O presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermúdez afirmou que Cuba não renunciará a um socialismo próspero e sustentável, na primeira das Mesas Redondas dedicada a oferecer detalhes sobre as medidas recentemente adotadas pelo Conselho de Ministros.

Autor: Nuria Barbosa León | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Autor: Yisel Martínez García | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Autor: Vivian Bustamante Molina | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Autor: Yudy Castro Morales | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Autor: Yenia Silva Correa | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Julho, 2019

Photo: Estudio Revolución

 

Uma revolução como esta só pode ser sustentada pelo amor do povo. Esse amor é a Revolução em si, disse o presidente cubano.

O Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez; e os ministros da Economia e Planejamento, Alejandro Gil Fernández; das Finanças e Preços, Meisi Bolaños Weiss; e do Trabalho e da Previdência Social, Margarita González Fernández, compareceram na primeira das Mesas Redondas dedicada a fornecer detalhes sobre as medidas recentemente adotadas pelo Conselho de Ministros.

No programa de televisão, que contou com a presença de membros do Conselho de Ministros, e do secretariado do Comité Central do Partido, Díaz-Canel valorizou as decisões económicas anunciadas, tendo em conta as dificuldades cada vez mais numerosas, derivadas das medidas impostas pela administração dos EUA.

«Estamos a partir da situação atual em que vivemos, da situação actual, marcada pela perversidade e pelo conjunto cada vez mais numeroso de dificuldades impostas ao nosso povo todos os dias pela actual política da administração do governo dos Estados Unidos», denunciou o líder cubano

«Isso cria um grupo de problemas de ordem interna, como a perseguição financeira, a contração dos créditos devido às pressões da administração dos EUA, o encerramento quase absoluto dos mercados mais próximos de nosso país, o ataque implacável às fontes de renda que temos e as ameaças com sanções ou as sanções que já se aplicam a quem se atreve a negociar com Cuba».

«Mas ninguém em Cuba perdeu o sonho por causa dessas ameaças, por causa dessa política intervencionista e por causa desse aumento na retórica da administração do governo dos Estados Unidos contra Cuba. Nós confirmamos que não desistimos e não vamos desistir de fazer com que a nossa economia — pequena e assediada — nestes 60 anos de Revolução seja próspera e sustentável. Isso é uma vontade. Isso é um desejo e vamos continuar a defende-lo».

«Ficou demonstrado, precisou, que o povo cubano com convicção e determinação está a defrontar o bloqueio genocida e também nos esforçamos para identificar e desbloquear os obstáculos, o que alguns chamam o bloqueio interno, ou seja, as nossas inadequações, os próprios obstáculos que colocamos, a burocracia que temos e todas as peças de xadrez que nos impedem avançar de uma forma mais coerente com os preceitos e princípios próprios que temos vindo a defender na actualização do nosso modelo económico e social.

Mas também afirmamos que nenhuma ameaça nos distrairá do nosso dever de defender a invulnerabilidade da Revolução em todas as áreas.

As medidas que propusemos, que hoje vão ser explicadas mais amplamente pelos companheiros presentes do Conselho de Ministros, não têm nada a ver com o populismo, como quiseram atacar alguns dos que nunca estiveram interessados no bem-estar do povo cubano e que tentam denegrir e sujar cada passo que a Revolução toma.

Isto tem muito a ver com o que o Conselho de Ministros experimentou nesta fase de intercâmbio com o nosso povo e nos cenários em que realiza a sua vida económica e social, tem muito a ver com coisas que foram adiadas e que já precisavam de uma resposta, tem a ver com a alegação de trabalhadores no Congresso recentemente concluído da CTC, do crédito e as contribuições de economistas do Congresso da ANEC, também tem a ver com ideias neste fim de semana ratificadas no Congresso Uneac e eu acho que tem a ver com o sentido de debate popular com que nosso povo se tem expressado nos últimos tempos, como o demonstrado na discussão da nova Constituição da República.

QUE NÃO HAJA IMOBILISMO, QUE NÃO HAJA NADA ESTÁTICO

Com isso, começamos a quebrar uma inércia e dar outra dinâmica ao problema dos salários, a relação de trabalho com a renda das pessoas, num setor que merece essa atenção. Neste sector, as conquistas elementares da Revolução são defendidas. Este sector presta serviço público de grande necessidade para a família cubana e serviços públicos que as famílias exigem e que também reconhecem. Para que não haja imobilismo, que não haja nada estático é que vamos avançar na aplicação das medidas.

Essas medidas, após a análise realizada por especialistas, académicos e membros do Conselho de Ministros, foram apresentadas ao Bureau Político numa sessão de trabalho que foi presidida por seu primeiro secretário, o general-de-exército Raul Castro Ruz. Depois de fazermos a avaliação política do que propusemos, foram finalmente aprovadas no Conselho de Ministros.

Imediatamente, acho que depois de dois dias dessas avaliações, enquanto fizemos alguns ajustes com base na contribuição feita pela discussão no Bureau Político, nós divulgamos num comunicado à imprensa descrevendo o que foi discutido no Conselho de Ministros.

Uma nota não pode cobrir os detalhes, mas não queríamos estender o tempo entre a tomada de decisão e o anúncio à população cubana dessas medidas. Então, no dia seguinte, quando da visita a Pinar del Río com a representação do Conselho de Ministros houve a possibilidade de explicar a questão, explicamos mais detalhadamente o conteúdo fundamental desta medida.

