O presidente verificou programas relacionados ao sector de energia, transportes e investimentos na Indústria e Comércio

Autor: Granma | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Janeiro, 2020

Foto: Estudio Revolución

 

Em percursos como o de Matanzas, o presidente confirmou o desenvolvimento de projectos no sector da energia. 

 

Numa época em que o imperialismo tenta, por todos os meios, impedir a chegada a Cuba de combustíveis e outros produtos petrolíferos, como o gás, o presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reviu o programa de energia na segunda-feira, 13 de Janeiro, particularmente o desenvolvimento de petróleo no país e suas perspectivas para este ano.

Usar mais fontes de energia renováveis, especialmente a energia fotovoltaica, com a utilização dos telhados dos edifícios que permitam isso, pediu o presidente, segundo o site da Presidência.

Segundo o diretor da União das Ferrovias de Cuba, Eduardo Hernández Becerra, os maiores incumprimentos foram no transporte de produtos derivados de cana, combustíveis, alimentos importados e farinha de trigo; enquanto enfatizou que no segundo semestre foi possível transportar por via férrea algumas cargas que antes eram realizadas apenas de carro, o que contribuiu para a economia de combustível.

O presidente insistiu que o impacto que foi começado a ser alcançado neste importante setor durante 2019 não pode ser revertido.

«O transporte ferroviário de mercadorias é uma coisa a priorizar este ano. A primeira coisa a priorizar é o esquema porto-transporte-economia interna, pois tudo aquilo que possa ser transportado por comboio deve ser transferido dessa forma. Além disso, este país foi feito para as ferrovias, temos que tirar peso das estradas, pois também é o meio mais eficiente para a economia cubana», disse o presidente.

Em relação ao transporte de passageiros, os comboios nacionais cumpriram o plano em 130% - informou o Diretor da União Ferroviária - que conseguiu movimentar mais de 717.000 passageiros, para um crescimento de 62%, em que influiu a entrada em operação, a partir da segunda quinzena de julho, de carros chinesmboioses, que também favoreceram a qualidade do serviço.

Outros tópicos avaliados foram o investimento estrangeiro, a exportação e uso dos créditos nos ministérios do Comércio Interno e da Indústrias. Especificamente neste último, observou-se que a pasta de oportunidades possui 38 projectos vinculados, relacionados com recuperação e renovação de pneus; a fabricação de absorventes, sacos e embalagens flexíveis; bem como a reparação de equipamentos de elevação, reboques e semi-reboques.

«O investimento estrangeiro no setor industrial pode contribuir muito para o desenvolvimento do país e, ao mesmo tempo, inúmeras alternativas podem ser encontradas para promover exportações que dão vida às indústrias e trazem dividendos», disse Díaz-Canel, segundo o site da Presidência.

Também foram verificados os trabalhos que estão a ser realizados na Antillana de Acero, a indústria poligráfica e a nova linha de geladeiras Haier que serão instaladas em Villa Clara. Sobre esse último, José Gaspar Álvarez Sandoval, vice-ministro das Indústrias, disse que da China deve chegar uma linha de produção que possibilitará a fabricação de geladeiras com maior qualidade no país.