O socialismo é a única explicação de que tenhamos sobrevivido ao cerco feroz e genocida sem abrir mão de nos desenvolver

Discurso de Miguel M. Díaz-Canel Bermúdez, presidente da República, no encerramento do 7º período ordinário de sessões da 9ª Legislatura da Assembleia Nacional do Poder Popular, no Palácio das Convenções, 28 de outubro de 2021, «Ano 63º da Revolução»

Foto: Estudio Revolución

 

É minha responsabilidade encerrar o 7º período ordinário de Sessões da 9ª Legislatura e, ao mesmo tempo, apresento-me diante de vocês, a mais alta representação de nosso povo, para cumprir um mandato legal: prestar contas e informar sobre minha gestão como presidente da República.

Farei isso compartilhando avaliações sobre a situação que enfrentamos nestes tempos, os temas em que temos focado nosso trabalho e também falarei sobre os temas para os quais devemos direcionar nossos principais esforços.

Faço-o num dia de especial significado para todos os cubanos, aquele em que desapareceu o leal Camilo Cienfuegos, símbolo da cubanidade, da coragem, eterno herói da juventude cubana e, como ela, alegre e profundo.

Com a publicação dessas palavras, certamente poderei contar não apenas com suas opiniões, mas também com as de nossa população. Contaremos com elas para o aprimoramento de nosso trabalho, com a responsabilidade imposta por ser servidor público.

Devo destacar, em primeiro lugar, o contexto mundial muito complexo, abalado por múltiplas crises derivadas da injusta ordem global, que se agravaram como resultado de dois longos e difíceis anos de pandemia.

Há menos de uma semana, as mortes por Covid-19 em todo o mundo eram de cerca de cinco milhões de pessoas e os infectados ultrapassaram a cifra de 243.700.000. A Organização Mundial da Saúde estima que se a sobremortalidade direta ou relacionada for levada em conta indiretamente para o novo coronavírus, o saldo da pandemia pode ser duas a três vezes maior do que afirmam os registros oficiais; mas o impacto real em todas as ordens de vida em nível planetário ainda está para ser conhecido. O que ninguém duvida é seu alto custo para a economia mundial, já desajustada pela prevalência prolongada de padrões de consumo insustentáveis, que estreitaram cada vez mais as zonas de luxo e conforto, ao mesmo tempo em que se expande dramaticamente o mundo das pessoas excluídas.

A participação cidadã salva!

Cuba, apesar de estar dotada pela obra de justiça social da Revolução de um sistema de saúde universal e gratuito, capaz de ter potencialidades científicas que em muito pouco tempo nos colocarão na vanguarda mundial na pesquisa e produção de vacinas, não tem conseguido escapar do golpe pandêmico.

Conforme se avaliou nas sessões desta Assembleia, desde 2019 a economia atravessa condições excepcionais. Os efeitos combinados da intensificação do bloqueio e da escalada da pandemia fizeram com que o país deixasse de receber mais de três bilhões de dólares em receitas no período. Além disso, foram executados gastos significativos acima do Orçamento para fazer face à Covid-19, a proteção dos trabalhadores e da população em geral. Tudo isso tem limitado a capacidade de fazer face aos gastos essenciais à manutenção do abastecimento do Estado, fundamentalmente em alimentos e medicamentos, bem como aos exigidos pelo Sistema Elétrico Nacional para a sua estabilidade; essa difícil situação causa insatisfação e desconforto na população.

Para se ter uma ideia: apenas em serviços de saúde e materiais dispensáveis ​​aos cuidados da Covid-19, foram investidos cerca de 300 milhões de dólares, enquanto os recursos para a operação e manutenção do Sistema Elétrico Nacional demandam pelo menos 250 milhões de dólares por ano.

O descumprimento atempado das manutenções e a impossibilidade de adquirir os recursos essenciais para a garantia do serviço eléctrico causaram os incómodos apagões que sofremos desde 21 de junho. Embora as limitações não tenham desaparecido, há disponibilidade de combustível para a geração de energia elétrica, e foi alocado um nível de financiamento, em condições muito difíceis de aprová-lo, que permitirá, antes do final do ano, recuperar 608 megawatts de energia proveniente da geração de energia elétrica, o que irá melhorar gradativamente a situação desse serviço em todo o país.

