As ordens José Martí e Agostinho Neto foram concedidas em nome dos povos cubano e angolano

Autor: Bertha Mojena Milián/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Julho de 2019

Foto: Estudos da Revolução

 

Assim como um dia foi recebido pelo líder histórico da Revolução Cubana, foi conferido por seus extraordinários méritos ao General do Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do PCC, a Ordem Agostinho Neto.

A Ordem José Martí, a mais alta honra concedida pelo Conselho de Estado da República de Cuba, foi imposta na segunda-feira ao presidente da República de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço, que, por sua vez concedeu em nome de seu povo e seu partido, a Ordem Agostinho Neto ao Primeiro Secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba, General do Exército Raul Castro Ruz; o Presidente dos Conselhos de Estado e Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez; os generais do Corpo de Exército Leopoldo Cintra Frias e Ramón Espinosa Martín, vice-ministro das FAR e, respectivamente, e título post-mortem, o brigadeiro-general Raul Diaz Arguelles.

Numa cerimónia solene realizada no Palácio da Revolução, em Havana, o secretário do Conselho de Estado, Homero Acosta, disse que o presidente angolano tem mantido, com dedicação exemplar e estreita união com o seu povo e seu partido, o trabalho do pai de sua nação, Agostinho Neto, e Cuba foi honrado com sua amizade desde os anos difíceis da guerra em Angola, para o qual a entrega da Ordem José Martí é também um sinal de respeito e amizade do povo cubano para o povo angolano.

Por seu turno, João Lourenço disse que desta forma "todo o povo de Angola está a ser condecorado" e que a profunda amizade e solidariedade entre os nossos povos era eterna quando ambos decidiram defender o caminho da liberdade. Ele também realçou que, graças ao heróico sacrifício do povo cubano, hoje a África Austral é uma região de paz, democracia e justiça social.

Foto: Estudos da Revolução

O presidente cubano destacou entre os desafios comuns de nossas nações, defender o direito ao desenvolvimento, bem-estar e justiça social, a salvaguarda da paz e segurança internacionais.

O presidente cubano lembrou que o comandante em chefe Fidel Castro foi a primeira personalidade não africana a receber essa condecoração e que a relação entre esse continente e Cuba "é tão profunda quanto indestrutível".

Destacou, entre os desafios comuns de nossas nações, a defesa do direito ao desenvolvimento, bem-estar e justiça social, a salvaguarda da paz e segurança internacionais, e agradeceu o reconhecimento recebido em nome do povo cubano. «No caldeirão onde a nacionalidade cubana foi forjada: existe a África».

Julho, 2019