A crescente agressividade contra Cuba por parte do actual governo dos Estados Unidos foi mais venenosa durante a COVID-19. Em 21 de Dezembro, outras três empresas da Ilha aumentaram a lista constrangedora de entidades sancionadas por aquele governo

Chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla.

 

O Grupo de Administración Empresarial S.A., Financiera Cimex S.A. e Kave Coffee S.A. foram incluídos pelo Gabinete de Controle de Activos Estrangeiros (OFAC), de acordo com o site do Departamento de Estado dos EUA. O mesmo tratamento foi recebido por três funcionários nicaraguenses.

«Rejeito as novas medidas de bloqueio anunciadas pelo secretário de Estado Mike Pompeo. Cuba sairá na frente, não importa quantas entidades incluam nas suas listas espúrias. Cada acção da política externa norte-americana reforça o isolamento e o descrédito internacional a que Trump e sua equipe a conduziram», denunciou no Twitter o chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla.

Pompeo repetiu a justificação grosseira: «esta acção visa acabar com as práticas económicas que beneficiam desproporcionalmente Cuba e Nicarágua».

A Casa Branca mostra a sua hostilidade e ódio visceral ao querer parar – com medidas coercitivas unilaterais – a resposta cubana à pandemia, e também viola os direitos humanos de milhões de pessoas.

Informação Granma

Dezembro, 2020