Neste contexto, têm existido condições que favorecem a inflação devido à existência de uma procura muito superior à oferta, o que constitui a principal prioridade no trabalho do Governo. Uma das soluções para este problema é o crescimento da oferta a partir de uma maior participação dos produtores nacionais em nosso mercado interno.

Graças ao nosso sistema, à integração de todas as forças na busca de um objetivo, isto é, graças à unidade em torno do Partido, Cuba teve respostas imediatas à imprevista pandemia e, ao mesmo tempo, enfrentou o grosso aprofundamento do o bloqueio.

Graças ao controle sustentado da Covid-19, deu-se início a um processo gradual de recuperação da atividade econômica e social, para o qual as medidas aprovadas deverão contribuir para dar maior autonomia à empresa estatal socialista e para o aperfeiçoamento e diversificação dos atores econômicos.

O Plano de Economia e o Orçamento do Estado para 2022, que iremos avaliar no próximo mês de dezembro, terão como objetivo projetar a recuperação dos níveis fundamentais de atividade, conseguindo maior autonomia na gestão administrativa dos territórios; priorizar medidas compensatórias para o atendimento aos mais vulneráveis ​​e consolidar a implementação da Tarefa Ordenação, entre outras prioridades.

Companheiras e companheiros:

É necessário apontar novamente para o oportunismo vil do adversário. Justamente nos meses em que a pandemia se agravou no país, os cortes de energia elétrica tornaram-se frequentes e o fornecimento de bens e serviços contraiu-se significativamente pelos motivos indicados, criando um clima favorável à irritação e ao descontentamento. O inimigo histórico da nação cubana conhecia a gravidade do momento e se lançou ainda mais ferozmente contra nossa economia. Em franca contradição com as recentes declarações do presidente Biden perante a Assembleia Geral das Nações Unidas, de favorecer o multilateralismo e cooperar na luta contra a pandemia em nível global, o bloqueio a Cuba foi reforçado, novas sanções foram impostas e foi posto em andamento um novo programa de desestabilização que está em conformidade com a letra do manual do «golpe brando».

Nunca ficamos sentados à espera da mudança de uma política que por 62 anos tem variado apenas para fortalecer o cerco. A fórmula do inimigo tem sido apostar que nossas grandes dificuldades materiais enfraqueçam a resistência do povo e finalmente nos coloquem de joelhos diante deles.

Ações violentas ou belicosas, invasão, ocupação nunca estão descartadas contra um projeto socialista como o nosso; mas em primeiro lugar apostam na desmoralização, na rendição, daí a mensagem de ódio aos comunistas, a ênfase antissocialista, a perseguição a todas as soluções econômicas possíveis, enfim, o bloqueio. Não importa o quanto destrua, quanto prejudique, quanto corroa a fé de um povo em sua própria força.

Por mais implausível e imoral que possa parecer, esse é o desígnio do imperialismo contra Cuba. As manobras hipócritas e os engodos sobre uma suposta revisão da política que o atual governo repudiou durante a campanha eleitoral que o levou ao poder não são mais válidos. Não valem mais pretextos fraudulentos sobre a suposta intenção de favorecer o povo cubano e negar benefícios ao governo.

A evidência está diante dos olhos de todos para verificar que o objetivo tem sido, desde o início, causar escassez econômica, punir a população, prejudicar seu padrão de vida, restringir suas fontes de renda, limitar seu consumo e prejudicar os serviços sociais dos que depende uma parte do seu bem-estar e a resposta às suas necessidades mais básicas. O objetivo foi condenar a população cubana ao papel de refém de uma política genocida com desígnios hegemônicos.

É por isso que o sucesso de Cuba no enfrentamento da pandemia causa tanto aborrecimento em Washington, particularmente o notável resultado do programa de vacinação desenvolvido com engenho, esforço e recursos próprios. Daí a determinação de denegrir nosso sistema de Saúde Pública e ocultar esta extraordinária conquista de Cuba, que rompe a matriz enganosa que se deseja impor à nossa realidade.

