A propósito da comemoração do 26 de Julho, dia do assalto ao Quartel de Moncada, recolhemos do Jornal Granma, deste domingo (25/7), o testemunho de António Rodriguez Salvador, que viveu no período negro da ditadura de Batista a realidade daquela época.

Baseado num censo de 1953 e de uma estatística de 1957, realizada pela Agrupação Católica Universitária, regista detalhadamente as condições de vida dos trabalhadores agrícolas: não havia apagão de electricidade porque 56% da população não tinha electricidade, só 4% da população comia carne e só 3,4% comia peixe, ovos 2,1% e leite 11,2%. A desidratação atingia 91% da população. Aquele estudo refere, ainda, que 14% da população sofria de tuberculose e 13% sofreu febre tifóide.

Esta dura realidade levou um grupo de jovens revolucionários ao assalto de Moncada, dando, assim, início à luta libertadora.

 

A Associação de Amizade Portugal-Cuba realizou uma iniciativa em Setúbal, organizada pelo Núcleo de Setúbal, para celebrar o 26/7 e manifestar a sua solidariedade ao Povo Cubano.

Fonte: Granma

No sábado,17 de Julho, logo pela manhã, 100.000 cubanos em manifestação encabeçada pelo Presidente de Cuba Diaz-Canel e Raúl de Castro, concentrados na Pirágua, a escassos metros do Malecón, demonstraram o seu apoio à Revolução, condenaram os actos de vandalismo de 11 de Julho e exigiram o fim do criminoso bloqueio.

A primeira intervenção coube à dirigente juvenil Aylin Álvarez Garcia. Esta destacou que Cuba tem batalhado pela sua independência face às tentativas de anexação, "o que querem destruir aqui, agora, e apagar, vai para além dos interesses ou motivações de um ou de outros. O plano é mais terrível e sinistro, querem acabar com a Revolução, que tanto tem feito por todos e tanta dignidade tem sustentado". Por último recordou as palavras de Fidel de Castro, em 1995, "nem os jovens de hoje, nem os que venham amanhã, renunciarão a esta gloriosa luta, não só pela independência e pela liberdade, mas também pela igualdade e a justiça".

 

1€ / 12 seringas / 203.000 seringas para Cuba

 

 Caros amigos,

Caros companheiros

 

A Campanha europeia para aquisição de 10 milhões de seringas para Cuba, que decorreu sobre o lema “A SOLIDARIEDADE SALVA VIDAS”, está encerrada.

Foi uma iniciativa que teve grande receptividade onde ficou bem patente o apreço pelo povo cubano e a sua revolução e simultaneamente o repudio pelo bloqueio que há mais de 60 anos os EUA, infringindo todas as normas internacionais, mantêm e têm agravado.

Mesmo em tempo de pandemia, não se abstiveram de dificultar e mesmo impedir o acesso a bens fundamentais para o combate a este flagelo, dificultando assim o combate à doença e consequentemente pondo vidas em risco.

Este bloqueio é criminoso é genocídio.

Em toda a Europa, largas dezenas de Associações de Solidariedade com Cuba, lançaram esta grande iniciativa que agora terminou.

A Associação Conquistas da Revolução, Associação de Amizade Portugal Cuba, CGTP-Intersindical Nacional, Conselho Português para a Paz e Cooperação, Porto Com Cuba e a Universidade Popular do Porto, saúdam todos os amigos que num gesto de grande solidariedade contribuíram para que possamos adquirir 203.000 seringas.

 

A SOLIDARIEDADE SALVA VIDAS

FIM AO BLOQUEIO!

CUBA VENCERÁ!

 

Associações aderentes em Portugal

A politica externa Norte Americana sofreu mais uma pesada derrota na Assembleia Geral das Nações Unidas onde 184 países repudiaram o criminoso bloqueio movido contra o povo cubano.

Apesar da crise pandémica que assola o mundo o bloqueio continuou a ser o eixo central da politica do governo americano.

No decurso deste ano, este sistema de medidas coercivas unilaterais manteve-se intacto, com graves efeitos nos esforços nacionais para conter a pandemia e atenuar as consequências económicas e sociais daí decorrentes.

Cuba vive há 60 anos sob o cerco de um vírus tão feroz como o que assola a humanidade hoje. Nestas seis décadas de aplicação, o bloqueio intensificou-se em momentos de maior vulnerabilidade para o povo cubano. O seu agravamento no contexto actual obriga o país a lutar contra a maior pandemia das últimas décadas e contra o mais longo e abrangente sistema de medidas coercitivas da história. Não há justificação para tal crueldade.

A Associação de Amizade Portugal Cuba saúda calorosamente a Republica Bolivariana da Venezuela hoje 24 de Junho, dia em que se comemoram 200 anos da vitória militar no campo de Carabobo sob o comando do Libertador Simon Bolivar e se tornou realidade a independência da Venezuela do jugo colonialista espanhol.

Actualmente a Republica Bolivariana da Venezuela enfrenta uma guerra hibrida com traços neocoloniais desencadeada pelo imperialismo Norte Americano, apoiado pela União Europeia, que visa derrotar a Revolução Bolivariana mas que está votada ao fracasso pela luta do Povo e a sua Aliança Cívico Militar.

Saudações de amizade e solidariedade com o Povo da Republica Bolivariana da Venezuela.

26.06.2021

A Direcção

 

 

      

24 de Junho de 2021