Pompeo volta a invocar o TIAR na sua visita à Colômbia, onde se encontrou com o presidente daquele país, Iván Duque, e o deputado impostor venezuelano Juan Guaidó, que violando as leis venezuelanas deixou o seu país.

Autor: Elson Concepción Pérez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Janeiro, 2020

Foto: RT

 

Um tapete no chão e uma recepção com uma banda de música teve o impostor Juan Guaidó quando chegou à Colômbia, onde viajou violando as leis venezuelanas que o proibiram de deixar o país. Como se isso não bastasse, o presidente colombiano Iván Duque disse-lhe: «a sua presença honra-nos. Você sempre terá um país amigo na Colômbia».

Mais tarde, ele juntou-se ao selecto grupo que, juntamente com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, chegou àquela nação para delirar contra a Venezuela bolivariana. E de Miami, um grupo de contrarrevolucionários venezuelanos pediu expressamente a Guaidó que «pedisse a Mike Pompeo uma intervenção militar dos EUA na República Bolivariana da Venezuela».

Pompeo lembrou que, em Setembro passado, 12 países da América apoiaram a activação do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) diante da situação na Venezuela. «Os Estados Unidos e a Colômbia continuarão a trabalhar com esses países bilateralmente para tentar restaurar a democracia».

Sob o guarda-chuva do TIAR, os EUA intervieram na Guatemala em 1954 para derrubar Jacobo Arbenz; invadiram Cuba em abril de 1961, mas foram atingidos pelo alvo, com a primeira derrota do imperialismo na América; os fuzileiros desembarcaram em Santo Domingo, em 1965; a OEA fechou os olhos diante da agressão britânica nas Malvinas; protegeram em 1973 o golpe no Chile e a morte de Salvador Allende; organizaram o ataque militar que acabou com a vida de Maurice Bishop, em Granada, em 1983, e atacaram o Panamá, em 1989; enquanto o Equador, em 2010; o Brasil durante o governo de Dilma Rousseff; hoje a Bolívia e a guerra contra a Venezuela fazem parte desse histórico embaraçoso.

Guaidó também irá ao Fórum Económico de Davos, independentemente da lei do seu país; ali estarão Duke e o presidente equatoriano Lenin Moreno, mas antes chegou Donald Trump, que desde esta terça-feira enfrenta um julgamento político no país que preside.