Cada vacina criada e aplicada, cada compatriota imunizado, cada contágio evitado e cada vida salva são triunfos para a causa nacional e derrotas para a agressão imperialista contra nosso país. Pareceria incrível que fosse descrito assim, mas não há outra forma de se referir à vergonha de apostar em uma pandemia com cálculos políticos frios contra um povo inteiro.

Como denunciei recentemente no encerramento da última reunião plenária do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, no atual cenário bilateral que vivemos com os Estados Unidos, a embaixada daquele país tem desempenhado um papel cada vez mais importante nos esforços de subversão política.

Em contrapartida, posso afirmar categoricamente que nossa embaixada em Washington nunca realizou nenhuma atividade com o objetivo de subverter a ordem nos Estados Unidos, nem de minar seus fundamentos políticos, jurídicos ou constitucionais. Nossa missão diplomática naquele país se limita a desenvolver um intenso trabalho a favor das relações bilaterais, com base no levantamento do bloqueio econômico e com o objetivo de contestar as calúnias contra Cuba e a Revolução.

A trajetória de nossas representações diplomáticas nos Estados Unidos sempre foi absolutamente limpa, embora tenhamos preocupações genuínas e visões legítimas sobre a natureza injusta do sistema político norte-americano e sobre os abusos políticos, econômicos e jurídicos que ali são cometidos diariamente.

O governo dos Estados Unidos usa descaradamente os privilégios de sua embaixada em nosso país. Autoridades diplomáticas dos EUA se encontram frequentemente com líderes contrarrevolucionários. Eles fornecem orientação, incentivo, apoio logístico e financiam direta ou indiretamente suas atividades. Em suas plataformas de comunicação, incluindo as redes digitais, emitem diariamente pronunciamentos ofensivos que constituem uma interferência aberta nos assuntos internos do nosso país.

É justo perguntar qual seria o comportamento do governo dos Estados Unidos perante qualquer embaixada credenciada em Washington que se dedique a instigar, orientar, motivar e financiar qualquer um dos muitos grupos extremistas cujas atividades ilegais ameacem a estabilidade, a vida e a ordem naquele país. Seria bom saber como o governo dos Estados Unidos responderia a uma embaixada credenciada em seu território que se dedique publicamente a promover a desobediência civil, manifestações políticas e marchas massivas contra a legalidade estabelecida.

Com as recentes provocações, é claro que está em curso uma operação concertada de Washington contra Cuba, que envolve fundos milionários, com o objetivo de gerar a imagem de que Cuba é um Estado falido, de que existe um atropelo diariamente contra os cidadãos. Esse plano também inclui o propósito de tentar fazer com que outros países se juntem às medidas de agressão econômica e até mesmo que os próprios Estados Unidos tomem medidas punitivas de maior alcance.

A verdade sempre vem à tona, por mais poderosas que sejam as ferramentas que existem hoje para escondê-la ou distorcê-la. A mentira poderá se espalhar, tal como o vírus da Covid-19 se espalha e terá o poder de confundir e infectar muitos, mas não será capaz de dobrar a vontade testada e comprovada desse povo heroico.

Na contramão dos planos do imperialismo estamos derrotando a pandemia, tal como derrotamos e iremos derrotar os planos agressivos, por mais poderosas que sejam as campanhas e as calúnias.

O bloqueio é e continuará sendo, no lado previsível, um obstáculo fundamental às nossas estratégias e potencialidades de crescimento e desenvolvimento econômico, mas não é um obstáculo intransponível. Continuaremos lutando contra ele incansavelmente, com o apoio da comunidade internacional.

Nosso desenvolvimento e o bem-estar do povo terão que depender do esforço que fizermos e da inteligência que juntarmos, conscientes de que a cruel guerra econômica dos Estados Unidos persistirá enquanto o desejo criminoso de apoderar-se do destino de Cuba existir naquele país.

O bloqueio não é apenas um castigo para a resistência. É a maneira cotidiana de evitar que o socialismo seja associado ao crescimento, progresso e prosperidade.

Não! O socialismo não é o culpado por nossos problemas. O socialismo é a única explicação de que sobrevivemos a este cerco feroz e genocida sem abrir mão de nos desenvolver (Aplausos).

