Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

A Autoridade reguladora de medicamentos da Índia aprovou o emprego excepcional do fármaco cubano Itolizumab para tratar de pacientes graves com a Covid-19

 

Foto: Cortesia do Centro de Imunologia Molecular.

 

A Autoridade reguladora de medicamentos da Índia aprovou o emprego excepcional do fármaco cubano Itolizumab para tratar pacientes graves com a Covid-19, destacou o director-geral do Centro de Imunologia Molecular (CIM) Eduardo Ojito Magaz, segundo o Twitter.

Este anticorpo monoclonal humanizado, que obteve, em 2014, um dos prémios Nacionais da Academia das Ciências de Cuba (ACC), desde o mês de Abril faz parte do protocolo de atendimento médico da Covid-19 no nosso país.

Tendo recebido em 2015 a Medalha de Ouro da organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), o Itolizumab é uma molécula que foi desenvolvida no CIM para o tratamento de linfomas e leucemias. O dito anticorpo é capaz de bloquear a proliferação e ativação dos linfócitos T, pelo qual se comporta como um modulador da imunidade.

Com o emprego deste fármaco, 60% dos pacientes graves e críticos recuperaram a função respiratória e sobrevivem a essa fase da gravidade, segundo aparece no “sitio” da BioCubaFarma.

Graças à visão do Comandante-em-chefe, a Ilha Maior das Antilhas desenvolveu uma potente indústria biotecnológica, que se colocou em função de salvar vidas na Ilha e no mundo.

O prestígio do que foi conseguido nesta esfera também se multiplicou com a efectividade do medicamento antiviral Interferón Alfa 2B Humano Recombinante, no tratamento da Covid-19.

Comercializado internacionalmente sob o nome de Heberon, neste complexo cenário, mais de 80 países mostraram interesse em adquirir o Interferón Alfa 2B Humano Recombinante.

Autor: Juan Diego Nusa Peñalver

Julho, 2020