O presidente cubano, Miguel Diaz-Canel, reiterou hoje a rejeição de restrições a viagens culturais e educacionais para a ilha caribenha, bem como visitas a navios particulares e outros anunciados pelos EUA.

Autor: Escrita Digital/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

5 de Junho de 2019

 

 

As novas medidas, que entraram em vigor nesta quarta-feira, dia 6, vão intensificar o bloqueio e violar a lei internacional, disse o presidente em mensagem no Twitter. 

Nessa rede social, acrescentou que Washington não cessa o seu "desejo perverso de dobrar Cuba" e anexou um link para um artigo sobre o assunto publicado no jornal local Granma.

O Departamento do Tesouro anunciou no dia anterior que não permitirá viagens culturais e educacionais de contacto com o povo cubano, conhecido como 'povo para povo'.

Eles incluíram nesta seção uma 'isenção' que estabelece que certas visitas educacionais em grupo, previamente autorizadas, podem ser feitas se a pessoa já completou pelo menos uma transacção relacionada à viagem (como a compra de uma passagem ou reserva de acomodação) antes hoje 5 de Junho.

De acordo com o comunicado, a administração do presidente, Donald Trump, proibirá as viagens a Cuba para aviões particulares e corporativos, cruzeiros, veleiros, barcos de pesca e barcos similares.

A única aeronave civil ainda autorizada a ir para a nação caribenha são as comerciais que operam sob Certificados Air Carrier ou outras especificações da Administração Federal de Aviação, de acordo com o comunicado.

As medidas respondem aos anúncios do Conselheiro Nacional de Segurança, John Bolton, quando em 17 de Abril indicou que novas restrições se aplicariam a viagens não familiares a Cuba.

Até agora, cidadãos norte-americanos poderiam viajar para Cuba se encontrassem algumas das 12 categorias existentes: visitas do governo, actividades de Mídias ou centros de pesquisa, projectos educacionais, religiosos e médicos, entre outros.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que as novas restrições buscam "enfrentar o papel desestabilizador de Cuba na América Latina, especialmente no seu apoio ao presidente venezuelano Nicolás Maduro e seu colega nicaraguense, Daniel Ortega.

USA Obviamente, como denunciam as autoridades cubanas, a única presença na Venezuela é a dos milhares de colaboradores, principalmente os profissionais de saúde, que prestam os seus serviços no país sul-americano.

Da mesma forma, ignora os graves efeitos que as pressões e sanções económicas têm sobre o povo venezuelano.

Extraído da Prensa Latina.

Junho, 2019