Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

Mais vinte cubanos incorporaram-se à jovem história de Soberana 01, o primeiro candidato de vacina de Cuba contra a Covid-19.

 

Eles têm entre 60 e 80 anos de idade e integram o segundo grupo de voluntários que receberão a primeira dose desta esperançosa proposta, que busca ganhar a batalha à pandemia que mata pessoas todos os dias.

Chegam a este momento depois de vários passos prévios, todos criteriosamente organizados, planeados como parte de um necessário estudo ao que todos os cubanos apontam os e lhe desejam sucessos para poder imunizar, posteriormente, toda a população contra o novo coronavírus.

Como parte deste teste clínico em momentos prévios foram dadas, seguindo os protocolos estabelecidos, explicações a todos os possíveis voluntários a incorporar.

O teste clínico é um estudo, é uma pesquisa que se faz em voluntários, e que nesta ocasião tem duas fases. Nesta primeira, temos dividido dois grupos, um de voluntários entre 19 e 59 anos, e outro de 60 a 80 anos. Cada grupo, por sua vez, vai ser dividido de maneira aleatória em três subgrupos para as diferentes doses do produto de pesquisa, para controlo do produto, que é a vacina VA-MENGOC-BC, segundo explicações da doutora Sonia Pérez Rodríguez.

Acrescentou que ao candidato de vacina Soberana 01 é aplicado em duas doses: no primeiro dia, ao que lhe dizem tempo zero, e depois é administrada uma segunda doses aos 28 dias. A pesquisa termina 28 dias depois de ter sido aplicada a segunda dose, quer dizer, no total são 59 dias.

O propósito deste teste é determinar se a vacina é segura para podê-la estender a um grupo maior de participantes voluntários e depois à população.

«É uma vacina preventiva, é um único protocolo que tem esta primeira fase, onde nós temos que medir a segurança do produto. Significa que tudo aquilo que aconteça com os voluntários o registaremos. Se a vacina demonstra que é segura, avançamos na pesquisa. Ao avaliar duas doses do produto, na medida em que se avance na pesquisa, será demonstrado qual é a dose mais efectiva e mais segura, e com essa será com a que ficaremos para etapas posteriores de testes clínicos», comentou a doutora Pérez Rodríguez.