Díaz-Canel elogiou a operação do parque de ciência tecnológica na província de Matanzas – já com 38 projectos – em condições reais para exportar software e uma referência para todo o país

Autor: Ventura de Jesús/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Photo: Estudio Revolución

 

Em cada conversa, o presidente exortou os colectivos a desentranhar a essência dos problemas, para encontrar a sua solução

«A ciência deve tornar-se uma força produtiva e agregar valor, desenvolvimento e modernização num importante grupo de processos produtivos. Daí a importância da aproximação recíproca entre as agências da Administração Central do Estado e a comunidade empresarial cubana com as universidades», observou Miguel Díaz-Canel Bermúdez, presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros na Universidade de Matanzas, durante a segunda visita do governo a essa província.

Durante o encontro com alunos e professores do centro de estudos superiores, no qual participaram vários ministros e vice-ministros, Leyda Finalé de la Cruz, reitora da Universidade de Matanzas, apresentou os principais resultados daquela casa de estudos e as alianças no campo científico com diversas entidades do território, especialmente com a Estação Experimental de Pastagens e Forragens Indio Hatuey, e a Empresa Industrial Ferroviária José Valdés Reyes.

Díaz-Canel elogiou a operação do parque de ciência tecnológica – já com 38 projectos – em condições reais de exportação de software e referência para todo o país.

«Aqui, nesta universidade, há uma dinâmica de trabalho e uma atitude proactiva com a sociedade e o sector empresarial, próximo ao conceito de universidade corporativa que vocês vêm desenvolvendo nas suas parcerias com algumas entidades e que poderia ser estendido a outras latitudes», disse o presidente.