pobres e geograficamente remotas.