Conforme expressei, há poucos dias, na reunião plenária de nosso Comitê Central, a digna resposta a este castigo imerecido só depende de nós. Nossa originalidade é obrigada a ser tão grande quanto a maldade daqueles que tentam render-nos. A Revolução foi e será permanentemente desafiada a ser excepcional pela capacidade de seu povo de resistir e criar.

Graças ao nosso sistema, à integração de todas as forças em busca de um objetivo, isto é, graças à unidade em torno do Partido, Cuba teve respostas imediatas à imprevista pandemia e, ao mesmo tempo, enfrentou o grosso aprofundamento do bloqueio deixado para nós pelo governo Trump e mantido contra suas próprias promessas pelo atual governo Biden.

A Estratégia Económico-social para dinamizar a economia e enfrentar a crise global provocada pela Covid-19 foi a primeira resposta.

Uma estratégia que ajustou as projeções do país aos novos cenários sem abrir mão do programa de desenvolvimento até 2030. Uma resposta revolucionária pela sua flexibilidade e capacidade de adaptação à complexidade de situações absolutamente novas e imprevisíveis, como a própria pandemia. Uma resposta baseada em nossos pontos fortes e ciente das limitações existentes.

Promovendo o desenvolvimento de um Sistema de Gestão Governamental, baseado na ciência e na inovação, criamos o Conselho Nacional de Inovação, cujo aconselhamento especializado terá impacto na tomada de decisões e na resolução dos problemas mais urgentes.

Já foram aprovadas mais de 60 medidas de estímulo à produção e comercialização de alimentos e outras que buscam aumentar a eficiência da empresa estatal; estimular a ação de novos atores econômicos por meio das chamadas MPMEs, desbloquear processos e vincular produções fazem parte de um conjunto de ações que complementam a Estratégia Económico-social.

Paralelamente, neste ano de tantas restrições, nosso Estado desenvolveu uma intensa atividade internacional de diálogo, intercâmbio e cooperação com outras nações e suas lideranças, participando de cúpulas, eventos virtuais e, em menor medida, presenciais, que nos permitem manter uma relação sólida com a comunidade internacional e, em particular, com as nações amigas.

Como expressão da invariável vocação solidária de Cuba, reconhecida com gratidão em todo o mundo, cerca de 57 brigadas médicas do contingente Henry Reeve enfrentaram diretamente a Covid-19 em 40 países.

Compatriotas:

Tenho me permitido insistir nos fatores externos que nos tentam enfraquecer porque, sob os fogos de artifício da Guerra Não Convencional e o barulho ensurdecedor que os odiadores profissionais armam nas redes, podemos cair no erro de não avaliar nossas próprias forças, de não valorizar o nosso indiscutível progresso em um período, os últimos dois anos, repleto de desafios e incertezas em nível global. Comecemos pelo exercício legislativo, que tanto deve contribuir para o quadro institucional do país.

Neste período de sessões, e de acordo com o cronograma acordado, aprovamos quatro importantes leis que marcam uma reforma transcendente na ordem judicial e processual no país. É recomendável reconhecer o esforço feito mesmo nas condições impostas pela pandemia. Essas normas desenvolvem os conteúdos da Constituição da República e reforçam as garantias e direitos dos cidadãos em harmonia com a sociedade como um todo. Foram fruto de um amplo e participativo processo de formulação normativa para o qual contribuíram dirigentes e especialistas da Justiça, Ministério Público, escritórios de advocacia e professores universitários, além de ter sido consultadas com parte de nosso povo.

Essa prática para o exercício legislativo temos que continuar aperfeiçoando-a, para que cada lei que aprovemos seja o resultado da contribuição de todos aqueles que estão vinculados ao objeto de regulamentação e não falte, quando for o caso, a consulta ao povo de várias maneiras.

As disposições regulamentares aprovadas colocam o país na vanguarda da legislação mais avançada e moderna nesta área, com um espírito de renovação, reafirmando o acesso à justiça para todos, ampliando o devido processo legal e ajudando assim a materializar o conceito de estado socialista de direito e justiça social, reconhecido no artigo 1º da Carta Magna.

