O bloqueio causa escassez, o consumo é afectado, sentimentos constantes de ansiedade são criados, meios contrarrevolucionários tentam conectar as pessoas ao ódio. Fomos educados seguindo os princípios do humanismo e da justiça. O ódio não constrói. Não vamos ser manipulados

Autor: Raúl Antonio Capote | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fevereiro 2020

Foto: Juvenal Balán

 A Polícia Revolucionária Nacional, em várias ocasiões, retornou aos estudantes objetos roubados nas escolas

 

Na terça-feira, 11, às 12h26, uma mensagem foi veiculada nas redes digitais, despertando o interesse de milhares de pessoas, escreveu um usuário da Internet no Facebook: «Acabei de ver algo chocante» e narrou com entusiasmo o desempenho corajoso e digno de uma oficial da Polícia Nacional Revolucionária (PNR). «Sozinha, contra uma multidão enfurecida determinada a linchar um estuprador, ela, com mais escudo do que seu corpo, cumpriu o dever (...) de proteger a vida do criminoso, para que a justiça aplique a lei».

No momento, centenas de pessoas partilharam e comentaram favoravelmente a mensagem, e o vídeo foi postado no seu canal pelo youtuber Guerrero Cubano, que motivou a redação da Internet.

No material do Guerreiro Cubano, pudemos ver o desempenho determinado e justo de nossa Polícia, em 8 de fevereiro, em Santiago de Cuba, procedendo de acordo com a lei, realizando a prisão de uma pessoa acusada de ter cometido um crime monstruoso: o estupro de uma garota com menos de oito anos de idade, enquanto um grupo atacava os policia que, apesar da situação complexa, nunca perderam a calma e agiram com o máximo profissionalismo.

No decorrer desses eventos começaram a aparecer nas redes apelos para linchar, queimar, destruir, enfrentar a polícia. Pessoas sem escrúpulos, aproveitando a dor de parentes, amigos e vizinhos da vítima, ligaram para semear o caos e acusaram a PNR e o Governo de «proteger» o estuprador.

O crime, incomum na nossa Ilha, despertou a indignação e a raiva do povo, num país onde o respeito às crianças é uma essência e não um slogan.

Os apelos à violência e à desordem usando redes digitais, mensagens que aparecem com certo grau de sincronização, de articulação, nos principais meios da contrarrevolução, não podem ser coincidência. Eles aparecem nos mesmos meios de comunicação que apoiaram os chamados «clandestinos» que tentaram manchar a imagem imaculada do Apóstolo de Cuba, José Martí, os mesmos «falsos democratas», os mesmos mercenários, buscando, pela manipulação da sensibilidade de um caso assim, envolver pessoas do povo em actos contra si mesmas.

OS MECANISMOS DO CAOS E DA VIOLÊNCIA

A guerra económica contra a Ilha está a amentar, após o recurso de culpar a vítima. Como diz o preceito da guerra não convencional, é preciso tentar «alcançar o estranho resultado de que a vítima não apenas não se queixe, mas acabe culpando-se pelo infortúnio e aplaudindo o carrasco».

O bloqueio causa escassez, o consumo é afectado, sentimentos constantes de ansiedade são criados, meios contrarrevolucionários tentam conectar as pessoas ao ódio, mentem-lhes, mobilizam-nas, lidam habilmente com os fios do ressentimento para transformar as pessoas numa bomba de tempo.

O terreno é «preparado» com o objectivo de causar grande confusão mental, dada a inundação de factos, mensagens e notícias falsas. «Os cidadãos entram num estado de regressão de tal forma que não conseguem pensar racionalmente nem proteger os seus interesses», afirmam os manuais da CIA. Nesse estado, muitas pessoas são facilmente manipuladas.

Não por prazer, os planos de subversão na época de Obama não renunciaram à guerra económica; pelo contrário, o projecto Genesis, para citar um exemplo, explicou claramente que «a pressão sobre a economia tinha que ser rigorosamente mantida, para forçar o Governo a negociar em posições desfavorecidas». Era uma mistura de sedução cultural e afogamento económico.

Durante a apresentação do projeto de resolução Necessidade de pôr fim ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América contra Cuba, em Nova York, em 7 de novembro de 2019, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, levantou: «Nos últimos meses, o governo do presidente Donald Trump iniciou uma escalada na sua agressão a Cuba, com a aplicação de medidas não convencionais, para impedir o fornecimento de combustível ao nosso país. O Seu objectivo, além de afectar a economia, é prejudicar o padrão de vida das famílias cubanas. O governo dos Estados Unidos é responsável».

