Foto Juventude Rebelde

Lázaro Silva Herrera, vice-presidente da Medicuba, entidade importadora do Ministério da Saúde Pública de Cuba, em entrevista neste sábado, 11 de abril, denunciou que neste momento de pandemia o bloqueio torna-se mais grave., destacou que em anos anteriores, Cuba contactou cerca de seis dezenas de empresas de fornecimento de equipamentos médicos, mas apenas duas responderam aos requisitos de compra dos medicamentos e equipamentos necessários para muitas doenças crônicas e complexas.

Em 2019, foi alcançado um acordo com a empresa Bayer, mas não foi concretizado isso não pôde ser executado porque a empresa alegou que a autorização do Departamento do Tesouro dos E.U.A tinha sido cancelada.

Também nesta semana, o Secretário de Estado assistente interino para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Michael Kozak, escreveu na sua conta no Twitter que em 2019 os Estados Unidos "exportaram milhões de dólares em produtos médicos" para Cuba, e que dizer o contrário é uma campanha da Encarregada de Negócios de Washington em Cuba, Mara Tekach, que o repetiu numa transmissão de vídeo nas redes sociais, informou a AP.

A atitude da Casa Branca é ao habitual. Veja o relatório de 2019 apresentado por Cuba sobre a Resolução 73/8 da Assembleia Geral das Nações Unidas, que reflete anualmente os efeitos do bloqueio econômico, comercial e financeiro.

Somente no aspecto da saúde, os mecanismos de perseguição utilizados contra países terceiros, baseados na extraterritorialidade das suas leis e ao "efeito dissuasor", como é denominado, diplomaticamente, afetaram seriamente os serviços médicos cubanos.

Quando uma transportadora justificou a retirada do acordo com a Fundação Jack Ma, cumpriu os ditames do Escritório de Controle de Ativos Cubanos (OFAC) e de outras agências americanas, sempre dispostas a impor multas milionárias a empresas de outros países por violar, a legislação dos EUA se estabelecerem laços econômicos, comerciais ou financeiros com Cuba.

A hostilidade dificulta´, constantemente, a aquisição de tecnologias, matérias-primas, reagentes, meios de diagnóstico, equipamentos e peças de reposição, além de medicamentos para o tratamento de doenças graves, como o câncro e, atualmente, o COVID-19.

Cuba entrou em contacto com empresas americanas como a Promega Corporation, fabricante de enzimas e outros produtos para biotecnologia e biologia molecular, com o objetivo de adquirir reagentes e materiais utilizados no diagnóstico de doenças genéticas; com Bruker, para adquirir o espectrofotômetro, equipamento utilizado em laboratórios para quantificação de substâncias e microorganismos; com o Stryker, para a compra de stents extensíveis, utilizados no tratamento cirúrgico conservador ou de resgate dos membros superiores e inferiores; e com outras empresas americanas para adquirir novos medicamentos para o tratamento do câncro, como a Pfizer Inc., a Bristol-Myers Squibb e a Genomic Healths, para citar apenas alguns exemplos.

Respostas negativas semelhantes também foram recebidas de empresas de outros países, ligadas à extraterritorialidade da Lei Helms-Burton e às restrições impostas pelos Estados Unidos ao comércio com Cuba

.Agora que se fala tanto de ventiladores pulmonares, essenciais para o atendimento de pacientes críticos e gravemente enfermos do COVID-19, é necessário lembrar que, em 26 de fevereiro de 2019, vários fornecedores informaram à Medicuba que não poderiam entregar o que foi contratado, devido a que os fabricantes IMT Medical AG e Acutronic foram comprados pela Vyaire Medical Inc, uma empresa sediada em Illinois, Estados Unidos.

Também no ano passado, o Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí recebeu uma recusa da Federação das Universidades de Bem-Estar Animal a pedido de acesso a fundos para projetos oferecidos por esta instituição inglesa. A Federação expressou que, devido às sanções impostas contra Cuba pelos Estados Unidos, eles não podem realizar transações financeiras na ilha.

O governo de Trump, na sua contínua afronta à comunidade internacional, que exige o fim do bloqueio nos últimos 28 anos seguidos, age com soberba e de maneira criminosa contra as atividades de saúde cubanas, pois é um dos setores de maior benefício social para as pessoas.

A Constituição, no seu artigo 72, consagra a saúde pública como "um direito de todas as pessoas" e estabelece a responsabilidade do Estado de garantir acesso, gratuidade e qualidade dos serviços de atendimento, proteção e recuperação.

Entre abril de 2018 e março de 2019, os danos ao setor de saúde de Cuba totalizaram US $ 104.148.178, valor que é US $ 6.123.498 mais que no ano anterior. Quanto será necessário acrescentar em números e nomes dos pacientes cubanos quando o relatório de 2020 for submetido à ONU

Juventude Rebelde

Diário da Juventude Cubana

Baseado no artigo de Juana carrasco martin