A vice-presidente da República Bolivariana da Venezuela, Delcy Rodríguez, descreveu os médicos cubanos como «expressão da humanidade, de profundo amor ao ser humano» e reconheceu a sua presença nos lugares mais intrincados da vasta geografia da nação sul-americana

Autor: Jorge Pérez Cruz, especial para o Granma | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fevereiro, 2020

 

A vice-presidente da República Bolivariana da Venezuela, Delcy Rodríguez, denunciou a perseguição a que os médicos cubanos estão sujeitos, porque tentaram tratá-los com as suas manipulações como objectivos geopolíticos do capitalismo e do fascismo, enfatizou em reunião com representantes das missões sociais da Ilha na pátria de Bolívar.

Nesse sentido, lembrou o que o fascismo fez no Brasil e na Bolívia e o que a decisão de boicotar a colaboração de Cuba nessa área sensível significou para esses povos.

Delcy Rodríguez disse aos cooperadores que é realmente uma honra poder contar com vocês aqui, abrir as portas para mais médicos cubanos, como pediu o presidente Nicolás Maduro, e que todos aqueles que desistiram do fascismo da Bolívia e do Brasil podem alcançar às nossas terras, à terra de Bolívar e Chávez com seu amor por proporcionar saúde ao nosso povo.

Ela descreveu os médicos de Cuba como «expressão da humanidade, de profundo amor ao ser humano» e reconheceu a sua presença nos lugares mais intrincados da vasta geografia da nação sul-americana: «sempre nas áreas mais vulneráveis ​​está um médico cubano, com o seu amor, com a sua solidariedade».

Agradeceu esse apoio ao general-de-exército Raúl Castro, ao presidente e ao governo de Cuba, «porque conheço o esforço que eles envidam todos os dias para tornar possível essa cooperação e solidariedade, o que sempre mostramos como exemplo das relações entre os dois países livres, independentes e soberanos».

Também reiterou a sua gratidão «em nome do governo do presidente Nicolás Maduro e do povo da Venezuela pelo louvável trabalho que vocês fazem hoje e porque, acima das dificuldades, dos impérios poderosos e selvagens, eles permanecem com a testa bem alta, a dignidade alta e intocada».