Companheiros,

O texto que transcrevemos, reflete indubitavelmente o pensamento de Fidel, a sua visão sobre a construção do socialismo e, tendo em conta a época em que este discurso foi proferido, 1960, podermos constatar o rigor e coerência no caminho percorrido até aos dias de hoje pela Revolução.

Consideramos por isso, importante a sua leitura e reflecção.

As grandes transformações sociais e a edificação de uma sociedade Socialista, constrói-se na luta incessante e com o Povo.

AAPC

Cuba fidelista contra o impossível

Curta parece a vida que ao ser humano lhe foi dada. Somos apenas gotas de luz diante do infinito da História. A morte, sempre tremenda, põe fim à matéria e, como lei inexorável, chega a todo mundo.

Autor: Yeilén Delgado Calvo | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

agosto 13, 2018 08:08:27

Curta parece a vida que ao ser humano lhe foi dada. Somos apenas gotas de luz diante do infinito da História. A morte, sempre tremenda, põe fim à matéria e, como lei inexorável, atinge a todos.

Derrotá-la — muito a despeito dos esforços daqueles que durante séculos tentaram fazê-lo com artifícios — só pode ser feito através de dois caminhos: deixar o amor semeado, a partir da nobreza e da entrega; ou gestar ideias que superem o pessoal para criar raízes no patrimônio comum.

Mas poucos homens e mulheres são seguidos pelos dois rastos de uma só vez e acedem a uma forma sublime de eternidade. Então deixam de ser eles mesmos para se tornar um povo, e quanto mais distante a data de sua partida, mais eles se multiplicam, como um bom fogo.

É suficiente evocá-los dizendo seus nomes e eles tornam-se tão próximos quanto apenas a utopia alcançável que sustenta e impulsiona nas horas de alegria e de sacrifício. Assim, Fidel permaneceu no peito da Ilha e, como sempre, de lá do futuro, fala-nos sobre o que torna um país grande: a união de seu povo contra o impossível.

Talvez isso possa resumir o legado vital daquele que foi escolhido entre os pobres e os esquecidos, e um defensor martiano de todas as dignidades: se uma ideia é justa, é possível; e para torná-la real, é necessário apenas convocar os revolucionários para sonhá-la. 

                                             

 Fidel Castro, um orador mestre, faz um discurso por volta de 1960.

Photo: Osvaldo Salas 

Nós devemos acreditar na humanidade, apesar de suas obscuridades, para fazer a Revolução; e entenda também que nela a luta não termina com o triunfo, mas com ele começa. Essa visão é o que torna Fidel tão magnético; a sua linhagem de líder e a sua autoridade inquestionável baseavam-se na fé maiúscula na vontade da espécie de transcender a si mesma e na capacidade analítica de ver além do óbvio.

A fim de conseguir uma Magna Carta que nos motive, isso coloca-nos diante não apenas da sociedade que somos, mas do que queremos ser, não é coincidência a data a partir da qual somos convocados para constituir e usar a voz, claro e alto: a política é uma questão popular, e essa é outra marca fidelista.

Por ser um “nascedor”, o dia 13 de agosto não marca o início de um ciclo fechado 90 anos depois, mas uma espiral que avançará enquanto houver alguém que repita o que já é uma sentença moral: Comandante-em-chefe, às ordens!