Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

O presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, fez em 30 de Dezembro um percurso pelas obras da capital ligadas à recreação e o lazer da população. Foi acompanhado por autoridades do Partido e do governo da província

Autor: Redação Digital | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Autor: Leticia Martínez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Dezembro 2019

Foto: Presidência de Cuba.

 

Por volta do final de 2019, um ano difícil e vitorioso para a ilha, o presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, visitou vários lugares em Havana, cidade que recentemente completou 500 anos e continua a curar as feridas deixadas pelo tempo.

Aquele impulso não parou com o meio milénio da vila de San Cristóbal de La Habana, pois o presidente visitou na manhã da segunda-feira 30 de Dezembro o Complexo Recreativo Marcelo Salado, instituição emblemática de Havana sempre destinada a praticar a natação e que agora abre, além disso, para outros fins.

Após cinco meses e vinte dias de fortes obras de construção, o local recuperou o seu esplendor, perdido após anos de deterioração e o impulso final do furacão Irma, em Setembro de 2017, que deixou o local como um campo de batalha. O chefe de Estado percorreu os restaurantes, bares, cafés, sala de jogos, um restaurante rústico, o parque, o salão de festas e também as duas piscinas, uma delas olímpica, completamente restaurada e já em operação para a prática do desporto.

Na turné, as mais altas autoridades do Partido e do Governo da capital explicaram a Díaz-Canel que o Marcelo Salado faz parte de um projecto de desenvolvimento local que, apesar da sua operação se assemelhar aos demais círculos sociais da cidade, tem outros conceitos de serviços, preços e autogestão. Como foi conhecido, agora inicia e será aberto em breve ao público.

Lá, o estadista elogiou a beleza, o conforto e a elegância das suas instalações; Da mesma forma, reconheceu a alta qualidade das ofertas para a população e indicou dar-lhe manutenção todos os anos para preservar o local e projectar mecanismos não complicados através dos quais as pessoas possam reservar e desfrutar com a família nas novas instalações.

Depois de apreciar as fotos de antes e depois do Complexo, localizado no cruzamento das ruas 1ª e 38, no município de Playa, o presidente da República de Cuba disse: É isso que temos que fazer, ir banindo o desleixo. Essa é uma expressão, acrescentou ele mais tarde, de que podemos superar os erros.

A seguir, visitou o Club 500, ex-círculo social José Antonio Echeverría, na capital do Vedado. Encomendada pelo ministério do Turismo, a instalação já completou a sua primeira etapa de construção, que incluiu o complexo de piscinas, uma discoteca moderna, um parque infantil, cortes de ténis e uma academia. Em um segundo momento, disse Luis Antonio Torres Iríbar, primeiro secretário do Partido na província, a casa do património que é parte essencial do local também será resgatada.

 Finalmente e perto do meio-dia, o presidente chegou à fazenda Las Piedras, credora da condição de Excelência Nacional e a mais proeminente da Cooperativa de Crédito e Serviços do Prefeito Efraín Mayor, no município de Guanabacoa. Guiado pelo líder camponês do lugar, Alexander Alfonso, o chefe de Estado visitou, por exemplo, as estufas ou casas de cultura cobertas onde crescem lindos tomates com um rendimento de 130 toneladas por hectare para o turismo e também para o consumo da população do município e do resto da capital.

Durante o passeio pela fazenda, que possui vários hectares dedicados principalmente a vegetais e frutas, Díaz-Canel foi informado sobre as técnicas de agricultura sustentável que colocam em prática, o tratamento de sementes, preparação da terra através de tração animal, sistemas de irrigação, intercalação de culturas e processo de comercialização, que, segundo o proeminente agricultor, é onde eles encontram mais problemas.

Nesse momento, o chefe de Estado disse que em 2020 será dado um golpe em tudo o que a economia cubana funciona, tanto no sector estatal quanto no não estatal. E, consequentemente, pediu ao produtor que enumerasse o que dificulta o seu trabalho hoje. Entre esses freios, Alexander Alfonso listou as intermediárias de marketing que impossibilitam o agricultor de trazer directamente seus produtos ao mercado, dificuldades no transporte e no suprimento de combustível.

Ao caminhar pela fazenda, onde apenas 14 agricultores trabalham, Díaz-Canel destacou a beleza e o entusiasmo que prevalecem no local. É assim que a nossa agricultura deve ser: arrumada, ele disse pouco antes de se despedir do homem de 41 anos que lidera o trabalho em Las Piedras, que falou durante a jornada de comprometimento, sentimento de pertencimento, do estímulo aos agricultores e desejo de produzir a terra, ensinado todo por seu pai, outro camponês nobre que também acompanhou na segunda-feira os passos do presidente cubano.