«Queremos mudanças, como comunidade realmente queremos mudanças, e isso vai começar em Novembro», dia das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

Foto: Getty Image 

 

Novamente os desportistas fazem escutar a sua voz, para rechaçar os constantes abusos contra os afro-estadunidenses.

«Queremos mudanças, como comunidade realmente queremos mudanças, e isso vai começar em novembro», dia das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

Essa foi a reação da estrela do basquete na NBA, LeBron James, após serem conhecidos os tiros pelas costas que um policia branco deu a Jacob Blake, na presença de seus três filhos.

A vítima, que viajava numa pequena camioneta junto com a família, saiu do carro para intervir numa briga entre duas mulheres, e quando tentou retornar ao carro foi alvejado.

Blake estava em estado crítico, na hora de ser redigida esta nota. «E depois perguntamo-nos, por que dizemos o que dizemos acerca da polícia? Mas isto que m... é? Exatamente outro homem negro sendo atacado. Isso é muito mau e é muito triste», realçou James, um dos desportistas que, desde a chegada ao poder de Donald Trump, foi um acérrimo oponente do presidente.

Outros jogadores e times aderiram aos protestos que têm como palco a localidade de Kenosha, no estado de Wisconsin, onde se produziu a agressão.

Mike Budenholzer, treinador do time Bucks, de Milwaukee, emitiu uma comunicação, exigindo a prestação de contas dos culpados e uma mudança de atitude por parte do Governo, em nome de George Floyd, Breonna Taylor, Sylville Smith, Ernest Lacy, Dontre Hamilton, Toni Robinson, Jony Acevedo e outras inúmeras vítimas da brutalidade policial.

A declaração foi apoiada por todos os elementos do time de basquete. Donovan Mitchell, dos Jazz de Utah, afirmou que «por isso não nos sentimos seguros morando na América do Norte... Isto é doentio, é um problema real. Exigimos justiça! É uma loucura com este tipo (Trump)», expressou nas redes sociais.

Ouros desportistas destacados expressaram a sua indignação contra tamanha barbárie, tal como fizeram Alvin Kamara, Michael Thomas e Tyrann Mathieu, integrantes de times da NFL (Liga de futebol norte-americano).

O governador de Wisconsin, Tony Evers, mobilizou a polícia nas ruas, para acalmar os protestos populares, entretanto, também se registraram manifestações na localidade de Appleton (no próprio Estado), realizadas pelo movimento Black Lives Matter.

Depois do assassinato de George Floyd, LeBron James lançou a plataforma Mais do que um voto, iniciativa para promover a participação dos estadunidenses negros na votação de 3 de Novembro, «para que as pessoas entendam o que está em jogo».

Autor: Alfonso Nacianceno | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

setembro 4, 2020 10:09:05