A vice-presidente da República Bolivariana da Venezuela, Delcy Rodríguez, descreveu os médicos cubanos como «expressão da humanidade, de profundo amor ao ser humano» e reconheceu a sua presença nos lugares mais intrincados da vasta geografia da nação sul-americana

Autor: Jorge Pérez Cruz, especial para o Granma | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fevereiro, 2020

 

A vice-presidente da República Bolivariana da Venezuela, Delcy Rodríguez, denunciou a perseguição a que os médicos cubanos estão sujeitos, porque tentaram tratá-los com as suas manipulações como objectivos geopolíticos do capitalismo e do fascismo, enfatizou em reunião com representantes das missões sociais da Ilha na pátria de Bolívar.

Nesse sentido, lembrou o que o fascismo fez no Brasil e na Bolívia e o que a decisão de boicotar a colaboração de Cuba nessa área sensível significou para esses povos.

Delcy Rodríguez disse aos cooperadores que é realmente uma honra poder contar com vocês aqui, abrir as portas para mais médicos cubanos, como pediu o presidente Nicolás Maduro, e que todos aqueles que desistiram do fascismo da Bolívia e do Brasil podem alcançar às nossas terras, à terra de Bolívar e Chávez com seu amor por proporcionar saúde ao nosso povo.

De Addis Abeba, Etiópia, sede da União Africana (UA), a voz de solidariedade dessa organização foi levantada para reiterar a sua condenação ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos contra Cuba

Autor: José LLamos Camejo | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fevereiro, 2020

     A União Africana contra o bloqueio de Cuba Foto: Twitter

 

De Addis Abeba, Etiópia, sede da União Africana (UA), a voz de solidariedade dessa organização foi levantada para reiterar a sua condenação ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos contra Cuba.

Uma resolução sobre o impacto das sanções e medidas coercitivas unilaterais, adotada pelos chefes de Estado e de Governo dos países que compõem a UA, aponta para o bloqueio dos EUA contra Cuba como o principal obstáculo à implementação na Ilha da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Desenvolvimento Sustentável.

O texto condenatório do cerco dos EUA contra nosso país ecoou durante a 33ª Assembleia Ordinária de chefes de Estado e de Governo da União Africana, uma organização que iniciou as suas operações em 2002 e é composta por 55 países neste continente.

Esta é a 191ª medida que o governo dos EUA impõe ao povo cubano o objetivo de causar desânimo e desespero, de maneira que isso leve a responsabilizar as autoridades revolucionárias pelos efeitos causados por suas medidas unilaterais

Autor: Redação Digital | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fevereiro, 2020

Foto: Reuters

 

Outra reviravolta na sua política cruel, injusta e sem piedade com Cuba acaba de ser dada pela administração de Donald Trump: a Western Union suspendeu na quarta-feira as transferências financeiras para a Ilha, exceto as emitidas pelos Estados Unidos.

Prensa Latina destacou os anúncios feitos anteriormente pela entidade norte-americana, nos quais foi relatado que, devido às leis injustas do bloqueio, poderia perder a sua capacidade de operar com remessas para a Ilha maior das Antilhas de outros países do mundo.

Esta é a 191ª medida que o governo dos EUA impõe ao povo cubano o objectivo de causar desânimo e desespero, de maneira que isso resulte em responsabilizar as autoridades revolucionárias pelos efeitos causados pelas suas medidas unilaterais.

A tripulação do navio de cruzeiro MS Braemar, da linha britânica Fred Olsen, passou vários dias nas águas do Caribe com viajantes afectados pelo novo coronavírus

Autor: Enrique Moreno Gimeranez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Março, 2020

O governo do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte solicitou às autoridades cubanas a permissão de atracagem para o navio MS Braemar. 

Foto: AFP

 

Devido à sua dimensão humanitária e altruísta, poderia parecer uma cena de filme. A tripulação do navio de cruzeiro MS Braemar, da linha britânica Fred Olsen, passou vários dias nas águas do Caribe com viajantes afectados pelo novo coronavírus.

Apesar dos esforços diplomáticos do governo do Reino Unido, a embarcação tinha sido impedida de entrar em vários portos da região. Mas nada de ficção continha a situação urgente dos passageiros, que colocavam em risco a vida dos doentes e num momento complexo para o resto das pessoas, precisamente no meio do mar.

Cuba disse que sim e ofereceu um porto seguro no meio das dificuldades, com modéstia, sem pedir manchetes na grande mídia, ou absolutamente nada em troca. Talvez essa decisão tenha gerado a incompreensão de alguns, os mesmos de sempre, que não percebem o valor de uma mão amiga no meio da catástrofe.

A vigilância eficaz das fronteiras é decisiva contra o Covid-19

Até agora, 30 viajantes foram internados para estudo e, depois de realizar sete novas análises especificamente para o Covid-19, que, como as oito anteriores, foram negativas, o país continua sem a doença, disse o ministro da Saúde, José Ángel Portal Miranda.

Autor: Leticia Martínez Hernández | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Março, 2020

Foto: Ariel Cecilio Lemus

 

A eficácia das medidas adoptadas por Cuba para a prevenção e controle do Covid-19 foi reconhecida na terça-feira, 10 de Março, numa reunião com as mais altas autoridades de todas as províncias do país e o município especial Isla de la Juventud, dirigida pelo presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, o primeiro-ministro Manuel Marrero Cruz e o vice-presidente Salvador Valdés Mesa.

Segundo o ministro da Saúde Pública, José Ángel Portal Miranda, a Ilha continua sem casos confirmados do novo coronavírus que já afectou 104 nações. Até o momento, apontou o titular da Saúde, 30 viajantes foram admitidos para estudo e depois de lhes realizar sete novas análises especificamente para o Covid-19, que, como as oito anteriores, foram negativas, o país permanece sem a doença.