Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

O Vice-Primeiro Ministro e Ministro da Economia Alejandro Gil Fernández e a Ministra Presidente do Banco Central de Cuba Marta Sabina Wilson González participam da Mesa Redonda nesta quarta-feira para fornecer informações sobre a implementação do mercado de câmbio, medida anunciada na recente sessão de a Assembleia Nacional do Poder Popular.

 

 

O mercado cambial "é uma peça que faltava no funcionamento da economia"

“É uma das medidas que permitirá o avanço da recuperação da economia cubana, impactada pelo aperto do bloqueio e pelos efeitos de mais de dois anos de pandemia”, começou por dizer o ministro da Economia e Planeamento.

Quanto ao mercado cambial, salientou que “é uma peça que faltava no mecanismo de funcionamento da economia. Não por um problema de design, mas pelas condições em que a economia teve que se desenvolver nos últimos anos, que impossibilitaram o estabelecimento de um mecanismo de troca de moeda com sustentabilidade para a população e visitantes”.

Comentou que, muito discretamente, gradativamente, a economia começa a mostrar sinais de recuperação, embora bem abaixo do comportamento de 2018 e 2019. As principais atividades travaram a queda e estão iniciando um processo de recuperação, incluindo o turismo, um dos principais principais fontes de renda.

“Observa-se uma recuperação na receita cambial, mas ainda distante dos resultados do primeiro semestre de 2019. Estamos melhor se compararmos os resultados com os de 2020 e 2021, quando enfrentamos uma grande queda. Mas se você comparar com 2019, ainda há uma lacuna significativa.”

Segundo o ministro, uma das principais questões para avançar na recuperação da economia é aumentar as receitas cambiais, porque “a economia cubana é uma economia aberta, com alto nível de importações, que enfrenta altas altas nos preços internacionais. combustível, comida e frete.

 

Foto: @mesaredondacuba

 

Explicou que "foi avaliado e estudado, nas nossas condições, com as nossas peculiaridades de uma economia socialista, inclusiva, que não responde exactamente ao desenho de uma economia de mercado mas que tem de ser tido em conta, o que é mais forma coerente, prática e objetiva de avançar na implementação do mercado de câmbio”.

Esta avaliação - especificou - tem sido um trabalho coletivo no qual participaram especialistas do Banco Central de Cuba, do Ministério de Economia e Planejamento, professores da academia, com muita experiência, sempre sob a liderança do presidente e o primeiro ministro.

“É uma tarefa que vem sendo acompanhada pelo primeiro nível de gestão do país, contribuindo com ideias, buscando as melhores variantes, e nos sentimos satisfeitos com o trabalho que desenvolvemos.

“Sob o conceito de que, com audácia, devemos aproveitar oportunidades e pontos fortes, encontrar soluções para nossos problemas que dependem de nossos próprios esforços, consideramos que devemos dar um passo no sentido de restabelecer gradativamente a troca de mercado .

Ele afirmou que hoje há um nível de moeda estrangeira que está entrando no país que não está sendo capturado pelo sistema financeiro nacional. “Eles estão se mudando para outros mercados, com certa informalidade. Para canalizar o desenvolvimento da economia e sua recuperação, temos que encontrar uma forma de capturar essas moedas e investi-las com base na sustentabilidade e no desenvolvimento socioeconômico do país”.

Ele esclareceu que não é proibido que outras moedas, exceto o dólar americano em dinheiro, sejam capturadas pelo sistema financeiro, mas, "especificamente, na taxa de câmbio atual em que estamos trocando essas moedas, surgiu um mercado informal que é capturá-los a uma taxa de câmbio muito mais alta.

Portanto, acrescentou, há um incentivo para trocar moedas no mercado informal e não no oficial.

O mercado cambial – sublinhou Gil Fernández – não pode funcionar ao câmbio 1×24, “porque exige uma quantidade de moeda estrangeira que o país não tem. Além disso, seria necessário alocar ao mercado de câmbio moedas que hoje têm outra finalidade na economia”.

Como um mercado de câmbio deve funcionar de forma consistente? Sobre este ponto, o ministro disse que “deve funcionar na base de se comprar um certo nível de moeda estrangeira que entra no país, e depois vender um certo nível porque há procura.

