Em franco símbolo de irmandade, um voo da companhia aérea venezuelana Conviasa e outra de nossa Cubana de Aviación trouxeram para a terra de Bolívar os dois primeiros grupos do contingente, formados por médicos com experiência internacionalista anterior neste país.

Autor: Enrique Milanés León, especial para o Granma | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

11 de Novembro de 2018

Desde que a colaboração médica cubana começou na Venezuela mais de 140.000 trabalhadores de saúde trabalharam aqui.

A chegada à Venezuela de um grupo de 500 especialistas em Medicina Geral e Integral (MGI) cubanos que apoiarão a direcção e a assistência em instituições de base, em resposta ao plano de acção aprovado pelo Presidente Nicolás Maduro no Primeiro Congresso Revolucionário de Saúde, marca a melhoria do trabalho da nossa Missão Médica que, com esta chegada, completará em Dezembro os 21.700 membros entre médicos e colaboradores de outros perfis.

O povo de Cuba viveu, por mais de meio século, sob o signo do bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos

“Do ponto de vista do direito internacional privado (algo como a aplicação da Lei no espaço), a extraterritorialidade exorbitante das regras do bloqueio torna-as totalmente ilegais. Nenhum Estado tem poder legislativo para emitir normas que governem além de seu território, excepto as de natureza pessoal, relativas aos direitos e deveres de seus nacionais.”

“Por esta razão, pode-se afirmar, categoricamente, em qualquer fórum ou local, que o bloqueio não é apenas um ato injusto, mas também é absolutamente ilegal.”

 

Autor: Rodolfo Dávalos Fernández | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro 2, 2018

Photo: Martirena

O povo de Cuba viveu, por mais de meio século, sob o signo do bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos a Cuba e, em geral, é marcado por essa punição, como se fosse seu «pecado natural». Do mais antigo ao mais jovem, toda a população sofreu as suas consequências. Todo o mundo já ouviu falar do bloqueio desde a infância; muitos sentiram os seus efeitos na sua própria carne, muitos outros não o percebem directamente, embora os afecte, mas talvez vivam submersos no hábito de coexistência com uma medida tão cruel, e sigam em frente, porque, como se disse: o bloqueio não é o suficiente para nos rendermos (embora esse fosse e ainda seja seu objectivo) e embora todos concordem que é um acto injusto, nem todos sabem que também é um acto ilegal, um crime internacional.

A história repete-se: novas medidas dos EUA contra entidades cubanas

O Governo dos Estados Unidos, através do Departamento de Estado, anunciou uma nova lista de entidades cubanas restritas aos norte-americanos, às quais serão acrescentadas 26 novas subentidades.

Autor: Oscar Sánchez Serra Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

15 de Novembro de 2018

 

O Governo dos Estados Unidos, através do Departamento de Estado, anunciou uma nova lista de entidades cubanas restritas aos norte-americanos, às quais serão acrescentadas 26 novas sub-entidades.

A decisão é tomada após a derrota esmagadora sofrida no dia 1 de Novembro na ONU, quando o Mundo rejeitou novamente a política de bloqueio do império contra Cuba. Mas os Estados Unidos, parafraseando o poeta, não olham para as Nações Unidas nem os ouvem, desrespeitam-nos.

Os acréscimos desta semana, juntam-se aos já lançados há quase um ano, a 8 de Novembro de 2017, também depois de receberem a

Cuba e União Europeia discutirão medidas coercivas unilaterais

O primeiro Diálogo sobre Medidas Coercivas Unilaterais Cuba-União Europeia será realizado na segunda-feira, dia 19 de Novembro, em Bruxelas, na Bélgica.

Autor: Escrita Digital Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

17 de Novembro de 2018

 

O primeiro Diálogo sobre Medidas Coercivas Unilaterais Cuba-União Europeia será realizado a 19 de Novembro, em Bruxelas, na Bélgica.

As principais questões a serem abordadas serão as áreas jurídicas e práticas da legislação em vigor na União Europeia para combater a aplicação extraterritorial das leis de países terceiros e a utilização de medidas coercivas unilaterais com efeito extraterritorial como um meio político e pressão económica contra os Estados.

A delegação cubana, chefiada pelo Director-Geral dos Assuntos Multilaterais e Direito Internacional do Ministério das Relações Exteriores, Rodolfo Reyes Rodriguez, abordará, entre outros temas da agenda, o impacto do bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos, o conjunto de medidas económicas unilaterais coercivas de aplicação mais prolongada da história e que implica uma violação maciça, flagrante e sistemática dos direitos humanos do povo cubano.

Esta reunião realiza-se ao abrigo do artigo 10.º do Acordo sobre o Diálogo Político e a Cooperação celebrado entre Cuba e a União Europeia em 2016 e que entrou em vigor, provisoriamente, em 2017.

Como parte deste Diálogo, representantes da sociedade civil cubana e europeia trocaram nesta sexta-feira, em Bruxelas, os danos causados por essas medidas. (Cubaminrex)

 

Nesse período, segundo os dados publicados até 2 de Novembro no programa televisivo Fazemos Cuba, mais de 7 milhões de cubanos participaram desse esforço colectivo para construir, juntos e com total liberdade, uma Carta Magna que traça um estado de equidade e justiça social mais integral, mais contemporânea, mais revolucionária

Autor: Yudy Castro Morales Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

14 de Novembro de 2018

Muitas abordagens reflectiram um estudo sério do projecto. Foto: Endrys Correa Vaillant

 

Está concluído um dos processos de participação cidadã mais genuínos e transcendentes vividos por Cuba nos últimos anos. Esta é a consulta popular do Projecto de Constituição, que começou em 13 de Agosto e mobilizou todo o país.

Nesse período, segundo os dados publicados até 2 de Novembro no programa de televisão, Fazemos Cuba, mais de 7 milhões de cubanos participaram desse esforço colectivo para construir, juntos e com total liberdade, uma Carta Magna que traça um estado de equidade e justiça social mais integral, mais contemporânea, mais revolucionária.