Os laboratórios de guerra psicológica colocam em circulação através da Internet mentiras manipuladas para esconder o apoio do povo à sua Revolução e aos líderes

Autor: Iroel Sánchez 

Foto: Estudios Revolución

 

O povo dialoga, cumprimenta e agradece ao presidente durante os seus percursos pelas áreas afectadas. 

Armando Calderón foi um génio da minha infância e de cubanos e cubanas da minha geração. Todos os domingos, de manhã, nós sentávamos em frente à televisão para assistir às antigas comédias de filmes mudos às quais Calderón punha a voz.

«Mata sete» era o nome com que Calderon baptizava o actor que interpretava o valentão do bairro em vários daqueles filmes que ainda hoje vivem na memória de muitos cubanos daquele espaço intitulado A comédia silenciosa, quando no mundo digital e no uso de Internet se tornou comum, pôr voz ao que não tem, interpretar sons com base em objectivos, por vezes, muito menos nobres, ou vender gato por lebre através do «jornalismo de manchetes» que não tem nada a ver com a «evidência» que o acompanha. O mais lamentável é que, nestes últimos casos, embora o dinheiro seja abundante, quase sempre é escasso o talento que tinha o engenhoso animador da televisão cubana.

Mesmo que fôssemos as mesmas crianças que nos divertíamos com A comédia silenciosa, perceberíamos as costuras e muito óbvias manipulações de algumas produções que os laboratórios de guerra psicológica colocam em circulação através da Internet. Pelo menos é o caso de um vídeo que os sites pagos dos Estados Unidos para a propaganda contra Cuba circularam tentando desvalorizar o que pode ser visto em centenas de outros vídeos sobre o relacionamento entre o presidente Miguel Díaz-Canel e as pessoas que trocam com ele, nas ruas desde que assumiu o cargo, há menos de um ano, incluindo a sua gestão dos sérios efeitos do tornado que atingiu severamente vários municípios da capital cubana.

Num vídeo da retirada da escolta do presidente da cidade de Regla, que não está nas imagens, acompanham umas vozes que dizem «para cá» e algumas expressões insultantes que, ao contrário do que aconteceu em A comédia silenciosa, não têm rosto, e a manchete já está lá: «Díaz-Canel é vaiado durante sua visita a áreas afectadas pelo tornado em Havana». Não importa que o referido Díaz-Canel não esteja mais ali e, portanto, o vídeo não possa exibi-lo, e que apenas duas ou três vozes, que nunca chegaram ao suposto destinatário, ao qual nenhuma das expressões menciona o seu nome ou por sua posição.

Também não se leva em conta, para — como fizeram alguns — dizer com base no mesmo vídeo que o presidente «foge» perante uma situação que pode não ter percebido, outro filme na mesma localidade em que Díaz-Canel, ao ver várias mulheres ao lado da estrada do carro em que viaja, detém-no, fala com elas, preocupa-se com a sua situação, dedica-lhes tempo e orienta atender suas preocupações. Aquele «para cá» que o presidente não pôde ouvir e que quer dizer que reclamam a sua presença supõe que ele é vaiado ou que precisamente confiam nele para apreciar um problema e acelerar sua solução?

Muitos vídeos circulam durante estes dias do presidente cubano falando directamente com o povo nesses lugares atingidos pela natureza, neles pode ver muitas pessoas a filmar com telemóveis, enquanto o carinho e a simpatia mútuos são evidentes, apesar das tensões lógicas da situação desfavorável que os habitantes dessas zonas passam. Os «objectivos» expoentes do bom jornalismo que deveria ser feito em Cuba publicaram algum, não só da imprensa cubana, mas daqueles que os presentes ali filmaram com os seus aparelhos electrónicos? Por que não considerá-los mais próximos da propaganda e da guerra psicológica do que da informação, especialmente quando essa mesma média tem um longo histórico de falsas notícias da Lei dos Direitos dos Pais, que na verdade era a Operação Peter Pan, até os «ataques sónicos» que se tornaram uma espécie comum de grilos caribenhos? Pode-se ignorar o facto de que seus patrocinadores são aqueles que, para matar muitas vezes sete — e mais — tiveram que — do encouraçado Maine à Líbia e à Venezuela — assassinar previamente a verdade?