“O mais lógico é que o mercado funciona com base em que essa operação de swap e re-swap de moedas reporte um resultado líquido positivo. Ou seja, que o Estado compre mais moeda estrangeira do que vende, e que esse resultado líquido positivo possa ser investido na economia, gerando oferta de bens e serviços em moeda nacional, de modo que haja incentivo à troca de moeda estrangeira. ”

O sucesso – continuou explicando – está em ter um nível de oferta em moeda nacional que gere o incentivo para que as pessoas que tenham moeda estrangeira troquem por pesos cubanos, pois com estes terão um nível de consumo no país.

“Se todas as transações na economia fossem em pesos cubanos, e todas as moedas que entrassem no país fossem trocadas por CUP para consumir nessa moeda, a moeda estrangeira obtida seria usada para investir na produção de bens e serviços para venda em COPA. . E para essas vendas, o dinheiro que é injetado em circulação por ter comprado uma moeda é coletado.

“Com isso, o peso cubano adquire seu valor, o objetivo estratégico. Sempre se afirmou que o objetivo estratégico é que a economia opere em pesos cubanos, com uma taxa de câmbio que garanta a conversibilidade interna da moeda e que lhe dê poder de compra real.

“Com isso, é possível trabalhar com muito mais autonomia no setor empresarial, comprar e vender moedas, interagir com todos os atores da economia”, disse.

Mas para chegar lá – continuou o ministro – é preciso percorrer um caminho.

“O ponto de partida é que tivemos a necessidade de introduzir a venda de moeda estrangeira e há uma demanda por compra de moeda. Não estou nesse cenário ideal em que todas as transações são em pesos cubanos: as pessoas físicas não exigem moeda estrangeira (só para viajar, mas não para consumo interno) e entraria mais moeda estrangeira no sistema financeiro do que sai, pois há mais incentivo para vendê-los ao sistema financeiro e trocá-los por CUP, do que comprá-los.

“Todos nós entendemos que as condições de hoje não são essas. Hoje, provavelmente, a demanda para comprar moeda estrangeira é maior que a oferta”, reconheceu o ministro.

Acrescentou que hoje existe uma procura de divisas por parte da população, porque existe um consumo interno de divisas e uma procura de emigração, muito provavelmente acima do nível de oferta.

"Em termos de mercado, isso tem uma variável de ajuste, que é o câmbio", disse.

“Se há muito mais demanda para comprar do que capacidade ou incentivo para vender, o câmbio fica mais caro. Enquanto a taxa de câmbio é mais alta, há mais incentivo para as pessoas venderem (em troca recebem mais pesos), mas menos para comprar (custa mais pesos).

“Em contrapartida, um câmbio mais baixo estimula a compra, mas não é um incentivo à venda. E o mercado tem que trabalhar em equilíbrio, tem que ter compra e venda. É desse mercado de câmbio que estamos falando, que faz operações nos dois sentidos”.

Sobre colocar um câmbio mais baixo, o ministro explicou que não seria responsável, nem econômica nem politicamente, começar a vender muito mais do que vai ser comprado, e que essa lacuna que se gera entre o que se vende e o que se compra , o Estado cobre-o com outros rendimentos que não são gerados pelo próprio mercado cambial.

“De que vamos tirar o dinheiro, o barco de arroz, o barco de combustível…? Esse é o problema que sempre levantamos. Temos que buscar a sustentabilidade do mercado cambial a partir de fontes próprias, não com fontes de geração de renda que tenham outro destino na economia", frisou, e reiterou que hoje "não estamos participando do mercado cambial, hoje o economia não está capturando aquela rede positiva que poderia existir no mercado de câmbio”.

Sublinhou que “devemos ter em conta este ponto de partida para o que vamos fazer. Caso contrário, seria irresponsável fazer algo que não é sustentável ao longo do tempo e precisa ser interrompido."

