Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

A colaboração é benéfica para ambos os países  

 

Vacina contra o cancro de pulmão

FotoPrensa Latina

 

A vacina terapêutica cubana contra o cancro do pulmão, Cimavax-EGF, resultado de mais de duas décadas de pesquisa, com resultados satisfatórios em pessoas em estágio avançado de cancro de pulmão, conquistou a comunidade científica norte-americana e sua população, com base nos avanços demonstrados nos estudos realizados.

O Centro de Imunologia Molecular Cubano (CIM) e o Centro de Pesquisa do Cancro de Roswell Park, em Buffalo, EUA, uniram forças há alguns anos para facilitar o acesso a equipamentos e reagentes para o desenvolvimento da medicação, informou a RT, mas a relação não tem sido sem dificuldades devido à política de bloqueio económico contra Cuba.

A criação da única joint venture entre Cuba e os EUA, a empresa de biotecnologia Innovative Immunotherapy Alliance, com o objetivo de introduzir o medicamento na sociedade norte-americana, deu a Cuba acesso a equipamentos e reagentes muito difíceis de obter devido às limitações da medida coercitiva, enquanto os EUA têm acesso a um medicamento com excelentes resultados e perspetivas.

A Dra. Elia Neninger, que participou dos testes clínicos da vacina terapêutica desde o início, assegurou à estação de televisão russa que o medicamento tem duas grandes vantagens: poucas reações adversas e uma solução para um grave problema de saúde na Ilha, como o cancro de pulmão. 

Kalet León Monzón, vice-diretor do Centro de Imunologia Molecular, disse que os pacientes que se beneficiam do medicamento estão-se a recuperar do cancro tumoral avançado e poderiam ter a perspetiva de sobrevivência em condições normais em muito curto prazo, de acordo com o jornal.

Um dos beneficiados pela vacina, Miguel Creus, um paciente que começou a receber Cimavax há 15 anos, quando a doença estava no quarto estágio e a vacina estava em testes clínicos, diz que a medicação prolongou sua vida com um estado de saúde satisfatório, e que atualmente não tem traços de tumores ou sintomas da doença.

Apesar dos efeitos do bloqueio económico da Casa Branca, a colaboração entre as duas instituições não pára, e a Cimavax supera os desafios. Os testes clínicos estão atualmente combinando esta vacina cubana com outros tratamentos do cancro bem-sucedidos, e seus efeitos estão a ser estudados em indivíduos ou pacientes de alto risco nos estágios iniciais da doença.

De acordo com alguns estudos, o cancro do pulmão é o terceiro mais comum nos EUA, mas o mais mortífero. Um alívio promissor poderia ser esta medicação cubana, um bom exemplo dos benefícios que se acumulariam para ambas as nações se tivessem um relacionamento normal.

 

julho, 2022