Presume-se que esta terapia anti-inflamatória, além da terapia antiviral e anticoagulante, poderia reduzir a morbimortalidade associada às formas clínicas graves do vírus

O ministério da Saúde Pública anunciou que o medicamento cubano Itolizumab – desenvolvido pelo Centro de Imunologia Molecular (CIM) – tem apresentado bons resultados como terapia anti-inflamatória em pacientes com a Covid-19.

De acordo com um estudo publicado no site Infomed, pessoas positivas para o vírus podem desenvolver uma forma muito grave, caracterizada pela chamada «síndrome da tempestade de citocinas».

O itolizumab, por ser uma molécula capaz de bloquear a proliferação e ativação dos linfócitos T, e que também se comporta como imunomodulador, tem um efeito associado à redução da liberação de citocinas pró-inflamatórias.

Pesquisadores cubanos do CIM, do Instituto de Ciências Básicas e Pré-clínicas Victoria de Girón e dos hospitais da cidade de Santa Clara, Manuel Piti Fajardo e Arnaldo Milián Castro, apresentaram, no início deste ano, na revista internacional Immunotherapy, os resultados do tratamento realizado em três pacientes da Covid-19 que se encontravam em estado grave e crítico.

O uso deste medicamento conseguiu reduzir as concentrações da citocina IL-6 em todos os pacientes, inclusive dois dos três casos apresentaram melhora respiratória e radiológica e recuperaram-se completamente, destacaram os cientistas.

Presume-se que essa terapia anti-inflamatória, além da terapia antiviral e anticoagulante, possa reduzir a morbimortalidade associada às formas clínicas graves do vírus, concluíram.

Autor: Yaditza del Sol González | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Janeiro 27, 2021 08:01:41