O Granma partilha fragmentos do discurso de Raúl na comemoração do 55º aniversário do Triunfo da Revolução, no Parque Carlos Manuel de Céspedes, Santiago de Cuba, o 1º. Janeiro de 2014

Autor: Raúl Castro Ruz | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

26 de Dezembro de 2018

 

Foto: Ricardo López Hevia

 

Nem mesmo o mais sonhador daqueles que acompanharam Fidel em um evento como este, em 1º de janeiro de 1959, poderia imaginar que hoje estaríamos aqui.

Nada fácil tem sido este longo e perigoso caminho. Isso foi possível, em primeiro lugar, graças à imensa capacidade de resistência e luta de várias gerações do nobre e heróico povo cubano, verdadeiro protagonista desta, sua Revolução, que é o triunfo do mesmo ideal dos mambises que, em 1868, com Carlos Manuel de Céspedes à frente, começaram a guerra pela independência do jugo espanhol; de Antonio Maceo e Máximo Gómez, com quem José Martí em 1895 retomou o feito libertário, interrompido pela intervenção norte-americana em 1898, o que impediu a entrada a Santiago de Cuba do Exército de Libertação.

Esse foi o desejo que motivou a Geração do Centenário, sob o comando de Fidel, a atacar o quartel Moncada, nesta cidade, e Carlos Manuel de Céspedes, em Bayamo; para superar o fracasso e suportar os rigores da prisão, chegou na expedição do iate Granma, suportou o revés de Alegria de Pio e seguiu para a Serra Maestra para iniciar a luta de guerrilha do exército rebelde nascente, cujo Comandante-em-Chefe, exemplo de coragem pessoal no combate, tenacidade e fé inabalável na vitória, juntamente com sua vocação unitária e liderança inquestionável, soube forjar a unidade de todas as forças revolucionárias e levá-las à vitória.

(...) Neste próprio lugar, em Janeiro de 1959, no meio da alegria popular que se espalhou pelo país todo, Fidel advertia com premonição, e cito suas palavras: «A Revolução começa agora, a Revolução não será uma tarefa fácil, a Revolução será difícil, cheia de perigos».

Desde cedo, foram organizados muitos planos de desestabilização , começando com o refúgio oferecido nos Estados Unidos a criminosos e torturadores do regime de Baptista. (...)

Foram 55 anos de luta constante contra os desígnios de onze administrações norte-americanas, que com mais ou menos hostilidade, não cederam a fim de mudar o sistema económico e social fruto da Revolução, apagar o seu exemplo e restaurar o domínio imperial sobre nossa pátria

A Revolução Cubana pôs fim a vários mitos, entre eles, que não era possível construir o socialismo numa pequena Ilha a 90 milhas dos Estados Unidos (...)

Há muito trabalho a ser feito (...) A nova geração de líderes que gradual e ordenadamente assumem maiores responsabilidades na gestão da nação nunca vai esquecer que esta é a Revolução Socialista dos humildes, pelos humildes e para os humildes (...).

(Trechos do discurso na cerimónia comemorativa do 55º aniversário do Triunfo da Revolução, no Parque Carlos Manuel de Céspedes, Santiago de Cuba, 1º de Janeiro de 2014).