Como parte das reuniões que o Presidente da República realiza sistematicamente com vários setores da sociedade cubana, 14 de setembro, um grupo de jovens assistentes sociais compartilhou experiências valiosas para melhorar e avançar no trabalho que realizam.

A reunião realizada na quarta-feira, 14 de setembro, à tarde, pelo presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, com jovens assistentes sociais que transbordavam de paixão e compromisso com o trabalho que realizam diariamente nas comunidades, foi impressionante, estimulante, instrutiva e muito útil.

Responsabilidades, histórias de vida únicas, dedicação e também mal-entendidos foram discutidos por mais de duas horas no emblemático salão Portocarrero, do Palácio da Revolução.

Cada palavra partilhada ali tinha o propósito comum de resgatar a essência fundadora deste Programa, com seu profundo significado humanista, criado por Fidel há 22 anos.

Foi exatamente isso que o presidente os chamou a fazer nos primeiros minutos do intercâmbio, porque, como ele lhes disse, nas suas experiências e propostas é possível encontrar as respostas sobre o que «fazer para aperfeiçoar, para melhorar, para avançar» em termos de trabalho social.

«Todo o processo de transformação que estamos a realizar hoje nos bairros», refletiu, «tem o trabalho social no seu cerne. Muitas vezes as pessoas as vêem apenas como transformações físicas, materiais ou infraestruturais, e nós somos contra isso; o fundamental aqui é como trabalhamos a espiritualidade, o sentimental, as emoções e, ao mesmo tempo, avançar em elementos que têm a ver com a vida económica e material», enfatizou.

«São vocês quem mais sabem sobre o bairro, porque vocês trabalham há anos com as famílias e perto de seus problemas, e é por isso que são fundamentais no acompanhamento destas ações».

«Eu sempre defendo», disse o presidente, «que a base tem que ser o trabalho social, e a partir daí fazemos todo o resto».

Fonte: Granma

setembro, 2022