Este 2018 tem sido um ano superior nos indicadores de saúde e cobertura dos serviços à população. Embora ainda tenhamos muitas insatisfações, podemos dizer que, de um modo geral, há um saldo positivo, disse o Ministro da Saúde Pública, Dr. José Ángel Portal Miranda, na segunda-feira na Mesa Redonda.

Autor: National Drafting | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

26 de Dezembro de 2018

Foto: Juvenal Balán

 Este 2018 tem sido um ano superior nos indicadores de saúde e cobertura dos serviços à população. Embora ainda tenhamos muitas insatisfações, podemos dizer que, de um modo geral, há um balanço positivo, assegurou segunda-feira na Mesa Redonda o Ministro da Saúde Pública, Dr. José Ángel Portal Miranda.

"Cuba tem um potencial altamente preparado para garantir cobertura, qualidade e satisfação, algo que muitas nações do mundo dificilmente sonham", disse Portal Miranda durante a transmissão, com a presença de Roberto Morales Ojeda, membro do Secretariado Político do Partido e Vice-Presidente do Conselho de Estado e de Ministros.

Durante 2018, continuamos a promover as Directrizes do Partido e Revolução e as políticas aprovadas para o sistema de saúde, como a produção nacional de medicamentos, o desenvolvimento da medicina natural e tradicional e o programa de envelhecimento da população. entre outras prioridades.

AVANÇOS ESSENCIAIS

Em 2017, Cuba registou a menor mortalidade infantil da história: 4,0 por mil nascidos vivos. «Este ano, a ilha deve concluir de forma semelhante, uma vez que estamos actualmente em 3,9 por mil nascidos vivos, portanto, mais uma vez alcançaremos um excelente indicador para o final de 2018», informou Portal Miranda.

Sobre a mortalidade no país, o cancro continua a ser a segunda causa de morte, explicou o ministro. Portanto, outro dos programas que tem focado esforços nos últimos anos tem sido na detecção, tratamento e cura dessa doença.

"Hoje conseguimos, graças à introdução de uma tecnologia muito inovadora e à preparação dos nossos recursos humanos, uma maior precisão e diagnósticos mais oportunos, para garantir que os pacientes se curem e sobrevivam ao câncer. Este programa teve a máxima atenção nos últimos anos ".

Por outro lado, as consultas médicas aumentaram este ano. "Crescemos de 94 milhões para 99 milhões de consultas". Destes, 89,2 milhões foram providenciadas nos cuidados de saúde primária. Isso significou uma redução dos pacientes atendidos nas policlínicas e em hospitais ».

Precisamos que a população continue a acreditar nesses serviços de saúde primária. "Lá conseguimos resolver mais de 60% dos problemas".

No entanto, nos hospitais da ilha "temos realizado mais de 1 milhão de cirurgias em seis anos". Destes, mais de 16% através da técnica de acesso mínimo. Apenas foi possível alcançar estes números graças à dinâmica de cada centro ».

Outro programa que mostra um progresso considerável é na doação de sangue. Em seis anos o programa de doações mensais foi cumprido, graças ao gesto altruísta da nossa população, em conjunto com os Comités de Defesa da Revolução, disse Portal.

"Essas doações", acrescentou, "apoiam as cirurgias realizadas no país e os hemoderivados produzidos pela nossa indústria".

Em estomatologia, também alcançamos maior estabilidade. «O tempo de espera para receber uma prótese está a diminuir. Há também menos extracções e há cada vez mais satisfação com os serviços oferecidos ".

A situação epidemiológica manteve-se estável, disse  Portal. "Actualmente, Cuba não tem zika nem chikungunya, e enfrentamos apenas alguns surtos de dengue. Isso permite-nos não gastar recursos nesse sentido e concentrar os nossos esforços no desenvolvimento de nosso sistema de saúde ”.

Por outro lado, Cuba foi o primeiro país do mundo a eliminar a transmissão materna do HIV e da sífilis congénita, "e hoje esses indicadores são mantidos".

