No município de Crema, em Itália, foi inaugurada uma praça dedicada à brigada internacional de médicos cubanos Henry Reeve, no mesmo sítio em que esteve instalado um hospital de campanha durante o período de mais contágios e mortes pela COVID-19 naquela zona.

A iniciativa foi promovida pelo Núcleo de Crema da Associação de Amizade Itália-Cuba, segundo relatou ao Granma Marco Papacci, principal representante do agrupamento solidário, que desenvolveu as gestões pertinentes com a Câmara Municipal.

«O local recorda não somente o labor desenvolvido pelos profissionais cubanos, mas também o acolhimento brindado pelo povo e os sentimentos mútuos de carinho.

Na inauguração foi descerrada uma placa de mármore pelas autoridades locais.

Ao acto assistiram a Presidente da Câmara de Crema, Stefania Bonaldi, o embaixador de Cuba em Itália, José Carlos Rodríguez Ruiz, a directora geral do Hospital de Crema, Ida Maria Ada Ramponi, e membros da Associação Nacional de Amizade Itália-Cuba bem como membros de Núcleos de Amizade com Cuba de várias cidades italianas.

 

Todos os que intervieram recordaram os difíceis momentos com que se defrontaram os médicos cubanos logo que chegaram, na etapa de máxima intensidade da pandemia, e ao mesmo tempo o profissionalismo e a humanidade com que trabalharam.

A emoção prevaleceu durante a cerimónia, principalmente ao recordar o médico cubano Graciliano Díaz Bartolo, integrante da brigada cubana em Crema, falecido recentemente.

O Embaixador de Cuba declarou, nas suas palavras de agradecimento, que foi criada uma ponte entre o coração dos cubanos e o dos cidadãos de Crema. «O meu apelo dirige-se agora aos países mais ricos para que ajudem todos os pobres do mundo a superar a pandemia».

Crema recebeu em Março de 2020 os médicos cubanos, que ali trabalharam durante cerca de dois meses. Eles improvisaram uma instalação hospitalária temporal na Praça Hospital de Campo e ajudaram os profissionais italianos a mitigar os efeitos da pandemia.

Até ao presente, 57 brigadas médicas do Contingente Internacional Henry Reeve actuaram em cerca de 40 territórios, entre os quais, 11 africanos, 3 europeus e 23 da América Latina e do Caribe.

Autor: Nuria Barbosa León | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro, 2021