Em 7 de Novembro, pela vigésima oitava ocasião consecutiva, o projecto de resolução para pôr fim ao bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba foi submetido à consideração das Nações Unidas

12h05 do dia 07 Iniciou-se o processo de votação do projecto de resolução: Necessidade de pôr fim ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América contra Cuba.

                                                      Resultado da votação: a favor 187; contra 3; abstenção 2

                                                      Contra: Israel, Estados Unidos e Brasil

                                                      Abstenções: Colômbia e Ucrânia

 

Bruno Rodríguez: «O governo dos Estados Unidos é responsável».

Bruno Rodríguez, ministro das Relações Exteriores de Cuba, falou nas Nações Unidas sobre como nos últimos meses o governo Trump empreendeu uma escalada para que o combustível não chegasse a Cuba. O seu objectivo é prejudicar a economia e, ao mesmo tempo, o bem-estar da família cubana. «Os Estados Unidos são responsáveis mesmo», acrescentou.

Discurso proferido pelo presidente da República de Cuba, Miguel M. Díaz-Canel Bermúdez, no encerramento do Encontro Anti-imperialista de Solidariedade, pela Democracia e contra o Neoliberalismo, no Palácio das Convenções, em 3 de Novembro de 2019, Ano 61º da Revolução (Tradução da versão estenográfica – Conselho de Estado)

Autor: Miguel Díaz-Canel Bermúdez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro, 2019

                                                                                                                                        Foto: Estudios Revolución

 

Agradeço a todos vocês.

Acho que nós todos concordamos que não há discurso melhor do que o dos poetas (Risos), mas, bem, temos que fazer as conclusões.

Querido companheiro general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba;

Companheiro, irmão e presidente Nicolás Maduro Moros, da República Bolivariana da Venezuela;

Queridos líderes revolucionários da África, Ásia, América Latina e Caribe;

Irmãos, amigos, colegas:

Uma saudação especial a todos aqueles que resistem e vieram à capital cubana, que sempre foi e será um ponto de encontro para aqueles que defendem a paz e a solidariedade entre os povos.

O presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Moros, iniciou suas palavras no último dia do Encontro Antiimperialista de Solidariedade, pela Democracia e Contra o Neoliberalismo, saudando o general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba, quando disse que «onde estiver Raúl está Fidel»

Autor: Yenia Silva Correa | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Autor: Juan Diego Nusa Peñalver | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro 4, 2019

 

  Foto: Endrys Correa Vaillant

 

O presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Moros, iniciou suas palavras no último dia do Encontro Antiimperialista de Solidariedade, pela Democracia e Contra o Neoliberalismo, saudando o general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, ocasião em que expressou «onde estiver Raúl está Fidel», diante de uma plateia fervorosa no Palácio das Convenções de Havana, com a presença do presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, e o segundo secretário do Partido, José Ramón Machado Ventura.

Maduro realçou que, quando entrou na sala, um slogan o comoveu muito: «Ouve-se, sente-se, Fidel está presente». «Trememos porque esse é o caso, Fidel está presente neste esforço para encontrar uma maneira de sair das tentativas neoliberais», disse.

O que define o estado actual das relações é uma forte intensificação do bloqueio económico, comercial e financeiro

Autor: Granma | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Outubro, 2019

1 - Há um retrocesso na relação bilateral, no entanto, algumas áreas de cooperação são mantidas, especialmente no âmbito da aplicação da lei e segurança nacional.

2 - O que define o estado actual das relações é uma forte intensificação do bloqueio económico, comercial e financeiro, que está causando danos humanitários e económicos, afectando todas as cubanas e os cubanos, bem como os próprios cidadãos dos EUA, devido à proibição de viajar para a Ilha. O bloqueio é uma maneira obsoleta de agir, violando o Direito Internacional e até a Convenção de Genebra contra o crime de genocídio.

Salvador Valdés Mesa, vice-presidente da República de Cuba, disse que é necessário dar uma reviravolta no sector açucareiro e, para começar, é preciso parar definitivamente o declínio da cana

Autor: Ventura de Jesús | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Outubro, 2019

Foto: Julio Martínez Molina

 

MATANZAS.— «No sector açucareiro é necessário dar uma reviravolta, uma mudança significativa e, para começar, é preciso parar definitivamente o declínio da cana», afirmou Salvador Valdés Mesa, vice-presidente da República de Cuba.

Disse que é de vital importância aumentar a auto-estima dos trabalhadores açucareiros, com quem «devemos lidar como eles merecem», afirmou, depois de enfatizar que o país não dispensará esse sector, por mais severas que sejam as circunstâncias.