O presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Moros, descreveu as relações entre Cuba e Venezuela como indestrutíveis, porque «elas têm raízes morais profundas e baseiam-se no humanismo, solidariedade, valores, princípios e complementaridade entre os dois. povos e governos »

Autor: Jorge Pérez Cruz, especial para o Granma | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Janeiro 2020

Foto: del autor

 

O presidente Maduro conversou com o vice-primeiro-ministro Ricardo Cabrisas sobre o excelente estado de fraternidade entre a República de Cuba e a República Bolivariana da Venezuela

CARACAS - O presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Moros, descreveu as relações entre Cuba e Venezuela como indestrutíveis, porque «elas têm raízes morais profundas e baseiam-se no humanismo, solidariedade, valores, princípios e complementaridade. entre os dois povos e governos», e recordou os laços históricos dessa irmandade e a paixão bolivariana pela liberdade de Cuba e Porto Rico. «Simón Bolívar sempre teve Cuba presente nos seus projetos de independência», disse. E chamou José Martí de «o maior bolivariano da América no século XIX».

O presidente, que enviou mensagens ao general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba; ao presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez e ao povo cubano pelo apoio que oferecem aos programas do seu governo a favor das pessoas mais vulneráveis, liderou na tarde da segunda-feira, 20 de janeiro, a sessão de encerramento da 20ª Sessão da Comissão Intergovernamental Cuba-Venezuela, que se reuniu em Caracas nos dias 19 e 20 de janeiro, em que foi assinada a Acta Final do trabalho desse importante órgão coordenador das relações económicas e colaborativas entre os dois países, em que se referia a Cuba: «Conte com a Venezuela para tudo, hoje e sempre!»

Maduro elogiou a missão Milagre, projectada por Fidel Castro e Hugo Chávez, que restaurou a visão a mais de seis milhões de latino-americanos e caribenhos; e as contribuições de outras, como a Rivas, Sucre e Robinson.

No final da sessão de encerramento, o presidente Maduro recebeu o vice-primeiro-ministro Ricardo Cabrisas, com quem trocou acerca do status das excelentes relações de fraternidade entre a República de Cuba e a República Bolivariana da Venezuela.