A Lei dos Tribunais de Justiça potencializa a função judiciária no país, reforçando a independência do Judiciário e o papel dos juízes na sociedade, adequando sua estrutura e funcionamento às demandas atuais.

Reconhece princípios essenciais para a função judicial, como supremacia constitucional, imparcialidade, igualdade, livre acesso à justiça e participação popular nesta área.

O processo penal, com a aprovação da lei sobre a matéria, fica dotado de maiores garantias para todos os que nele intervêm.

Destacam-se o fortalecimento dos direitos e garantias reconhecidos na Constituição e nos tratados internacionais; o reconhecimento das vítimas e lesados ​​como sujeitos processuais, as formas previstas de solução dos processos, o tratamento dos arguidos e acusados com idades compreendidas entre os 16 e os 18 anos são novidades. Significativa é a assistência jurídica desde o início do processo, aliada ao controle judicial da medida cautelar de prisão provisória em qualquer etapa do processo, questões levantadas durante a consulta popular do texto constitucional.

A Lei do Processo Administrativo, além de tornar a matéria independente pela primeira vez na ordem processual, garantirá aos cidadãos a possibilidade de pleitear em juízo aqueles direitos que considerem violados pela Administração Pública, exigindo dos nossos dirigentes e funcionários um atuar de forma mais transparente e em conformidade com a legislação.

Por fim, o Código de Procedimentos padroniza os procedimentos de atuação em matéria civil, comercial, familiar e trabalhista e previdenciária. A norma reforça a proteção de pessoas em situação de vulnerabilidade e estabelece medidas para fazer cumprir as decisões judiciais, entre outras questões relevantes.

As quatro leis aprovadas pressupõem um desafio aos operadores do sistema de justiça, no sentido da necessidade da sua formação e de garantir a sua adequada aplicação, de forma a salvaguardar uma justiça célere e eficaz.

Ratificamos a vontade de continuar cumprindo a Agenda Legislativa aprovada por este Parlamento e, com ela, a desenvolver o conteúdo da nossa Constituição socialista.

O 8º Congresso do Partido, realizado neste ano difícil, deixou-nos valiosos debates e orientações fundamentais que são a referência e o maior impulso para o que fazemos. Abordou os problemas mais desafiadores da nossa realidade: lacunas, falhas de comunicação, necessidade de promover o diálogo, a participação e o controle popular, a vida em nossos bairros, o trabalho das organizações de massa e sociais, a atenção aos setores vulneráveis ​​da população, conhecimento de problemas e interesses da juventude.

Dos erros, rotinas e da burocratização do trabalho na comunidade, mas, sobretudo, das dificuldades geradas pelo bloqueio no cotidiano de todos os cubanos e da alta sensibilidade política que a aplicação da Ordenação Tarefa exigia, debateu-se fortemente no Congresso em abril.

Em circunstâncias difíceis, foi aplicada a Tarefa Ordenação, considerada um passo urgente no sentido de aumentar a eficiência empresarial, mas com efeitos indesejáveis ​​na vida dos cidadãos, que hoje se expressam, sobretudo, em inflação prejudicial.

Em seu discurso, o primeiro vice-ministro Alejandro Gil explicou longamente as causas e possíveis soluções deste problema, não vou aprofundar a não ser para dizer que estamos cientes da sua gravidade, por isso a prioridade que o Governo dá para sua solução agora cuidar de pessoas vulneráveis. Vários elementos de seu desenho inicial foram retificados levando em consideração os critérios do povo.

Não vamos mentir dizendo que isso se resolverá de uma só vez, só posso afirmar que a Revolução nunca fará nada além dos interesses e demandas do povo. E expresso a minha confiança de que também venceremos este desafio, tal como vencemos outros aparentemente intransponíveis (Aplausos).

As Diretrizes atualizadas no 8º Congresso do Partido e o que correspondem ao Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social até 2030, constituem a base da Estratégia Económico-social de dinamização da economia, cuja condução foi decidida que seja da responsabilidade do ministério da Economia e Planeamento, por meio dos macro programas, com os programas e projetos que o compõem.