Decidimos passar o fim-de-semana, para também recolher as opiniões da população, as suas preocupações, as principais incertezas e vir aqui hoje, para a Mesa Redonda.

PENSAR E AGIR COMO PAÍS

«Estamos conclamando para pensar como um país, que carrega um senso de responsabilidade e participação de toda a população. Os interesses devem ser conjugados do ponto de vista familiar com os sociais».

Somos chamados com essas medidas para não retornar às condições do ‘período especial’, pois estamos em outro momento histórico, com potencial para assumir esse estágio e avançar para um desenvolvimento futuro.

«Há um desejo dos Estados Unidos de continuar pressionando, mas nosso processo socialista continuará. Nós nos orientamos para o futuro e, com essas medidas econômicas, fortalecemos nossa economia para que ela funcione de maneira correta».

«Pensar e agir como um país significa que essas medidas devem ser acompanhadas por outros elementos, como o fortalecimento da contabilidade», ressaltou.

«Deve ser alcançado com estas medidas, e para o futuro, que os eventos econômicos estejam devidamente registrados, a fim de fazer uma análise oportuna também para tomar as decisões adequadas, para corrigir, alertar, modificar, corrigir», disse Díaz-Canel.

Disse que, como foi dito, agora é necessário montar mecanismos para observar como o mercado se movimenta, o consumo, o índice de preços ao consumidor e outros que impactam, se é necessário corrigir.

Ressaltou que este momento também nos prepara para substituir os métodos administrativos por económico-financeiros para direcionar a economia, que é a demanda atual.

Também contribui para desenvolver um conceito que nos deve permitir que nos tempos presentes e futuros tenhamos mais consistência e que é, sempre que iniciamos medidas, procuremos a intencionalidade e elementos de motivação, de incentivo e de responsabilidade social para apoiá-las.

Ressaltou que com essas medidas se persegue, entre outras coisas, que haja motivação para produzir mais, com qualidade e mais compromisso.

Díaz-Canel reconheceu que o povo apoia quando se faz um apelo ao seu talento e o que é observado e verificado, mesmo os relatórios expostos na Mesa Redonda, que mostram que as pessoas sabem em que condições difíceis essas mudanças são feitas, sentem-se parte dessas medidas e se comprometem a agir melhor.

AS MEDIDAS EXIGEM MAIS COMPROMISSO DE TODOS

O presidente pediu o melhor uso do tempo de trabalho, que todos em sua posição sejam mais eficientes, e instou a manter a produção de alimentos para alcançar a soberania alimentar e que toda a economia do país esteja ligada para avançar nesses propósitos.

Insistiu que o aumento salarial deve levar à melhoria na qualidade dos serviços de todos os tipos no sector orçamentado. E acrescentou que os salários não só aumentam nesse sector, mas também no sector empresarial, dados os poderes que ainda são concedidos às entidades, que agora têm a possibilidade de dar uma resposta de aumento produtivo para responder à demanda que vai existir.

«Essas medidas exigirão mais comprometimento de todos», disse. E também insistiu na preparação de quadros, funcionários e administradores, para evitar más interpretações dessas medidas e que seus efeitos não devem ser prejudicados pelas acções inescrupulosas daqueles que procuram qualquer nicho para enriquecer-se à custa do povo. É por isso que o controle terá que ser uma parte importante», acrescentou.

«Não somos estáticos, as nossas próprias circunstâncias exigirão que façamos novas avaliações e teremos que propor e aplicar mais acções».

No plano dos sentimentos e emoções revolucionárias, em momentos como este, damos passos arriscados, mas necessários e também encorajadores. Vemos isso quando ouvimos a reação do povo às medidas económicas aprovadas. Devemos lembrar uma frase de Che Guevara quando disse: «Deixe-me dizer-lhe, correndo o risco de parecer ridículo, que o verdadeiro revolucionário é guiado por grandes sentimentos de amor».

«Aprendemos com os nossos pais fundadores, com Fidel e com Raúl, os Comandantes da Revolução e todos os lutadores que acompanharam esta batalha para manter, contra todas as probabilidades, a Revolução Cubana, com as forças desse amor», disse o presidente cubano.

Essa força do amor está precisamente na unidade sólida, forte e indestrutível que a Revolução tem com o seu povo. Uma revolução como esta só pode ser sustentada pelo amor do povo. Esse amor é a Revolução em si.

Esses elementos saltam na emoção, no que se raciocina, no que é discutido quando passos como este são dados. As medidas que tomamos e que teremos que tomar no futuro imediato só serão bem-sucedidas se o povo as tornar suas, e é por isso que as explicamos e aprofundamos.

A contribuição de cada cidadão do nosso país e de cada trabalhador será importante. Fazemos um apelo ao trabalho, à criação, àquela criação revolucionária, com paixão, beleza, inteligência e também com amor. Dar conteúdo a tudo o que nos propusemos para construir um país melhor, contribuindo cada um com a possibilidade de participação que tenhamos com o que ele pode contribuir.

«A soma de todos esses esforços fará o milagre da prosperidade sustentável que não renunciamos e com a qual continuaremos a lutar», disse Diaz-Canel.

«O inimigo queria punir-nos com um verão difícil, cheio de incertezas e más notícias. Hoje podemos dizer aos senhores imperialistas que só temos uma ‘má notícia’ para lhes dar: aqui está a vitoriosa Revolução Cubana e que estamos a avançar, mesmo no meio de situações difíceis».

Temos precisamente essa Revolução imbatível que é obra do povo cubano, com sua tremenda história e seu futuro promissor.

 Julho, 2019