O medicamento Itolizumab, anticorpo monoclonal desenvolvido pelo Centro de Imunologia Molecular (CIM), de Cuba, em colaboração com a empresa India Biocon, recebeu autorização para iniciar a fase III do teste clínico em pacientes com a Covid-19 nos Estados Unidos, México e o Brasil, refere aquela instituição científica cubana na sua conta da rede social Twitter

 

Foto: Cortesia da CIM

 

 

O itolizumab é uma molécula desenvolvida no CIM para o tratamento de linfomas e leucemias e utilizada no tratamento do Covid-19

 

O medicamento Itolizumab, anticorpo monoclonal desenvolvido pelo Centro de Imunologia Molecular (CIM), de Cuba, em colaboração com a empresa India Biocon, recebeu autorização para iniciar a fase III do teste clínico em pacientes com a Covid-19 nos Estados Unidos, México e o Brasil, refere aquela instituição científica cubana na sua conta da rede social Twitter.

Digno de um dos prémios nacionais da Academia das Ciências de Cuba em 2014, desde Abril este anticorpo monoclonal humanizado faz parte do protocolo de atendimento médico da Covid-19 em Cuba.

Beneficiário em 2015 da Medalha de Ouro da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, o Itolizumab é uma molécula desenvolvida no CIM para o tratamento de linfomas e leucemias, e é capaz de bloquear a proliferação e activação dos linfócitos T, comportando-se como imunomodulador.

Com esse medicamento, 60% dos pacientes graves e críticos recuperam a função respiratória e sobrevivem à gravidade, informa o site da BioCubaFarma. O CIM é uma instituição biotecnológica de ciclo fechado que, baseada no cultivo de células superiores, direcciona sua pesquisa básica, desenvolvimento e fabricação de produtos, para o tratamento do cancro  e outras doenças autoimunes.

Autor: Juan Diego Nusa Peñalver | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro, 2020