Sobre a propagação do engano, tentaram armar um golpe de Estado e implantar um presidente interino, figura não reconhecida na Constituição Venezuelana, sobre a argumentação que Nicolás Maduro é um presidente ilegítimo.

Autor: Oscar Sánchez Serra

Foto: Reuters

Fevereiro de 2019

 

Este é o legítimo Presidente da República Bolivariana, eleito e apoiado por seu povo. 

A mentira tem pernas curtas, porque a força da verdade é esmagadora. Na Venezuela a 23 de Janeiro, a oposição de direita, liderada aberta e publicamente por um governo estrangeiro, os Estados Unidos, com o seu presidente, vice-presidente e secretário de Estado a orquestrou uma falácia gigantesca para intoxicar o mundo e a nação.

Foto: @mijpvenezuela

O Ministério do Interior Venezuelano informou na quarta-feira através de sua conta no Twitter que apreendeu armas de Miami (Estados Unidos) no Aeroporto Internacional Arturo Michelena, localizado na cidade venezuelana de Valência. De acordo com as informações publicadas pelo vice-ministro da Prevenção e Segurança Pública, Endes Palencia, as autoridades encontraram munições de alto calibre, 19 fuzis, 118 carregadores de fuzil, 90 antenas de rádio e seis telefones celulares. O armamento foi encontrado no pátio de armazenamento do aeroporto e, de acordo com relatos, entrou no país no último domingo a bordo de um Airbus N881YV. (RT)

 

Surgido dentro de uma linha activa de severas tempestades pré-frontais, o forte tornado constitui, pela severidade dos seus impactos, um evento do género inédito na capital, pelo menos desde 1950.

Autor: Orfilio Peláez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

28 de Janeiro de 2019

As instalações da fábrica de Cubana de Acero, localizada entre os municípios de Diez de Outubro e Cerro, foram severamente danificadas pela intensidade dos ventos.

Surgiram dentro de uma linha de pré-frontal activa graves temporais (formada à frente de uma frente fria), a forte tornado que causaram danos consideráveis em áreas e distritos dos municípios de Diez de Outubro, Regla, San Miguel del Padron, Guanabacoa e parte Havana.

Este, na noite de domingo, é pela gravidade dos seus impactos, a intensidade notável do vento (poderia exceder 250 quilómetros por hora), e a distância, um evento do seu tipo sem precedentes na capital, pelo menos de 1950 até hoje.

Em 16 de Janeiro de 2019, o Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou a decisão de suspender apenas por 45 dias a aplicação do Título III da Lei Helms-Burton «para efectuar uma revisão completa... à luz dos interesses nacionais dos EUA e os esforços para acelerar uma transição para a democracia em Cuba, e incluir elementos tais como a opressão brutal do regime contra os direitos humanos e as liberdades fundamentais e seu apoio indesculpável aos regimes cada vez mais autoritários e corruptos na Venezuela e Nicarágua».

O governo do presidente Donald Trump ameaça dar um novo passo que viria a fortalecer, perigosamente, o bloqueio contra Cuba, seria uma violação flagrante do direito internacional e atacaria directamente a soberania e os interesses de países terceiros.

Cuba rejeita essa ameaça da maneira mais enérgica, firme e categórica. Assume-a como um ato hostil de extrema arrogância e irresponsabilidade, enquanto repudia a linguagem desrespeitosa e a mensagem pública caluniosa do Departamento de Estado.

A Lei Helms-Burton entrou em vigor em 1996. Ela foi projectada para codificar e endurecer a política de bloqueio económico, comercial e financeiro imposta oficialmente em 1962, com o objectivo de subverter e derrubar o governo de Cuba e impor um regime afim ao governo dos Estados Unidos.

A melhor homenagem: a revolução em si

Reviver a passagem da Caravana da Liberdade pelos territórios da província de Matanzas neste 7 de Janeiro voltou a despertar entusiasmo entre os seus habitantes. O carinho foi particularmente especial entre os mais jovens, que estavam curiosos para saber os detalhes desse épico liderado por Fidel

Autor: Julio Martínez Molina | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Janeiro de 2019

Foto: Arquivo de Granma – Fidel foi à multidão que esperava por ele em frente à Câmara de Cienfuegos, na madrugada de 7 de Janeiro de 1959.

 

Reviver a passagem da caravana da liberdade pelos territórios da província neste 7 de Janeiro voltou a despertar entusiasmo entre os Matanzas. O afecto era particularmente especial entre os mais jovens, que estavam curiosos para conhecer os detalhes daquele épico liderado por Fidel.

Durante o maior tempo de vida, foi impossível escapar às emoções vividas há 60 anos. Alguns lembram o contacto do líder com as pessoas em Colón, Perico, Jovellanos, e, especialmente, na capital, onde por mais de duas horas falou para a população reunida no parque de La Libertad de uma das varandas da antiga Câmara.