O carácter itinerante da Feira Internacional do Livro, que actualmente celebra a sua XXVIII edição, atesta a sua chegada aos territórios de Artemisa, Villa Clara, Isla de la Juventud e Las Tunas, que de hoje até domingo 7 celebram dias plenums de acções em torno da literatura

Autor: Ricardo Alonso Venereo | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Foto: Granma Archive

 

Como nas edições anteriores, os artemiseños vão saciar a sua sede de leitura nesta nova Feira.

A natureza itinerante da Feira Internacional do Livro, que vive estes dias a edição XXVIII, atesta a sua chegada no território de Artemisa, Villa Clara, Ilha da Juventude e Las Tunas, que a partir de hoje até 7º domingo celebram dias sessões plenárias de acções em torno da literatura.

ARTEMISA: LIVROS NAS RUAS

Dedicado ao narrador, dramaturgo, poeta e jornalista Miguel Terry Valdespino, a Feira do Livro de Artemisa concebeu a apresentação do seu livro de contos "A conga russo” (editorial Unicorn).

Destacados autores da nação irão estrear os principais espaços, entre eles Eduardo Heras León, a quem esta Feira é dedicada; Graziella Pogolotti e Mirta Yáñez, ambos prémios nacionais de literatura; Emerio Medina, Roberto Manzano, Nelton Pérez e Ciro Bianchi, entre outros. Os leitores vão apreciar os romances asteróide B 610 , Yordan Rey Oliva e livro Racha e outras obsessões, de autoria de Marilu Rodriguez Castañeda.

No género da poesia, Diario al límite será apresentado por Ediel Pérez Noguera; Esta cidade sem nome , de Reynaldo Riverón García, e El pintor dos sóis eternos , de Arturo Manuel Márquez Mirabal.

Outros dos textos apresentados são o caderno de notas Los undocumentados, de Maikel Paneque; A antologia A primeira lavagem, compilação de histórias sobre o café feita por María Cristina Pérez Rosquete, em que aparecem as histórias de um grupo dos mais importantes autores cubanos atuais.

Projectos como On the Street, AHS, perfomances, exposições e exibições audiovisuais, projecções de filmes cubanos, espaços de música e literatura na sede da Uneac, clubes de promoção artístico-literários, premiações de concursos, leituras de histórias, Décimos e poemas, são responsáveis por dar calor às ruas de Artemise, animadas por estes dias pela alegria dos livros.

A FESTA CHEGA À VILLA CLARA

Mais de 800 títulos de várias editoras e cerca de 40 convidados de quase todas as províncias estão presentes na XXVIII Feira do Livro, uma celebração que se destaca como o principal difusor do melhor da literatura cubana e universal.

Durante a consulta, os editores de Capilla e Sed de Belleza, que têm títulos atraentes como María Virginia e eu, de Gumersindo Pacheco, ocupam o centro do palco; Antonio Guiteras, o herói do historiador Rolando Rodríguez; O carrasco e sua consciência, Julio Travieso; Círculos de Cal, de Yonnier Torres; Powershot, de Yunior Fernández, e País sobre las aguas, de Laura Domingo, entre outros.

Além disso, homenagear os 50 anos dos sinais de revistas e seu criador Samuel Feijoo, poeta, pintor, escritor e folclorista, que será dedicada a ele vários espaços para lembrar a sua vasta obra no 105 aniversário de seu nascimento, ele disse a repórteres Sergio Mesa, presidente do Centro Provincial de Livros e Literatura no território, que destacou a importância do evento cultural que começa hoje.

Além da comercialização dos livros, haverá apresentações de textos, palestras com os autores e homenagens a figuras destacadas de arte e literatura, acrescentou Mesa, que explicou que, do ponto de vista organizacional, o festival do livro será distribuído em 12 programas que visam compartilhar novidades e pontos de vista literários em torno do mundo das letras, em que todos os segmentos geracionais podem participar.

Durante os dias literários, o público vai participar no tributo para o centenário de Benny Moré e canção Longina , Manuel Corona, e também as acções da empresa Havana Compass dança, o grupo Interactive, cantor Ivette Cepeda e Bobby carcaças esperado , prémio nacional de música, garantiu aos organizadores do evento cultural.

Significativo também o tributo para o 58º aniversário da fundação do Exército Central, que terá lugar na quinta-feira, com base na obra musical do comandante da Revolução Juan Almeida Bosque, e agir, entre outros, o mestre Maykel Elizalde, Juan Manuel Campos, o trovador Yudi Herrera e os intérpretes Yaila Corcho e Yudelkis Pérez.