Segundo o ministro da Economia e do Planeamento, a partir deste ponto de partida verifica-se hoje que é necessário tomar um conjunto de medidas de salvaguarda para evitar que a procura ultrapasse a oferta, o que leva à subida da taxa de câmbio (com impactos inflacionistas e outros efeitos negativos) trabalhar com um mercado equilibrado, ou obter divisas de outras fontes, que não são abundantes e são utilizadas em atividades básicas, para injetá-las no mercado de câmbio e equilibrá-lo.

“Temos uma estratégia que devemos corrigir ao longo do caminho, para trilhar um caminho que não esteja isento de riscos e contradições e chegar a um cenário em que toda a economia funcione em moeda nacional, com um câmbio único na economia, tanto para para a população e para o setor estatal e não estatal, que garante a conversibilidade interna da moeda nacional, que dá poder de compra ao peso cubano”, afirmou.

“Temos que trilhar o caminho para esse estágio. Uma peça essencial para avançar nessa trajetória é o mercado de câmbio, que nos permitirá muitas transformações e também avançar na correção de distorções no funcionamento da economia”.

Mas, enfatizou, “esta trajetória não é apenas percorrida com medidas monetárias, mas também com o aumento e diversificação da produção de bens e serviços, o aumento da oferta e das exportações, a eficiência empresarial. As inconsistências ali existentes se expressam no ambiente monetário”.

 

Diferença entre o esquema de alocação de moeda secundária e o mercado de câmbio

Qual é a diferença entre o esquema de alocação de moeda secundária e o mercado de câmbio que se pretende implementar?

Sobre este assunto, o ministro explicou que o esquema de atribuição de divisas secundárias que começou em Maio passado procura deslocar-se num ponto intermédio entre o câmbio oficial (1×24) e o que o mercado informal está a exprimir, que não é o câmbio de equilíbrio ritmo da economia.

“Não se fala em população, em comprar e vender, é levar divisas para investir na economia de forma gradual e seletiva, para financiar atores econômicos estatais e não estatais que poderiam sustentar, sem aumento de preços na venda ao população, um aumento da taxa de câmbio, e contribuir para extrair um certo nível de liquidez em CUP da economia”, disse.

Ele especificou que foi implementado nas atividades de produção e fabricação de alimentos. "Mas isso não é o ideal, porque é seletivo e não tem fonte própria, sua fonte é a renda atual do país."

Este, destacou Gil Fernández, é o primeiro passo para o restabelecimento do mercado cambial. "O segundo é o que estamos anunciando nesta Mesa Redonda."

 

Anunciam novas taxas de câmbio para compra de moeda estrangeira pelo Estado

 

 

A Ministra Presidente do Banco Central de Cuba, Marta Sabina Wilson González, informou que foram estabelecidas normas que facilitam a implementação das medidas do mercado cambial.

Os decretos 17 e 37 de 2021, e 62 de 2022, foram revogados, pois estabeleciam que havia uma única taxa de câmbio para operar na economia nacional.

É estabelecido um novo decreto, 63, que permitirá estabelecer diferentes taxas de câmbio. A taxa de câmbio 1×24 é mantida para atividades específicas e haverá uma para o mercado de câmbio que será implementada.

"Então, emitimos as resoluções 126 (relacionadas à emissão de várias taxas de câmbio) e 127, que estabelece a compra de moeda estrangeira pelo sistema bancário, que é a primeira coisa a ser implementada."

 

Foto: @mesaredondacuba

 

A Resolução 127 estabelece que bancos e instituições financeiras não bancárias não aceitarão dólares norte-americanos em dinheiro de pessoas físicas e jurídicas para depósitos em contas bancárias, apenas para compras.

Isso "porque temos as mesmas condições do bloqueio e as dificuldades de operar com a moeda USD e exportar dólares para o exterior para realizar nossas operações de comércio exterior".

O ministro-presidente do Banco Central reiterou que o mercado de câmbio vai ter diferentes fases de implementação, começando pela compra pelo Estado e, em determinado momento, dando lugar à venda.

“Este mercado não vai resolver os problemas da economia interna. As bases devem existir, para as quais estão sendo trabalhadas novas medidas para dotar o país de divisas e bens e serviços que nos levem à estabilidade econômica. Isso nos permitirá ir ao objetivo final, que é estabelecer uma taxa de câmbio única que permita o equilíbrio na economia e onde a moeda nacional seja a moeda com a qual todos desejam realizar suas operações.

