A Revolução Cubana completa 60 anos! E quando os cubanos celebram, eles não olham apenas para o passado, os cubanos sabem que a Revolução ainda é um projecto para o futuro. Não só para Cuba, mas para toda a humanidade.

Autor: Frei Betto | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
7 de janeiro de 2019

A Revolução Cubana está comprometida com os jovens para manter as conquistas

Foto: Jose M. Correa

1º de janeiro de 2019, 60 anos da Revolução Cubana. Quem diria?
Para a soberba dos serviços de inteligência dos EUA a ousadia dos barbudos de Sierra Maestra, ao livrar Cuba da esfera de domínio de Tio Sam, era um “mau exemplo” a ser o quanto antes apagado das páginas da história. A CIA mobilizou e treinou milhares de mercenários e Kennedy mandou-os invadir Cuba (1961). Foram vergonhosamente derrotados por um povo em armas. E, de quebra, a hostilidade da Casa Branca levou Cuba a se alinhar à União Soviética. O tiro saiu pela culatra. Mexer com Cuba passou a significar aquecer a Guerra Fria, como o demonstrou a crise dos mísseis (1962).
Tio Sam não pôs as barbas de molho. Transformou cubanos exilados em Miami em terroristas que derrubaram aviões, explodiram bombas, promoveram sabotagens. E investiu uma fortuna para alcançar o mais espetacular objetivo terrorista: eliminar Fidel. Foram mais de 600 atentados. Todos fracassados. Fidel faleceu na cama, cercado pela família, a 25 de Novembro de 2016, pouco antes da Revolução completar 58 anos. Havia sobrevivido a 10 ocupantes da Casa Branca que autorizaram operações terroristas contra Cuba: Eisenhower, Kennedy, Johnson, Nixon, Ford, Carter, Reagan, Bush pai, Clinton e Bush filho.
Fracassada a invasão da Baía dos Porcos, impôs-se o bloqueio a Cuba (1961). Medida criticada por três papas em visita a Havana: João Paulo II (1998), Bento XVI (2012) e Francisco (2015). Porém, a Casa Branca não escuta vozes sensatas. Prefere isolar-se, ao lado de Israel, a cada ano em que a Assembleia da ONU vota o tema do bloqueio. Pela 27ª vez, em 2018, 189 países se manifestaram contra o bloqueio a Cuba.

Cuba recebeu em 2018 o apoio de amigos e organizações de solidariedade do mundo todo, na luta para eliminar o bloqueio económico, comercial e financeiro criminoso imposto pelos Estados Unidos há quase 60 anos e noutras causas realizadas no espaço internacional.

Foto: Cubadebate

Neste ano, por 27 vezes consecutivas, outra vitória foi alcançada na Assembleia Geral das Nações Unidas com a condenação da política unilateral dos Estados Unidos votada por 189 países a favor, 2 contra e nenhuma abstenção.

Nesse triunfo é também a contribuição dos grupos de solidariedade que mostram um grande optimismo e força, ganham espaço graças às suas acções rebeldes e informativas, desenvolvem o seu trabalho de combate à crise estrutural do capitalismo e às políticas reaccionárias e neoliberais.

O Granma partilha fragmentos do discurso de Raúl na comemoração do 55º aniversário do Triunfo da Revolução, no Parque Carlos Manuel de Céspedes, Santiago de Cuba, o 1º. Janeiro de 2014

Autor: Raúl Castro Ruz | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

26 de Dezembro de 2018

 

Foto: Ricardo López Hevia

 

Nem mesmo o mais sonhador daqueles que acompanharam Fidel em um evento como este, em 1º de janeiro de 1959, poderia imaginar que hoje estaríamos aqui.

Nada fácil tem sido este longo e perigoso caminho. Isso foi possível, em primeiro lugar, graças à imensa capacidade de resistência e luta de várias gerações do nobre e heróico povo cubano, verdadeiro protagonista desta, sua Revolução, que é o triunfo do mesmo ideal dos mambises que, em 1868, com Carlos Manuel de Céspedes à frente, começaram a guerra pela independência do jugo espanhol; de Antonio Maceo e Máximo Gómez, com quem José Martí em 1895 retomou o feito libertário, interrompido pela intervenção norte-americana em 1898, o que impediu a entrada a Santiago de Cuba do Exército de Libertação.

Bolsonaro está focado em Washington e na administração Trump para criar condições favoráveis para as suas políticas anti-cubanas e anti-venezuelanas para aconselhar o binómio Jair-Eduardo, pai e filho.

Autor: Elson Concepción Pérez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Dezembro 2018

 

Foto: Twitter - Eduardo Bolsonaro com Orlando Gutiérrez em Miami

 

Seria ingénuo acreditar que o ataque de Jair Bolsonaro contra os médicos cubanos para que abandonassem o Brasil, não faça parte de um plano maior, cujos tentáculos estão claros, embora ainda não tenha assumido a presidência.

Mas já está claro até que ponto consegue chegar com as suas intrigas contra a Ilha que salvou a vida de milhares de seus conterrâneos e atendeu com meticuloso profissionalismo milhões deles.

Bolsonaro está focado em Washington e na administração Trump para criar condições favoráveis para as suas políticas anti-cubanas e anti-venezuelanas para aconselhar o binómio Jair-Eduardo, pai e filho.

O general do Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comité Central do Partido, enviou uma saudação fraterna aos habitantes do município da Terceira Frente, pelos resultados que os tornaram dignos do acto pelo 60º aniversário do Triunfo da Revolução, no província de Santiago de Cuba

Autor: Eduardo Palomares Calderón | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

26 de Dezembro de 2018

Foto: Granma

 

O general do Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comité Central do Partido, enviou saudações fraternas aos habitantes do município de Terceira Frente, congratulando-os pelos resultados que os tornaram dignos de sediar a 1 de Janeiro, para marcar o 60º aniversário do triunfo da Revolução Cubana.

A cena de acção significativa durante a Guerra de Libertação da Terceira Frente Mario Muñoz Monroy, que, por ordem do Comandante Fidel Castro Ruz, foi fundada pelo Comandante Juan Almeida Bosque, a 6 de Março de 1958, nas encostas da Sierra Maestra, são um exemplo do trabalho da Revolução.

A mensagem de Raúl foi transmitida pelo membro do Comité Central e Primeiro Secretário do Partido na província, Lázaro Expósito Canto, que nas observações centrais do acto comemorativo realizado na cidade de Cruce de los Baños, observou que as conquistas do município são acompanhadas pelas de Santiago de Baños. Cuba, como um todo, viu desenvolvimentos socioeconómicos favoráveis.

Ele destacou que este ano chega ao fim com uma taxa de mortalidade infantil de 3,5 por mil nascidos vivos nesta província, bem como a construção de mais de 5.000 casas, a concretização de quase todos os programas agrícolas, o cumprimento de planos de substituição de importações e a instalação de mais de 2.400 novos telefones fixos.

Também presidida pelo membro do Comité Central, Vice-Presidente do Conselho de Estado e Presidente da Assembleia Provincial do Poder Popular, Beatriz Johnson Urrutia, a cerimónia contou com a apresentação de prémios para o desempenho positivo dos nove municípios da província.