O presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermúdez partilhou o momento emocionante da entrega dos apartamentos no município de Guanabacoa e assistiu, além disso, à reabertura da maternidade Hija de Galicia, em Luyanó.

 

Não se passou um mês e dez novos apartamentos foram entregues a famílias havanezas que perderam suas casas após o devastador tornado de 27 de Janeiro. Passaram igualmente apenas 27 dias desde aquela monstruosa noite que foi vivida na maternidade Hija de Galicia, no bairro de Luyanó, a instituição dá vida à maternidade novamente.

 

 

O presidente cubano Miguel Diaz-Canel Bermúdez partilha com os beneficiários o momento em que receberam as suas novas casas, de acordo com a conta do Twitter da jornalista cubano Leticia Martinez, que também mostra o profundo sentimento com que todos viram novamente as portas do hospital novamente abertas.

Naquela noite e nas horas seguintes, 195 pacientes e os seus filhos foram transferidos para outras oito instituições da capital. Entre os evacuados estavam 14 crianças que estavam na enfermaria neo-natal, quatro das quais já estavam em estado grave, nenhuma sofreu complicações durante a passagem para outros hospitais. Quatro recém-nascidos também foram salvos.

A Revolução estabeleceu no seu princípio sagrado que ninguém vai ficar sem tecto em Cuba, é também uma homenagem a médicos e, enfermeiros, que expuseram as suas vidas para salvar as de seus pacientes.

A boa notícia está ligada às orientações de trabalho do Governo Revolucionário que, desde as primeiras horas do fenómeno meteorológico, não parou no esforço da recuperação, sob a premissa de restaurar as casas das pessoas afectadas e que estas casas sejam melhores que as que foram destruídas com o tornado.

 

 

Nesse sentido, Diaz-Canel exigiu na última quarta-feira, no Conselho de Ministros, que o ritmo que foi atingido na recuperação dos municípios atingidos na capital não seja perdido. 

Serão reconstruídas 804 casas - mais 52 do que o total das destruídas pelo tornado -, porque algumas famílias viviam em situação de superlotação. Até o momento, 689 estão em execução e outras 115 devem começar nos próximos dias.

Também foi relatado que 90% das vítimas já compraram os recursos necessários para reparar os danos, a instalação hidráulica de 135 edifícios foi resolvida e em 23 encontram-se a decorrer as obras necessárias. O governo estuda medidas para favorecer o pagamento de impostos a trinta contribuintes que foram afectados no exercício do seu trabalho e, portanto, na geração de renda.

Sobre o trabalho e o ritmo destes, o presidente cubano realçou que "após o referendo constitucional de 24 de Fevereiro, devemos continuar a trabalhar com a mesma intensidade até resolvermos todos os problemas".