Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

O Partido Comunista de Cuba aderiu à convocação internacional de cooperação na batalha contra a doença, que já matou mais de 50.000 pessoas em todo o mundo.

Autor: Granma | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Abril, 2020

O Partido Comunista de Cuba aderiu à convocação internacional de cooperação na batalha contra a doença, que matou mais de 50.000 pessoas no mundo. O texto, rubricado por 230 partidos políticos de mais de cem países, reconhece que a Covid-19 nos confrontou com o desafio mais premente e sério para a saúde humana e o desenvolvimento pacífico do mundo.

Os signatários, comprometidos com o bem comum, o desenvolvimento nacional, a paz e a estabilidade mundial, e diante duma situação sem precedentes, insistem na necessidade de adoptar medidas vigorosas, priorizando a vida e a saúde das pessoas, para restringir com determinação a propagação da epidemia.

Conscientes de que o vírus não conhece fronteiras, os signatários assumem que não há país capaz de lidar com ele por conta própria; portanto, pedem a adição de recursos e forças ao nível global por meio da cooperação internacional, políticas integradas e acções coordenadas.

Reconhecem as nações, incluindo a China, pela sua atitude aberta, transparente e responsável na publicação de informações epidemiológicas e no compartilhamento de experiências de prevenção e tratamento, especialmente pela sua assistência com suprimentos médicos aos países afectados.

Os 230 partidos políticos instam a sincronização do desenvolvimento económico e social com a mitigação do surto e que sejam tomadas medidas específicas para proteger as pessoas vulneráveis ​​e instam «a contribuir para manter a estabilidade do mercado financeiro internacional, reduzir tarifas e facilitar o comércio, a fim de evitar a recessão económica mundial», bem como garantir o intercâmbio com o exterior, a fim de garantir as instalações para o transporte de suprimentos médicos.

O documento reconhece o Comunicado Conjunto emitido na Cimeira Extraordinária de Líderes do G-20 acerca da Covid-19 e tem como objectivo promover o intercâmbio de experiências e a cooperação em saúde, incluindo o desenvolvimento conjunto de medicamentos, possíveis vacinas e reagentes de teste, ao mesmo tempo que apela á assistência material e tecnológica aos países em desenvolvimento com sistemas de saúde pública frágeis e outros necessitados, para dissipar, com cooperação, a sombra da epidemia.

Os 230 partidos políticos do mundo também se opõem à politização da questão da saúde pública e à estigmatização fortemente rejeitada sob o pretexto da epidemia, além de comentários e comportamentos discriminatórios direcionados a qualquer país, região ou grupo étnico.

No documento, que destaca o trabalho do pessoal de saúde, confortando os doentes e os familiares que sofreram a perda de entes queridos, é assinado que a epidemia suscita a necessidade de fortalecer o conceito de governança global baseado em consultas e cooperação mútuas.

Os signatários também se comprometem a manter uma estreita comunicação neste momento especial, para impulsionar a batalha contra a epidemia, honrando o seu papel político orientador.

APELO CONJUNTO DOS PARTIDOS POLÍTICOS À COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NA BATALLA CONTRA A COVID-19

Hoje, o COVID-19 que assolou o mundo, confrontou-nos com o desafio mais premente e sério à saúde e ao saneamento humano e ao desenvolvimento pacífico do mundo.

Nós, os principais partidos políticos em diferentes países do mundo, comprometidos com o bem comum, o desenvolvimento nacional, a paz e a estabilidade mundial, unimo-nos aos seguintes apelos em resposta a essa situação sem precedentes:

  1. Ratificamos o maior respeito por todos os trabalhadores, especialmente profissionais médicos que não poupam esforços para salvar vidas e garantir a saúde pública.

Expressamos a nossa sincera simpatia e solidariedade às pessoas de diferentes países que sofrem da doença, com as suas vidas ameaçadas e às famílias dos falecidos. E enviamos nossos pêsames a quem, infelizmente, perdeu a vida devido a essa epidemia.