“Nesta primeira etapa participarão os diferentes atores: pessoas físicas residentes ou não em Cuba e estrangeiros, aqueles que exercem alguma atividade comercial, cooperativas não agrícolas e MPMEs privadas. Em outras fases vamos incluir outros atores da economia”, especificou.

A partir deste 4 de agosto, as pessoas poderão realizar a venda por meio de transferências recebidas do exterior. “Se receber uma transferência do estrangeiro e precisar de moeda nacional, pode indicar que seja creditada na sua conta em moeda nacional. Através de contas em moeda livremente conversível, com pedido de transferências para contas em CUP. Da mesma forma, pode ser feito em dinheiro.

“A moeda nacional será recebida através de depósitos em contas na CUP, para as quais as margens serão mais favoráveis, pois é o que estamos a promover. Também através da entrega de dinheiro, que terá uma margem menos estimulante”.

Ele lembrou que, devido à situação da economia, há uma demanda muito grande por dinheiro. “Este tem por trás uma demanda da MLC para poder adquirir a tinta, o papel e os equipamentos com os quais os bilhetes são emitidos. Assim, será favorecido tudo o que não for emitir mais cédulas e favorecer as transações eletrônicas”.

Alertou que estas operações vão ser, por enquanto, no guichê de caixa, e em breve os caixas eletrônicos serão incluídos como opção.

Onde esse tipo de mudança será implementado? Será adquirido em todas as províncias, nos principais municípios e, na medida em que a procura o permita, serão criadas novas condições. O serviço também será prestado em aeroportos, hotéis e centros turísticos.

As sucursais onde se realizará esta atividade serão publicadas no site do Banco Central de Cuba.

O Ministro Presidente do Banco Central disse que “consideramos o câmbio de 120 CUP para 1 dólar. Esse tipo de mudança não é a mudança de equilíbrio da economia, é a deste primeiro momento”.

A taxa de câmbio de 120×1 é a fixada pelo Banco Central. Os bancos comerciais têm uma margem de compra e venda, de acordo com um padrão internacional.

“Essas margens visam estimular operações que não envolvam dinheiro e a compra de outras moedas que não o dólar. Estamos falando de um intervalo entre 2 e 9%. Essas margens, no caso de compra de moeda estrangeira à vista e em aeroportos, melhoram em relação à variação anterior de 1×24.

Se você for ao banco amanhã e vender um euro, o banco estará lhe dando 119,69 CUP. Para o dólar, a margem é de 8%. Se você vender um dólar para o banco amanhã, receberá 110,40 CUP”.

Para transferências do exterior, a margem para compra de moeda será zero, bem como para compras ou saques de cartões internacionais e transferências de contas em moeda estrangeira para CUP. Esses quatro negócios teriam margem zero e a mudança seria 1 × 120.

Para saques em dinheiro através de contas em moeda, haverá uma margem de lucro de 1%. Para depósitos de moeda em espécie em contas na CUP, terá 1,50, onde o dólar terá maior impacto.

Marta Sabina Wilson González reiterou que o mercado cambial começa com a compra, mas "em determinado momento temos que concretizar a venda, porque aí não seria um mercado".

Ele acrescentou que o objetivo fundamental de um Banco Central é defender a moeda nacional de um país e tentar garantir que todas as transações sejam nessa moeda.

"Entendemos a necessidade de implementar uma negociação em outra moeda que não o peso, mas temos que corrigir isso, porque trouxe distorções na economia", disse.

Nesse sentido, salientou que, para atingir o câmbio equilibrado de que a economia necessita, é necessário "produzir bens e serviços que estimulem a população a comprar em moeda nacional e desencorajem gradualmente a necessidade de adquirir moeda para satisfazer suas necessidades."

 

Ministro da Economia: Medida é feita para dar legalidade ao mercado de câmbio

No final da  Mesa Redonda  desta quarta-feira, o ministro da Economia, Alejandro Gil Fernández, sublinhou que, para as operações de compra, "o câmbio de base económica é aquele que nos dá uma garantia razoável de que existe um incentivo para vender essas divisas ao Estado e que o Estado pode comprá-los”.

