Mais de 90 poetas de 25 países emitiram uma declaração em Havana contra a hegemonia imperialista

Autor: Madeleine Sautié/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Maio 29, 2019

 

Obra: Paz, de David Alfaro Siqueiros

 

Mais de 90 poetas de 25 países juntaram as suas vozes, em 27 de maio, «contra a guerra, a violência, a agressão e as ameaças com implicações imperiais» no Encontro Mundial de Poetas em Defesa da Humanidade, que aconteceu no mesmo palco onde há 60 anos O Comandante-em-chefe Fidel Castro proferiu palavras aos intelectuais.

A Biblioteca Nacional José Martí acolheu os signatários da declaração «Os poetas resistirão, a poesia ganhará», que participaram da Bienal de Poesia de Havana, na presença de Roberto Montesino Pérez, chefe do Departamento de Cultura e Propaganda do Comité Central; Omar González, presidente da seção cubana da Rede em Defesa da Humanidade, e o poeta Alex Pausides, membro da presidência da Bienal.

Os assinantes do documento conclamaram a levantar as bandeiras da verdade e da vida, reconhecendo que, embora «existam muitas formas de terror e morte, a América Latina e o Caribe raramente estiveram tão perto do perigo de uma conflagração, como aquela que está a ser preparada pelo governo dos Estados Unidos com o silêncio e a cumplicidade de alguns países».

Cientes de que «querem matar a poesia», os poetas dizem que «a poesia vencerá. As nossas vozes continuarão a cantar a dor, a incerteza; mas também (...) o amor e a sua infinita possibilidade».

«A arrogância, a crueldade e o crime não reinarão (...). Chega de bloqueios, ameaças e mentiras. Que o nosso seja o reino da paz e da igualdade, o universo da poesia», conclui o texto.

Considerada uma sessão de trabalho, o espaço foi oportuno para que os poetas presentes emitissem mensagens de amor ao próximo, enquanto um vídeo deixasse ver outras impressões emitidas por meio das redes sociais. «É porque você se tornou parte de mim, Havana», disse o bardo peruano Hildebrando Pérez, em franco louvor à capital cubana no seu 500º aniversário, uma das inspirações da Bienal.

Aqueles que foram chamados «representantes terrestres da musa» concluíram a reunião da manhã convencidos da necessidade de defender a paz num momento em que «o ataque da direita conspira contra a poesia, que está sempre do lado do coração».

 

Junho, 2019