Considerando que durante dez anos a Comissão Permanente para a Implementação e Desenvolvimento das Diretrizes cumpriu funções no interesse de atualizar o Modelo Econômico e Social de Desenvolvimento Socialista de Cuba, e que o sistema de gestão de nosso Governo foi aperfeiçoado, decidiu-se proceder à desativação da referida Comissão e transferir suas funções principais para o ministério da Economia e Planeamento.

Hoje estamos em melhores condições para aprimorar a gestão governamental em estreita aliança com as estruturas do Poder Popular, cujas potencialidades e reservas ainda têm muito a contribuir.

Não vejo cenário melhor do que este para refletir sobre o que esperamos do nosso Poder Popular.

O Poder Popular, com letras maiúsculas, genuíno, inovador e, por isso mesmo, questionado e atacado por quem o não conhece ou teme o seu exemplo, constitui o fundamento e a essência do sistema político cubano; Fortalecê-lo é promover a iniciativa e ação direta de nosso povo na consolidação do socialismo.

Esta mesma sessão da Assembleia deu-nos boas razões para propor uma discussão crítica e reflexiva sobre a participação e controle popular, suas várias formas, mecanismos e procedimentos. Mas também saliento que é importante que essas análises sejam realizadas em todos os espaços sociais, em todas as instituições e órgãos do Estado em todos os níveis, para promover uma ação criativa e responsável no processo revolucionário socialista.

Se uma aprendizagem nos proporcionou o intercâmbio com representantes de diversas organizações e grupos sociais, ou seja, os encontros com setores, e o percurso pelas províncias e bairros, é preciso assumir novos estilos de trabalho que correspondam à heterogeneidade do país, que as preocupações e contribuições dos cidadãos sejam adequadamente canalizadas e que cada demanda receba respostas oportunas, pertinentes e fundamentadas dentro do prazo e de acordo com o procedimento estabelecido.

É preciso aproveitar o conhecimento, a força e a iniciativa popular, não de forma formal, mas orgânica, respeitosa, ciente de que é assim que se acentua o princípio da corresponsabilidade no caminho da maior justiça social possível.

Quando falamos em inovação, como um dos pilares da gestão governamental, pensamos também em nosso Poder Popular.

A democracia socialista exige fazer, inovar, mudar e transformar permanentemente as formas de participação democrática.

Companheiras e companheiros:

A Constituição da República de 2019 e as leis aprovadas nesta Assembleia Legislativa pela Assembleia Nacional do Poder Popular são as bases jurídicas de apoio à nossa ação, que continuaremos desenvolvendo, juntamente com o aperfeiçoamento do sistema jurídico.

Ações que estimulam, promovem e materializam a participação popular têm importância defensiva e construtiva para o socialismo. A imobilidade, o formalismo nas estruturas de governo, em nível local, são tão prejudiciais quanto assistencialismo, que se limita a entregar bens e recursos sem considerar a importância da participação social.

A participação é a essência e a salvaguarda do nosso socialismo. O contrário só serve aos inimigos da Revolução com o propósito de retornar ao capitalismo em Cuba. A liberdade de discussão, o exercício da crítica e da autocrítica do que erramos, dos nossos problemas, é vital para seguirmos em frente, para fundar e amar.

Devemos ouvir, dialogar, atender às propostas de nosso povo. Temos que fazer consultas populares sobre assuntos de interesse local e nacional, promover o orçamento participativo para decidir entre todos onde e como melhor usar o dinheiro público, com ênfase na localidade, no bairro, no município.

Reafirmamos aqui a vontade do Partido, do Estado e da sociedade cubana de respeitar, promover e garantir os direitos constitucionais, vontade que se manifestou durante o processo de reforma constitucional, que teve como ponto culminante a aprovação do referendo, com força vinculativa à Constituição de República de 2019, e em todas as ações que se desenvolvem no dia a dia para gerar a proteção de direitos.

Estes duros meses de pandemia são a melhor prova de como o Estado, apoiado por cientistas, pessoal de saúde, educadores, trabalhadores, camponeses, combatentes, jovens, estudantes, no ambiente associativo de comunidades e bairros, em nossos atores econômicos, na política, organizações de massa e sociais, trabalhou duro para reduzir mortes e infecções; para salvar vidas como um direito que lhe permite usufruir do resto dos direitos.

