Mais de 400 personalidades de todo o mundo (políticos, intelectuais, científicos, clérigos, artistas e músicos) assinaram uma carta dirigida ao Presidente Biden na qual rejeitam as injustificadas medidas punitivas contra Cuba que pretendem impedir ao povo cubano a sua livre autodeterminação, rendê-lo pela fome e impedir o desenvolvimento económico e social.

O título “Deja vivir a Cuba”, publicada en anúncio no New YorK Times”, é uma primeira iniciativa conjunta entre The People’s Forum, CodePink y la Coaliacion Answer, cujo objectivo é procurar alterar a política imoral dos EUA, em relação à maior das Antilhas, e proporcionar medicamentos, equipamentos médicos ao povo cubano, por isso, pedem a Biden “que firme de imediato uma ordem executiva que anule as 243 medidas coercitivas” aplicadas por Trump.

Fonte: Granma

O movimento dos E.U.A. de solidariedade com Cuba envia 6.000.000 de seringas para Cuba, tendo entregue um certificado de doação na Embaixada de Cuba.

Apesar dos entraves e bloqueios no dia 17 de Julho ao Porto de Mariel (Cuba) um carregamento com cerca de dois milhões de seringas organizado pela Global Health Partners, com a participação de cuba-americanos e cidadãos norte-americanos que continuarão a recolher fundos para compra de medicamentos.

Embora cada acção hostil do Governo dos Estados Unidos contra Cuba acrescente pontos ao cinismo da potência imperial, a notícia do pedido de novos fundos para financiar a subversão na Ilha maior das Antilhas não é incomum ou surpreendente.

Foto: Martirena 

 

 Para manter uma aparência indiferente, o Departamento de Estado tem dito que o arquipélago não é uma prioridade imediata na sua política, porém, mais uma vez regista que vai colocar a mão no bolso dos contribuintes nacionais para oxigenar — agora com US$ 20 milhões — o desespero diversionista contra a Revolução. Isso, sem contar as voltas e reviravoltas que continua dando o bloqueio à economia da Ilha.

Para justificar os novos gastos, usam o eufemismo típico de «programas de democracia» dirigidos a Cuba.

Em conversa telefónica, o presidente cubano expressou também a sua sincera admiração e gratidão pela contribuição decisiva dos soviéticos na vitória sobre o fascismo

Foto: Twitter do Presidente

 

Presidente cubano conversa com seu homólogo russo, por ocasião do 80º aniversário do início da Grande Guerra Patriótica. .

O primeiro secretário do Comité Central do Partido e presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, escreveu no seu perfil no Twitter: «numa conversa telefónica com o estimado presidente Putin, transmiti a minha sincera admiração e gratidão ao heróico povo soviético pela sua contribuição decisiva para a vitória sobre o fascismo, comemorando o 80º aniversário do início da Grande Guerra Patriótica».

Grato é o acompanhamento que Cuba sente em sua longa corrida de resistência. O primeiro secretário do Partido e presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, voltou a dizê-lo no Twitter: «Obrigado a todos aqueles que dispensaram o descanso dominical e saíram pelas ruas ensolaradas ou frias de cidades longínquas, para construir pontes de amor e exigir em todas as línguas o fim de um crime que dura muito»

 

Foto: Cartaz Contra o Bloqueio

 

O presidente da República, Miguel Dias Canel, agradeceu recentemente o apoio solidário manifestado em todo o mundo no passado dia 30 de Maio.

“ O facto de existirem dezenas de nações nas quais houve mobilizações contra o genocídio que significa o bloqueio económico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra Cuba, confirma a condição universal desta mais justa reivindicação pelo direito à vida de um país.”