O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reiterou em sua conta na rede social Twitter, que a Ilha não negociará sob pressões e ameaças imperiais

Autor: Redação Internacional/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Junho, 2019

 

Os cubanos nem se rendem nem se vendem. Photo:Endrys Correa Vaillant

 

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reiterou em sua conta na rede social Twitter, que a Ilha não negociará sob pressões e ameaças imperiais.

«Fidel nos ensinou que: “A honra não se negocia, a Pátria não se negocia, a dignidade não se negocia, a independência, a soberania, a história, a glória não se negociam!”. Diante das ameaças e pressões imperiais: Não se negocia!», escreveu o presidente.

Recentemente, o governo cubano condenou as medidas notificadas pelos Estados Unidos em 4 de junho de 2019. As ações que reforçam o bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto à Ilha maior das Antilhas por mais de 60 anos, aumentam ainda mais as restrições que sofrem os cidadãos estadunidenses para viajar a Cuba, incorporam proibições absolutas para embarcações procedentes dos Estados Unidos e proscrevem que cruzeiros visitem o país.

O governo atual dos Estados Unidos busca, tal como tentaram sucessivas administrações imperiais desde 1959, arrancar concessões políticas a Cuba e conseguir, mediante a asfixia econômica, o descontentamento do povo. Não aprenderam que, mesmo como afirma um antigo provérbio popular, os cubanos nem se rendem nem se vendem.

Junho, 2019