A participação do cidadão salva! (Aplausos)

Os protagonistas do processo são aqueles que constroem a unidade sagrada, aqueles que desenvolvem a capacidade de resistência da nação; os guardiões da dignidade: nosso povo.

Ao avançarmos na vacinação em massa com atenção especial às meninas, meninos e adolescentes, mostramos nosso compromisso com a proteção integral dos direitos da criança e do adolescente em Cuba. Esta ação, não porque seja diária, deixa de ser extraordinária.

Temos o compromisso de reconhecer e avançar na garantia dos direitos das famílias, desenvolvendo os princípios da pluralidade familiar, diversidade, igualdade e não discriminação. Existe, como resultado dessa vontade, o Anteprojeto de Código da Família, sólido, robusto, que se baseia na dignidade humana como valor supremo que sustenta o reconhecimento e o exercício de deveres e direitos.

Estamos convencidos de que, por meio de processos de consulta especializada, consulta popular e debates na Assembleia Nacional do Poder Popular, no exercício do direito de participação, chegaremos ao referendo legislativo com um Projeto de Código da Família que colocará Cuba entre os países mais avançados no mundo em matéria de família, a favor de meninas, meninos, adolescentes, jovens, idosos e pessoas em situação de vulnerabilidade.

Estes são apenas alguns exemplos, podemos citar também o Programa Nacional de Promoção da Mulher, o Programa Nacional contra o Racismo e a Discriminação Racial e o Decreto-Lei da Maternidade da Mulher Trabalhadora, entre outros, que mostram que a Revolução respeita, promove e garante direitos (Aplausos).

Deputadas e deputados:

Esta Assembleia aprovou recentemente uma importante declaração denunciando a interferência do governo dos Estados Unidos em nossos assuntos internos e seu papel inaceitável de instigador e facilitador de provocações em andamento.

Nesta mesma sala, onde se discutiu longamente a Constituição da República de 2019, até à sua aprovação, não posso deixar de me referir às tentativas subtis ou malsucedidas com que os opositores da Revolução, muitos dos quais atacaram o processo que conduziu a sua aprovação, hoje pretendem usar os direitos que ela outorga para destruir a obra que esta Constituição defende e protege.

De acordo com o artigo 56º da Carta Magna: «Os direitos de reunião, manifestação e associação, para fins lícitos e pacíficos, são reconhecidos pelo Estado desde que sejam exercidos com respeito pela ordem pública e observância das normas estabelecidas por lei». O exercício de direitos implica o cumprimento de deveres, incluindo o respeito à ordem estabelecida na Constituição, que é expressão do princípio da soberania popular.

O Direito não pode ser interpretado por conveniência, muito menos no interesse de quem é o primeiro a não respeitá-lo. A Constituição, conforme estabelece o artigo 7º, «...é a norma jurídica suprema do Estado. Todos são obrigados a cumpri-la. As disposições e atos dos órgãos do Estado, seus dirigentes, funcionários e empregados, bem como das organizações, entidades e indivíduos se ajustam ao que ela dispõe».

Nossa Constituição consagra os princípios de independência e soberania dos povos, reconhece o direito à autodeterminação, expresso na liberdade de escolha de nosso sistema político, econômico, social e cultural; condena a intervenção direta ou indireta nos assuntos internos ou externos de qualquer Estado e, portanto, a agressão armada, qualquer forma de coerção econômica ou política, bloqueios unilaterais que violem o Direito Internacional ou outros tipos de ingerência e ameaça à integridade dos Estados.

Os direitos não são ilimitados, os seus limites também estão previstos na Constituição: são os direitos dos outros, a segurança coletiva, o bem-estar geral, o respeito pela ordem pública, a Constituição e as leis.

Uma manifestação deixa de ser pacífica no momento em que os participantes se dirigem a ela com a intenção de alterar a normalidade da vida comunitária, a paz social, com a intenção de subverter a ordem constitucional e posicionar-se como uma discrepância ao socialismo e, mais ainda, quando tudo isso é seguindo um roteiro vinculado aos interesses políticos de um governo estrangeiro que há seis décadas está travando uma guerra econômica contra nosso país.

