Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

 

4 de Maio de 2020

 

Excelências:

Caro Presidente Ilham Aliyev;

Chefes de Estado e de Governo eminentes;

Agradeço ao Azerbaijão, Presidente do Movimento Não-Alinhado, por convocar esta reunião para trocar os esforços urgentes e necessários que nos permitem enfrentar o COVID-19.

Aproveito esta oportunidade para felicitar Uganda, que assumirá a Presidência do Movimento a partir de 2022. Ao assegurar-lhe todo o apoio de Cuba, desejamos-lhe sucesso no seu governo.

Devo denunciar, devido à sua gravidade, o ataque terrorista com uma espingarda de assalto e mais de 30 feridos de bala sofridos pela nossa embaixada em Washington em 30 de Abril, e exigir que o Governo dos Estados Unidos conduza uma investigação completa e rápida, sanções e medidas severas e garantias de segurança de nossas missões diplomáticas em seu território, conforme exigido pela Convenção de Viena de 1961 sobre Relações Diplomáticas.

Excelências:

O Movimento Não Alinhado mostrou sua relevância na situação actual. Isso é corroborado pelos Comunicados adoptados em apoio à Organização Mundial da Saúde e ao COVID-19, que promovem a unidade global, a solidariedade e a cooperação internacional; estes pedem a separação de diferenças políticas e a eliminação de medidas coercitivas unilaterais que violam o Direito Internacional e a Carta das Nações Unidas e limitam a capacidade dos Estados de enfrentar efectivamente a pandemia.

Reconhecemos o papel da Presidência Azeri do Movimento Não-Alinhado na materialização dessas iniciativas.

O COVID-19 provou ser um desafio global. Não distingue fronteiras, ideologias ou níveis de desenvolvimento. Portanto, a resposta também deve ser global e conjunta, superando as diferenças políticas.

A extensão de suas consequências não pode ser prevista com precisão. O alto número de infectados e as altas perdas humanas mostram seu impacto devastador num mundo cada vez mais interligado que, no entanto, não foi capaz de aprimorar essa interligação de solidariedade e hoje paga o preço pela sua incapacidade de corrigir sérios desequilíbrios sociais. Vamos dizer honestamente: se tivéssemos a solidariedade globalizada como o mercado globalizado, a história seria diferente.

Falta solidariedade e cooperação. Esses são valores que não podem ser substituídos pela busca de lucros, uma motivação quase exclusiva daqueles que, adorando o mercado, esquecem o valor da vida humana.

Ao revisar os factos que colocaram a humanidade em risco nos últimos quatro meses, é essencial mencionar os onerosos erros das políticas neoliberais, que levaram à redução da gestão e das capacidades dos estados, privatizações excessivas e esquecimento da maioria.

Essa pandemia demonstrou a fragilidade de um mundo fraturado e exclusivo. Nem mesmo os mais afortunados e poderosos poderiam sobreviver na ausência daqueles que criam e sustentam a riqueza através de seu trabalho.

As múltiplas crises, que se geram, vislumbram efeitos devastadores e duradouros para a economia e todas as esferas da sociedade.

A pandemia agrava os problemas prementes de um planeta atormentado por profundas desigualdades, em que 600 milhões de pessoas vivem em extrema pobreza e onde quase metade da população não tem acesso a serviços básicos de saúde, em cuja administração o mercado é imposto. Além do nobre propósito de salvar vidas.

Enquanto isso, os gastos militares globais ultrapassam US $ 1,9 bilhão, dos quais mais de 38%, 732 bilhões, correspondem aos Estados Unidos da América em 2020.

Compartilho o seguinte pensamento do comandante em chefe da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, e cito: “em vez de investir tanto no desenvolvimento de armas cada vez mais sofisticadas, aqueles com recursos para fazê-lo devem promover a pesquisa médica e a serviço da humanidade, os frutos da ciência, criando instrumentos de saúde e vida e não a morte”. Fim do compromisso.

Vamos defender, juntamente com o Secretário-Geral das Nações Unidas, o fim das guerras, incluindo guerras não convencionais, para salvaguardar o direito à paz.

Rejeitamos as recentes e graves ameaças militares do governo dos Estados Unidos contra a República Bolivariana irmã da Venezuela.

Reafirmamos nossa solidariedade com o povo e o Governo da Nicarágua e rejeitamos as medidas que ameaçam seu direito ao bem-estar, segurança e paz.

As tentativas de reimpor o passado neocolonial em Nossa América, declarando publicamente a Doutrina Monroe em vigor, violam a Proclamação da América Latina e do Caribe como uma zona de paz.

