Como parte de sua visita oficial ao nosso país, o presidente de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço, teve um encontro com combatentes internacionalistas cubanos, durante o qual lembraram aqueles tempos de luta pela independência deste país africano

Autor: Redação Nacional | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Julho  2019


Arquivo do Granma

 Cuba contribuiu decisivamente para a libertação de Angola.

O presidente de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço, destacou durante um intercâmbio com combatentes internacionalistas cubanos, a eterna gratidão do seu povo para com a ilha.

O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos mente repetidas vezes e pela sua verdadeira «virtude e talento» deveria ser nomeado conselheiro da insegurança internacional

Autor: Raúl António Capote | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Julho 2019




 

Bruno Rodríguez Parrilla, ministro das Relações Exteriores de Cuba, disse que 400 mil especialistas cubanos da saúde colaboraram em 134 países e que seus especialistas realizaram 3,4 milhões de cirurgias oftalmológicas.

O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, na sua conta no Twitter, declarou com absoluta certeza que «os EUA enviam um navio escolar para a região – referindo-se à Venezuela — e Cuba envia meios de repressão».

O ministro cubano das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla, descreveu as palavras do conselheiro como delirantes, a quem chamou de «mentiroso patológico sem tratamento». Bolton esconde, explicou o chanceler, que «400 mil especialistas cubanos da saúde colaboraram em 134 países e que realizaram 3,4 milhões de cirurgias oftalmológicas». «Cuba formou 35 mil médicos de 138 nações. Os EUA têm 250 mil soldados em 800 bases militares em 177 países, 80 delas na América Latina», explicou Rodríguez Parrilla em sua conta na rede social Twitter.

O Conselho de Ministros aprovou um conjunto de medidas para impulsionar a economia, incluindo um aumento do salário no sector e pensões, que beneficiarão mais de 2,7 milhões (2.750.000) pessoas

Autor: Leticia Martínez e Yaima Puig Meneses/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Junho 2019


Photo: Dunia Álvarez Palacios

 

O Conselho de Ministros, chefiado pelo seu presidente, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, aprovou várias medidas com vista a promover uma estratégia económica baseada na maximização das capacidades internas e do potencial humano do país.

O presidente explicou que a partir de visitas às províncias, as opiniões da população, propostas feitas em congressos, como o da Central dos Trabalhadores de Cuba e atendendo aos problemas que enfrenta a economia, agravada pela política hostil do governo dos Estados Unidos, foi criado um grupo de trabalho – também com a participação de académicos das ciências económicas – debateu sistematicamente as decisões que agora são aprovadas pelo mais alto órgão governamental do país.

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, participou na manhã de 4 de Julho, na 63ª Assembleia Geral Ordinária da Organização Centro-americana e do Caribe de Entidades Fiscalizadoras Superiores (OCCEFSs) que culmina as suas sessões hoje no reconhecido Hotel Nacional

Autor: Redação Nacional | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Julho 5, 2019

Photo: Estudio Revolución

 

«O evento acontece no meio de uma paisagem de crescente hostilidade do império que não vai parar o nosso desejo de implementar programas de educação e desenvolvimento do país», disse Diaz-Canel. 

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, participou na manhã de 4 de Julho, na 63ª Assembleia Geral Ordinária da Organização Centro-americana e do Caribe de Entidades Fiscalizadoras Superiores (OCCEFSs) que culmina suas sessões hoje no reconhecido Hotel Nacional da capital cubana, segundo o site da Presidência da República.

Delegações da Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Perú e República Dominicana participam no encontro, que é presidido por Nelson Shack Yalta, Controlador-geral da República do Perú, na sua qualidade de Presidente da Olaccefs, que inclui as instituições superiores de Auditoria de toda a região da América Latina e o Caribe.

O presidente cubano assegurou o pleno apoio do povo e do Governo para o desempenho bem sucedido do evento, que segundo ele, «tem muito a ver com a vocação do nosso governo para apoiar os processos que nos ajudam a tornar a governação mais transparente perante o povo e nos permitem abordar de forma abrangente a disfuncionalidade na atividade do governo e evitar males como o flagelo da corrupção».

O presidente disse que "na medida em que possamos resolver este problema em conjunto, como já nos integramos em outras lutas, estamos oferecendo, estaremos aprendendo e entendendo essas experiências».

«O evento acontece no meio de uma paisagem de crescente hostilidade do Império isso não nos fez parar em nosso desejo de programas e educação e desenvolvimento do país», disse Díaz-Canel, que confirmou que queremos que todos esses processos sejam feitos com a maior transparência do governo, e com a maior qualidade do ponto de vista da eficiência da gestão pública, administrativa e de negócios.

INDICAÇÕES DO PRESIDENTE CUBANO

Governo em visitas às províncias do país, o presidente tem insistido que se deve trabalhar com mais transparência e participação da população, o que promove uma maior confiança na gestão do governo.

Nos saldos das entidades da Administração Central do Estado já declarou a importância para a revolução da batalha ética permanente contra a corrupção e as ilegalidades, particularmente no do BCC referiu-se ao confronto contra possíveis manifestações de lavagem de dinheiro, negócios ilegais, suborno, relações impróprias com clientes nacionais e estrangeiros, falsificação, peculato...

«Propomo-nos a desenvolver um governo de gestão com a administração pública e empresarial mais eficiente, com menos obstáculos e burocracia, mais transparência e participação», disse na cerimónia de encerramento da Terceira Sessão Especial, da Nona Legislatura, da Assembleia Nacional do Poder Popular.

 

Numa entrevista com a rede Telemundo, O presidente Donald Trump não cessa nas suas acusações contra Cuba, acusando-a de ter «25 mil soldados lá»

Autor: Bertha Mojena Milián | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Julho 4, 2019



O tratamento mais humano: Próximo! Foto: Martirena

 

O presidente Donald Trump não cessa nas suas acusações contra Cuba. Numa entrevista na última quinta-feira com a Telemundo — a propósito, a primeira oferecida a um canal de televisão em língua espanhola — disse: «Você vê o que está acontecendo na Venezuela? É horrível. E você sabe quem é o principal responsável pelo problema? Cuba. Ela tem 25 mil soldados lá».

Como se isso não bastasse, Trump também disse que vai «consertar a situação em Cuba» e que sua política de apertar o bloqueio e impor outras medidas para reverter a aproximação bilateral alcançada durante o mandato de Barack Obama poderia «acelerar o processo de transição para a democracia na ilha comunista».