Quero agradecer de forma particular a nossa comunidade científica, convocada a nos fornecer as ferramentas que só a Ciência pode e deve contribuir para os processos econômicos e sociais neste momento.

Graças à política visionária de Fidel de promoção da ciência e à continuidade que Raúl deu a esse trabalho; graças ao talento, à dedicação e ao compromisso com que se formaram várias gerações de pesquisadores cubanos, nosso Governo pôde enfrentar, como nenhum outro na América Latina e no Terceiro Mundo, a terrível ameaça de uma pandemia.

Quando no futuro imediato revisarmos estes anos, teremos que falar antes de tudo sobre o pessoal da Saúde, os criadores científicos e a Academia que saiu das salas de aula para compartilhar conhecimentos.

E também será necessário falar de nossas instituições armadas: as Forças Armadas Revolucionárias e o Ministério do Interior, que apoiam de forma decisiva os esforços voltados para o enfrentamento da situação, e assumiram a arriscada missão de produzir, transferir e servir oxigênio aos hospitais nas horas mais críticas para o país (Aplausos).

Devo também agradecer ao sistema empresarial das Forças Armadas Revolucionárias por sua indispensável contribuição para a economia do país, que nos permitiu dispor de recursos fundamentais para responder às emergências.

Só um país organizado, com uma liderança unida em torno de um propósito comum: a salvaguarda da nação, pode definir as metas mais elevadas nas horas mais difíceis.

Sabendo que nossa nação, bloqueada e sem recursos financeiros disponíveis, não poderia aspirar a proteger sua população da ameaça da pandemia, há mais de um ano solicitamos à nossa comunidade científica uma solução soberana para enfrentar a propagação da doença.

Hoje somos o primeiro país da América Latina com três vacinas e duas vacinas candidatas em desenvolvimento, e o primeiro do mundo a começar a vacinar sua população infantil de 2 a 18 anos.

Ao longo do caminho passamos pelos duros golpes de picos de contágio, saturação de hospitais, crises de disponibilidade de leitos e oxigênio, mortes muito dolorosas. As tensões aumentaram com falhas em usinas de energia, escassa disponibilidade de medicamentos e alimentos.

A matilha anti cubana, calculando nosso fim próximo, se atirou em nossos pescoços com demandas de intervenção humanitária e até de invasão militar. Nem se preocuparam em olhar para trás na história e ver como acabaram as nações «salvas» pelas tropas dos EUA ou da OTAN apenas neste século.

O povo cubano sabe disso, está informado e os homens e mulheres bons do mundo também sabem. Com essa consciência, foi organizada uma corrente solidária de doações que ainda estão chegando a Cuba.

Nas últimas semanas, o número de infectados e mortos caiu significativamente. Os alunos se preparam para voltar às aulas e o país se prepara para abrir fronteiras e para oxigenar a economia. Sentimos um desejo imenso de querer comemorar, por nossos filhos, nossos médicos, nossos cientistas, nossas vacinas, nosso povo; por Fidel, que volta sempre em cada uma das suas obras de fé legítima no homem, que salva vidas e ilumina o horizonte (Aplausos).

Há mais de um motivo para que a celebração seja responsável e contida. Novos surtos da pandemia estão ocorrendo em muitas partes do mundo em meio à crise causada pela paralisia econômica. Vivemos nesse mundo e temos que enfrentar riscos. Vamos tornar o sucesso duradouro.

Deputadas, deputados:

Em 15 de novembro, Cuba reabrirá suas fronteiras, os alunos voltarão às aulas; Havana, capital da dignidade, aguardará seu 502º aniversário, uma vez que não o pôde fazer nos últimos dois anos. A vida nacional retomará o seu curso, com a maior alegria, mas alerta.

A paz e a harmonia que caracterizam a vida em nossas ruas continuarão reinando.

Ninguém vai estragar a festa para nós! (Aplausos)

Já estamos vacinados contra a Covid-19, e contra o medo sempre estivemos vacinados! (Aplausos)

Temos uma Pátria e defendemos a Vida!

E ainda somos de Pátria ou Morte!

Venceremos!