Cerca de 187 acções entre multas, sanções e medidas contra o povo cubano foram tomadas em 2019, a fim de gerar dificuldades, insatisfação e revolta contra o governo, como foi bem exposto no Memorando de Lester Mallory em 1960, o que suscita provocar a decepção e o desânimo na população para facilitar e derrubar a Revolução.

Eles querem nos deixar sem combustível para o transporte, sem gás para cozinhar, querem paralisar o país e afectar o cotidiano da família cubana para iniciar concessões políticas. Eles precisam de muito ódio, precisam de medo, precisam cancelar o raciocínio das pessoas, agir irracionalmente, anular as suas defesas psicológicas, acabar com sua autoestima.

Cuba tem sido alvo de uma campanha sistemática de influência motivacional, pura e dura guerra psicológica, fabricada nos laboratórios da CIA, para construir um estado mental que leve as pessoas a agir além de toda lógica, que as leve a executar acções agressivas, crie um estado de irracionalidade que possa transformar o ser humano num animal e, nesse estado, cientificamente gerenciado, tentar trazê-lo para a consecução da acção desejada pelo manipulador.

Tal como repetem os ideólogos das guarimbas, do Maidan ucraniano, sujeitos tais como George Soros e Gene Sharp, os meninos «internacionalistas» do Otpor: o objetivo é garantir que nada permaneça além do caos.

A NARRATIVA DA INDIGNAÇÃO AO SERVIÇO DOS PLANOS IMPERIAIS

Na Bolívia, gangues de criminosos cobertos pela narrativa de «indignação popular» por suposta fraude eleitoral, assumiram o controle das cidades, realizaram bloqueios de estradas públicas no estilo dos guarimbeiros venezuelanos, queimaram instituições, fizeram ameaças, cometeram assassinatos, torturas nas vias públicas e humilhação a líderes sociais e políticos.

modus operandi não é exclusivo na nossa região. Em Novembro de 2019, o Irão sofreu uma onda de violência que destruiu 730 bancos, 70 postos de gasolina, 140 prédios governamentais e mais de 50 bases das forças de segurança.

Por trás desse roteiro perfeitamente elaborado estava a CIA, baseada no foco dos protestos, na escalada da violência e no uso do recrutamento de criminosos para atacar as forças de segurança.

Em 2004, Srdja Popovic e Slobodan Dinovic, líderes do Otpor, criaram na Sérvia o Centro de Acção e Estratégia Não-Violenta Aplicada (Canvas), negócios atraentes e produtivos financiados pelo governo dos EUA. O manual elaborado por esses gurus do «golpe suave» explica na sua introdução que «é necessário gerar fontes de confronto com a polícia e provocar a acção das forças de segurança».

O manual Luta Não Violenta: 50 pontos cruciais, tornou-se a «Bíblia» dos movimentos sediciosos e terroristas nos países árabes e na América Latina, tanto ou mais que os manuais de Gene Sharp, Bob Helvey e Ackerman, pioneiros em nome da CIA da estratégia e seus preceitos foram aplicados contra Venezuela, Irão, Ucrânia, Síria, Bolívia etc.

O Genesis, um projeto ideológico de subversão política elaborado para Cuba, descreve perfeitamente esse tipo de cenário: «Uma vez declaradas publicamente as intenções do movimento, recrutaram ativistas altamente comprometidos, continuam a realizar acções de rua que geram a acção repressiva das forças de segurança, para que seja criado um estado de ingovernabilidade e caos que justifique, sempre a pedido do povo de Cuba, a intervenção dos Estados Unidos.

O QUE NASCE SOBRE O ÓDIO NÃO SE APLICA

Quem está interessado em fazer o mundo acreditar que existe um clima de insegurança e violência em Cuba?: a maquinaria do ódio em Miami, a produtora de lodo, que é profundamente anti-martiana, o mesmo que dizer anti-cubana; que não conhece um princípio essencial do Apóstolo, tudo aquilo que se procure elevar acima do ódio não se sustenta. José Martí era um revolucionário sem ódio, então discordava dos «bárbaros que confiam tudo à força e à violência».

A PNR agiu de acordo com a lei, num país de leis que respeita acima de tudo a integridade do detento, um detento que não é culpado até que seja julgado e condenado; agiu de acordo com a tradição instruída dos fundadores da nação, de acordo com uma revolução que julgava criminosos de guerra, assassinos que cometeram crimes hediondos, torturaram e desapareceram milhares de jovens cubanos; os torturadores de Batista não foram linchados, foram julgados com todas as garantias processuais. É assim que agimos e sempre faremos dessa maneira.

O culpado de um acto tão atroz será julgado e condenado, não temos dúvida. Fomos educados seguindo os princípios de humanismo e justiça que são a essência do «sol do mundo moral» ao qual aspiramos. O ódio não constrói. Não vamos ser manipulados.

AAPC Fev. 2020