Nesta quinta-feira, 28 de Novembro, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução cheia de mentiras que constitui uma interferência nos assuntos internos de Cuba e uma manifestação de servidão às ordens dos Estados Unidos.

Autor: Elson Concepción Pérez | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro, 2019

 

Nesta quinta-feira, 28 de Novembro, a lama invadiu as sessões do Parlamento Europeu, quando aprovou por maioria uma resolução cheia de mentiras pedindo a «libertação imediata» do contra-revolucionário cubano José Daniel Ferrer, um mercenário ao serviço de uma potência estrangeira detido por actos de violência contra a ordem pública e a legalidade.

Parece que os eurodeputados desconhecem a existência de leis em Cuba, que existe uma Constituição aprovada pelo povo e, em qualquer caso, é permitida a interferência estrangeira para determinar a sua aplicação.

Deveriam conhecer aqueles que levantaram a mão para interferir em assuntos de outro país, que é, neste caso, um dissidente criado pela embaixada dos EUA, pago pelo Departamento de Estado através da USAID e outras organizações como a identificada publicamente com o pior da máfia cubano-americana de Miami.

Amigos europeus, não é necessário ameaçar ou interferir, o próprio Ferrer, nas filmagens realizadas nas suas reuniões nos Estados Unidos, com seus contactos com os também mercenários da chamada Fundação Nacional Cubano-Americana, reconhece e se identifica plenamente com o que é. Ele não tem nem um cabelo de «pobre», já que os Estados Unidos lhe pagaram milhares de dólares para fazer a contra-revolução em Cuba.

Os «representantes» dos países do Velho Continente devem saber, de uma vez por todas, que na Ilha da liberdade e resistência nunca, nos últimos 60 anos, alguém foi torturado.

E também ninguém foi condenado à prisão sem uma causa devidamente investigada e comprovada.

Considero de grande importância que o Parlamento Europeu saiba que, com esta resolução, cheia de mentiras e cheia de ódio, se alinhou com aqueles que bloqueiam Cuba, aqueles que insistem em sufocar o povo com as suas sanções.

Aqueles que fabricam «dissidentes» da linhagem de José Daniel Ferrer são os mesmos derrotados repetidamente em todas as áreas, militarmente em Girón e diplomática e politicamente ao longo dessas seis décadas. Mentiras assim estamos cansados de ouvir.

Besouros dessa magnitude não apenas terão a condenação de nosso país, mas também de nações e governos amigos, que sabem o que é e o que se destina. Uma recomendação saudável aos eurodeputados consistiria em encontrar soluções para os milhares de imigrantes que chegam às suas costas, provenientes da África e da Ásia, principalmente, para que o mundo ocidental, os países ricos, os que mais falam sobre Direitos humanos e democracia, mostrem as suas «virtudes» em favor da eliminação da fome, guerras e doenças, verdadeiras causas pelas quais as pessoas dessas regiões emigram. 

Na reunião parlamentar, a eurodeputada tcheca, Dita Charanzová, disse ameaçadora que «a UE enviou uma mensagem forte e deve tomar medidas sob o acordo com Cuba se não libertar Ferrer agora». Do mesmo modo, a ameaça a Cuba reflecte-se na declaração do Parlamento Europeu, quando afirma que «os eurodeputados lembram que o Acordo sobre Diálogo Político e Cooperação entre a União Europeia e Cuba prevê a sua suspensão em caso de violação dos direitos humanos e insta a UE a acompanhar de perto o respeito pelos direitos humanos e liberdades fundamentais em Cuba». 

Os eurodeputados também não sabem que nós, cubanos, não temos medo de nenhuma ameaça e que, pelo contrário, sabemos como combater e derrotar esta e outras frentes.

Além disso, é muito sério que eles qualifiquem esse mercenário como o «prisioneiro mais emblemático» e se apeguem a mentiras como não conseguir entrar em contacto com sua família (ele recebeu visitas, conforme estabelecido pelas regras da prisão); ou que não receba cuidados médicos e hospitalares, quando teve acompanhamento médico diário e a sua dieta foi adequada. 

Além disso, essas mentiras que agora são apreendidas pelos eurodeputados foram completamente desmanteladas no vídeo mais recente divulgado pela mídia cubana. Que pena, Parlamento Europeu! Cuba mantém-se firme contra tantas infâmias transformadas em resoluções por obra e graça de ódio, interferência e servidão às opiniões dos Estados Unidos. A comunidade internacional sempre foi capaz de julgar os mercenários e seus aliados.