Nesse cenário complexo, os Estados Unidos atacam o multilateralismo e desqualificam injustamente o papel das organizações internacionais, em particular a Organização Mundial da Saúde.

 

Excelências:

Na XVIII Cúpula de Baku, em Outubro de 2019, convocamos o fortalecimento do Movimento diante dos desafios internacionais, convencidos de que apenas a unidade poderia nos salvar. Corresponde ao Movimento de Países Não Alinhados para liderar as ações para a eliminação da dívida externa impagável que nossos países carregam e para o levantamento das medidas coercitivas unilaterais a que alguns de nós estão sujeitos, os quais, juntamente com os efeitos socioeconómicos da COVID-19, ameaçam o desenvolvimento sustentável dos povos.

Devemos enfrentar o egoísmo e estar cientes de que a ajuda do Norte industrializado será escassa; portanto, devemos nos complementar, compartilhar o que temos, apoiar-se e aprender com as experiências bem-sucedidas. Uma opção útil seria retomar no futuro as reuniões anuais dos Ministros da Saúde do Movimento Não-Alinhado, no âmbito da Assembleia Mundial da Saúde.

Cuba está disposta a compartilhar suas experiências com os países do Movimento, aos quais estamos ligados por laços históricos de amizade.

Para Cuba, o desafio foi enorme. Meses antes do início da pandemia do COVID-19, já estávamos enfrentando uma escalada brutal da política económica, comercial e financeira de bloqueio dos Estados Unidos, com o objetivo de estrangular completamente nosso comércio e acesso a combustíveis e câmbio.

Com enormes esforços e sacrifícios, conseguimos sustentar nessas condições o sistema universal de saúde pública, gratuito e de profissionais altamente qualificados e estabelecidos, reconhecidos mundialmente, apesar das campanhas rudes e difamatórias de desacreditar os poderosos adversários.

Em meio a esse contexto sufocante de guerra económica, surgiram os primeiros sinais de alerta sobre a possibilidade de o COVID-19 se tornar uma pandemia e aumentar a magnitude dos desafios.

Imediatamente, foi elaborado um plano de medidas, com base em nossas forças fundamentais: Estado organizado, responsável por garantir a saúde de seus cidadãos e uma sociedade com alto grau de participação na tomada de decisões e na solução de seus problemas.

O trabalho de anos dedicando recursos para desenvolver e fortalecer a saúde e a ciência foi posto à prova e a evolução da epidemia em Cuba nos últimos dois meses está a mostrar o quanto as políticas de investimento social podem ter impacto no confronto maiores e mais inesperados desafios.

Apesar das imensas restrições que nos são impostas pelo prolongado bloqueio económico, comercial e financeiro dos Estados Unidos, que tornam a manutenção do sistema público de saúde e, em particular, o combate a esta pandemia num grande desafio diário, garantimos a direito à saúde do Povo Cubano, com a participação de toda a sociedade.

O desenvolvimento científico permitiu-nos tratar com sucesso diferentes doenças transmissíveis, tanto no país como noutras nações. Nesta ocasião, a indústria farmacêutica intensificou a produção de medicamentos de eficácia comprovada na prevenção e tratamento do COVID-19, que partilhamos com outros países.

Em resposta às solicitações recebidas, 25 novas brigadas de profissionais de saúde cubanos juntaram-se aos esforços de 23 países para combater a pandemia no último mês, juntando-se àqueles que já servem em 59 Estados, muitos deles membros do Movimento de países não-alinhados.

Cuba não abandonará a sua vocação de solidariedade, mesmo que o Governo dos Estados Unidos, por razões políticas, continue a atacar e a dificultar a cooperação internacional que nosso país oferece, o que põe em risco o acesso de dezenas de milhões de pessoas aos serviços de saúde.

 

Excelências:

É nossa responsabilidade unir vontades e esforços para enfrentar esse imenso desafio.

Vamos promover a cooperação internacional e a solidariedade. Os esforços de todos serão decisivos.

Façamos isso pelo direito à saúde, paz e desenvolvimento de nossos povos, com estrita adesão aos princípios fundadores do Movimento.

Vamos fazer isso pela vida toda.

Muito obrigado

 

(Versão não oficial aguardando versões abreviadas)

 

Fonte: http://www.minrex.gob.cu/es/intervencion-del-presidente-de-cuba-miguel-diaz-canel-bermudez-en-la-cumbre-virtual-del-mnoal?fbclid=IwAR1QcBoWjJX1S853dV2hnZsD6p4wMNgUv6Qrl-ij2D0wJ2fSQcs74PubDvc