Todas as pessoas que têm moeda “podem legalmente trocá-las a uma taxa de câmbio de base económica, o que garante um retorno em moeda nacional que, hoje, lhes confere um poder de compra superior ao recebido por nós que temos um salário. Isso cria uma distorção nos preços relativos.

“Por exemplo, uma pessoa que compra um litro de gasolina a 30 pesos, se medido pela taxa de câmbio 1×24, está comprando por aproximadamente 1,20 USD. Se você vendeu um dólar e recebeu 120 pesos, há uma redução nos preços relativos que são mantidos em moeda nacional.

"Aqui os preços da cesta de compras familiar padronizada não estão aumentando, nem os preços das lojas em pesos cubanos, não há crescimento no nível de preços da economia ao nível da nova taxa de câmbio."

Diante dessas distorções, disse ele, "temos pressa para continuar avançando em uma operação coerente do mercado de câmbio, porque um problema se resolve, mas outros se geram"

Gil Fernández sublinhou que esta medida “não gera qualquer fundamento ou justificação para aumentar os preços.

“Amanhã ninguém pode dizer que teve que aumentar os preços porque na  Mesa Redonda  disseram que vão comprar dólares a 120 pesos. Isso não tem impacto. Estamos falando de comprar moeda estrangeira e dar pesos cubanos em troca.”

Nesse contexto, “quanto maior o câmbio, mais estimula a compra pelo Estado. Tudo tem um custo, e o maior custo hoje é não ter a moeda estrangeira.”

"Na mesma medida em que podemos capturar essa moeda, investi-la na economia e aumentar as ofertas em pesos, podemos tomar decisões na ordenação dos mercados", disse ele, acrescentando que as ofertas em moeda nacional devem ser aumentadas.

Ele lembrou que houve necessidade durante os dois anos da pandemia, de proteger os trabalhadores, de injetar dinheiro em circulação sem apoio produtivo, e isso é inflacionário. Ele também destacou a necessidade de controlar o déficit fiscal e a evasão fiscal.

“Isso que anunciamos não é uma medida mágica. É uma medida essencial. É um passo em que temos que continuar avançando e incorporar a venda”, ressaltou.

Ele confirmou que o câmbio de 120 não é de equilíbrio, nem daquele mercado, é só para comprar. “Quando começarmos a operar, vamos administrar uma taxa de câmbio que equilibre a oferta com a demanda e teremos que colocar certos limites nas vendas.

"A taxa de câmbio de equilíbrio da qual estamos falando como objetivo final é uma única taxa de câmbio de equilíbrio para toda a economia."

O ministro salientou que existe uma tendência ilegal de não aceitar a moeda nacional. "Se nós mesmos não aceitarmos a moeda nacional, ela não terá valor."

Ressaltou que o objetivo final é alcançar uma sociedade com a maior equidade e justiça social possível. “Há pessoas que não têm dólares ou euros para vender para lhes dar em troca a moeda nacional. Mas na medida em que esse estado socialista captura essas moedas, elas são reinvestidas em favor da sociedade.

“A medida é feita para dar legalidade ao mercado de câmbio, colocando os pés no chão com uma visão objetiva da realidade e buscando uma forma de capturar e canalizar essas moedas de acordo com a sociedade.

“Como tudo que é feito, não tem efeito imediato. Não podemos dizer que na segunda-feira começaremos a dar ofertas em moeda nacional, mas é uma medida que contribui para atingir esse objetivo.

“Esta medida ataca a falta de moeda estrangeira, busca um mecanismo para canalizar essa moeda com base em ofertas em moeda nacional e homenageia o objetivo de recuperar o poder de compra do peso cubano.

“E isso nos permite chegar, com a trajetória necessária, a uma economia que opera em moeda nacional em todas as suas transações e tem capacidade de compra de salários, rendimentos do trabalho”, concluiu.

 Fonte:  Trabalhadores. Órgão dos Trabalhadores Cubanos