Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

 

Junto da estátua do Libertador Simón Bolívar, em Paris, representantes diplomáticos acreditados em França, perante a UNESCO, membros de associações de solidariedade com a Venezuela e com a América Latina e o Caribe, bem como cidadãos venezuelanos residentes em França, reuniram-se neste dia (5 de Julho) para celebrar o 207 aniversário da independência da República Bolivariana da Venezuela.

O evento, convocado pelas delegações diplomáticas da Venezuela em França e perante a UNESCO, foi presidido pelos embaixadores Héctor Mujica e Héctor Constant, junto com o Adido Militar deste país em França, os quais reafirmaram o compromisso e a vontade do governo e do povo venezuelano de defender a paz, a soberania e a independência nacional, contra a permanente agressão que há meses têm sofrido.

Nas suas declarações, os diplomatas da Pátria do Comandante Chávez, expressaram a sua determinação e das suas respectivas equipas de continuarem defendendo uma Diplomacia de Paz perante todos os cenário, fiéis ao legado do Libertador, acreditando  que irão vencer,  assim como este grande filho da América fez duzentos anos atrás, "sem hesitação", reafirmaram.

Representantes da Nicarágua, Bolívia, República Dominicana, Argélia, Palestina e Cuba, entre outros, estiveram presentes e com os amigos venezuelanos colocaram uma coroa de flores no monumento ao Libertador. Por parte de Cuba estavam presentes, a embaixadora Dulce Buergo, delegada permanente na Unesco, juntamente com outros funcionários da embaixada cubana em França.

Datas como estas exigem reflexão, renovação da solidariedade entre os povos e apelo à unidade e à integração regional para enfrentar a hostilidade imperial na região, como sempre defenderam os comandantes Fidel Castro e Hugo Chávez. Exemplares continuadores da obra de José Martí e Simón Bolívar, todos são e continuarão sendo paradigmas dos povos latino-americanos, que continuam lutando para realizar seus sonhos de uma América livre e independente.

"Um mundo melhor é possível", foi lembrado e não se poderá descansar até que este seja alcançado. 


(Delegação Permanente de Cuba na UNESCO)