O presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, afirmou nesta quinta-feira, 28 de janeiro, que «o país vai continuar a melhorar, vai continuar a crescer e vencendo; a Revolução será sempre firme, estará presente e esta é a melhor homenagem que podemos prestar a José Martí e a Fidel Castro»

 

Foto: Estudios Revolución

 

Essas palavras foram pronunciadas durante um encontro com os trabalhadores do Memorial José Martí, um dos lugares mais emblemáticos do país, que neste dia 27 de janeiro completou 25 anos de fundação pelo Comandante-em-chefe.

Díaz-Canel relembrou os muitos momentos que aconteceram no Memorial e que marcaram a vida do país. Como uma grande ideia, bem argumentada, bem fundamentada, o chefe de Estado descreveu o nascimento desta instituição como o centro de homenagem permanente ao nosso Herói Nacional. «Fidel, pensando grande, como sempre fez», disse.

«Mas, às vezes, as ideias por si só não bastam», disse aos funcionários do Memorial, «se não carregarem o compromisso das pessoas de segui-las, enriquecê-las, magnificá-las e, acima de tudo, exaltá-las».

«Vocês estão a prestar homenagem a Martí e a Fidel todos os dias, e isso é uma homenagem permanente também à Pátria e à nossa Revolução», disse o presidente.

A directora da instituição, Enith Alerm Prieto, considerou que o Memorial foi fruto da ousadia de Fidel, sempre seguida da fidelidade e consagração de Haydee Díaz Ortega, sua diretora fundadora.

O momento foi oportuno para reconhecer os seus trabalhadores com uma réplica do Memorial nos seus 25 anos. O presente foi também para o general-de-exército Raúl Castro Ruz e para o presidente, «dois eternos colaboradores nossos», disse a diretora deste museu, símbolo da nação cubana.

Autor: Leticia Martínez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.