Imprimir
Categoria: Notícias de Imprensa

A Comissão de Relações Internacionais da Assembleia Nacional do Poder Popular expressa a sua forte rejeição à Resolução Comum (2019/2929 (RSP), aprovada por maioria de 56% no Parlamento Europeu, pelo seu conteúdo prejudicial lesivo à soberania cubana, com absoluta ignorância da nossa realidade

Autor: Assembleia Nacional do Poder Popular | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro, 2019

 

 

Infelizmente, esse pronunciamento responde à nova campanha de calúnias orquestrada pelo governo dos Estados Unidos da América como parte de sua política mal sucedida de hostilidade e agressões contra Cuba, aumentada nos últimos meses, que colidiu com a capacidade de resistência do povo cubano.

A Comissão de Relações Internacionais expressa sua profunda preocupação com o facto de um grupo de eurodeputados de algumas forças políticas de direita do Parlamento Europeu, ecoando essa campanha e com óbvia motivação política, prestaram-se a orquestrar essa manobra anti cubana, promovendo tal pronunciamento naquele fórum, em franca subordinação aos desejos imperiais dos Estados Unidos da América e em alinhamento com a sua política agressiva contra Cuba, que contradiz o espírito de diálogo respeitoso que prevaleceu nas relações entre Cuba e a União Europeia.

Seguindo seu procedimento habitual, os Estados Unidos da América financiam actividades que comprometem a ordem constitucional em vigor em Cuba, tentando recrutar mercenários para fabricar artificialmente a «oposição» que desejam, na ausência de apoio legítimo para seus propósitos de dominação. É o caso de José Daniel Ferrer, cuja trajectória criminal foi documentada oportunamente.

Há muitas evidências dessas acções que o governo dos EUA nunca teria permitido no seu território, com as quais viola abertamente o Acordo bilateral para restaurar as relações diplomáticas entre os dois países e desrespeita a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas e o Direito Internacional. Isso constitui uma interferência clara e inaceitável nos assuntos internos de Cuba.

A Comissão de Relações Internacionais reitera que resoluções inaceitáveis como essa servem apenas como apoio às tentativas do governo dos Estados Unidos de destruir o trabalho nobre e generoso da Revolução Cubana e de justificar sua política de bloqueio, que constitui a violação mais grave e flagrante dos direitos humanos de todo o nosso povo.

Finalmente, expressa ao Parlamento Europeu a disposição dos legisladores cubanos de continuarem a manter relações com a Câmara Europeia e intercâmbios com seus membros com base no reconhecimento das nossas diferenças e no respeito à nossa independência e soberania, de acordo com os princípios do Direito Internacional.

Comissão das Relações Internacionais

Havana, 28 de Novembro de 2019