  1. Consciente de que a epidemia, ao não ser interrompida de maneira rápida e eficaz, prejudicará a vida e a saúde de mais pessoas e terá um grande impacto no desenvolvimento económico e social da grande maioria dos países e na cooperação internacional fazemos um apelo aos países para que adotem medidas vigorosas, priorizando a vida e a saúde dos povos, para conter com determinação a propagação da epidemia.
  2. Acompanhamos os países nos seus esforços para preparar planos e protocolos de emergência personalizados e fortalecer a cooperação, com o objectivo de não apenas conter a propagação do surto, mas também o tratamento de pacientes, endossando o uso de ciência e tecnologia modernas, com vistas a obter melhores resultados o mais rápido possível..
  3. Apelamos à consciência social dos povos para que cumpra as medidas preventivas e incentivamos os países a incorporar organizações sociais e voluntários no trabalho preventivo para unir forças sociais nessa luta.
  4. Incentivamos os países a sincronizar o desenvolvimento económico e social com a mitigação do surto e a adotar medidas específicas destinadas a proteger as pessoas vulneráveis ​​e as médias e pequenas empresas, a fim de garantir as condições de vida e o desenvolvimento social das pessoas. Instamos os países a articular políticas macroeconômicas, contribuir para manter a estabilidade do mercado financeiro internacional e das cadeias industriais e de suprimentos, reduzir tarifas e facilitar o comércio, a fim de evitar a recessão económica global. Pedimos a todos os países que mantenham o nível adequado de divisas para garantir instalações para o transporte transfronteiriço de suprimentos médicos urgentes.
  5. É do conhecimento público que o vírus não conhece fronteiras e que não há país capaz de lidar com ele sozinho. Os tempos mais difíceis dão-nos mais motivos para nos apoiar. Com uma maior conscientização de pertencer a uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade, os países devem agregar recursos e forças em nível global por meio de cooperação internacional, políticas integradas e ações coordenadas para lidar com o vírus, um inimigo comum dos seres humanos.
  6. Tomamos nota do notável progresso feito por todos os países, inclusive a China, nos trabalhos de prevenção, o que economizou tempo e forneceu referências para outros países na luta contra a epidemia. Agradecemos aos países, incluindo a China, pela sua atitude aberta, transparente e responsável na publicação de informações epidemiológicas e no compartilhamento de experiências em prevenção e tratamento médico, especialmente por sua assistência com suprimentos médicos aos países afetados, dentro do escopo de suas capacidades, assumindo isso uma importante contribuição para a contenção do avanço da epidemia em todo o mundo e mais uma razão de esperança e confiança para os países em plena luta contra a epidemia.
  7. Congratulamo-nos com o Comunicado Conjunto emitido na Cimeira Extraordinária de Líderes do G20 acerca da Covid-19. Apoiamos os países no fomento do intercâmbio de experiências e cooperação em saúde, incluindo desenvolvimento conjunto de medicamentos, possíveis vacinas e reagentes de teste, ao mesmo tempo em que solicita assistência material e tecnológica aos países em desenvolvimento com sistemas públicos de saúde frágeis e outros em necessidade, para dissipar cooperativamente a sombra da epidemia.
  8. Apostamos em argumentos e análises profissionais baseados na ciência em medidas preventivas e detecção da origem do vírus. Opomo-nos à politização da questão da saúde pública e rejeitamos fortemente a estigmatização sob o pretexto da epidemia, bem como a comentários e comportamentos discriminatórios direcionados a qualquer país, região ou grupo étnico. Lançamos um apelo aos governos dos diferentes países para proteger proactivamente a saúde e os direitos legítimos de residentes e estudantes estrangeiros em seu território.
  9. Concordamos que a epidemia apresenta-nos a necessidade de fortalecer o conceito de governança global com base em consulta mútua, cooperação e benefícios entre todos os membros e apoiar a ONU e a OMS a desempenhar o papel central na orientação global de saúde pública. Apelamos aos membros de mecanismos multilaterais como o G20 para articular melhor as suas agendas, convergir efectivamente os esforços de prevenção e controle, a fim de construir uma comunidade de saúde partilhada para a humanidade.

Nós, os principais partidos políticos dos países do mundo, comprometemo-nos a manter uma estreita comunicação nesta conjuntura especial para dar um impulso político à batalha contra a epidemia, honrando o nosso papel político norteador, convencidos de que após a tempestade sempre virá o sol e que as adversidades são apenas conjunturais. Com confiança, solidariedade, prevenção e tratamento científico e a aplicação de medidas específicas, a comunidade internacional emergirá com sucesso dessa batalha. Estamos confiantes de que, ao superar a epidemia, a comunidade de futuro partilhado para a humanidade será mais robusta e promissora para todos.