O IMPORTANTE NÃO SÃO APENAS AS FIGURAS, MAS A QUALIDADE

Nos últimos cinco anos, 25 613 dispositivos médicos foram introduzidos no sector da saúde, o que representou um investimento de mais de 230 milhões de dólares para o país, disse Portal.

Da mesma forma, a formação de profissionais nas 13 universidades médicas, que hoje têm mais de 101 mil alunos, tem sido uma prioridade.

Este ano de 2018 foi o ano em que crescemos mais na categoria científica, defesas de doutoramento e de mestrado. "Hoje temos mais de 4 323 pesquisadores e 1.075 médicos em ciência", disse Portal. Temos 1.500 projectos de pesquisa que respondem às principais prioridades do sistema de saúde. Para o próximo 2019, essa vantagem continuará a ser uma prioridade.

Em relação ao programa de atendimento ao envelhecimento da população, o Ministro da Saúde Pública comentou que, durante o calendário actual, "sete novos lares para avós e cinco residências para idosos foram criados. Além disso, novos especialistas em Geriatria estão a ser preparados e esse serviço será ampliado nos hospitais. "

A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS EM CUBA

A tabela básica de medicamentos do país chegou a 761 produtos e os produtos naturais criados aumentaram para 153, um número histórico na Ilha, disse o presidente da BioCubaFarma, Dr. Eduardo Martínez Díaz, referindo-se ao período que termina.

Esta empresa fornece ao Sistema Único de Saúde 1 012 produtos, dos quais 482 são medicamentos, incluindo vacinas, e representam 62% da tabela básica de medicamentos.

Sobre as dificuldades que ocorreram nos últimos anos no fornecimento de algumas linhas, Eduardo Martínez destacou como principais causas os problemas organizacionais e, além disso, "as situações que tivemos de enfrentar relacionadas com a falta de matérias-primas e materiais essenciais" .

Por outro lado, "a situação económica de Cuba, mais o bloqueio económico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra a ilha, também afectou o desenvolvimento da produção nacional de medicamentos e a obtenção de matérias-primas", explicou o Dr. Teresita Rodríguez. Cabrera, primeiro Vice-Presidente da BioCubaFarma.

A alta procura por medicamentos, causada pelo envelhecimento acelerado da população que ocorre no país, também afecta a falta de medicamentos. "Apesar de ser 90% da produção, não estamos satisfeitos com a resposta que estamos a dar ao povo", disse Rodriguez.

Além disso, quando a indústria nacional não tem capacidade de produzir um medicamento, o país precisa de importá-lo e esse processo é complexo e caro.

Mesmo assim, durante o ano de 2018, o deficit foi reduzido para 40% e o trabalho continua a minimizar a ausência de produtos, destacou o presidente da BioCubaFarma.

Para o Dr. Teresita Rodriguez Cabrera, entre as acções para combater a escassez de medicamentos, "tem sido a rápida resposta do Ministério da Saúde Pública de priorizar uma lista deles, entre os quais são distribuídos para cuidar programas materno-infantil , o paciente criticamente doente, oncológicas e aqueles com o HIV ou doenças crónicas. "

Também estamos a priorizar a atenção às farmácias, por ser uma das questões que gera maior insatisfação na população, esclareceu o ministro da Saúde Pública.

A preparação de nossos farmacêuticos e o controle da distribuição de medicamentos, para alcançar um uso racional e não tomar um caminho inadequado, também merecem a nossa atenção.

O QUE PRECISAMOS FAZER

Para o próximo ano de 2019 é necessário um equilíbrio entre os recursos alocados pelo Estado para garantir a saúde das pessoas e a sua satisfação, afirmou José Ángel Portal Miranda.

Além disso, "devemos continuar a fortalecer o programa de medicina de família, porque o cuidado às pessoas não é sustentável apenas com as instituições hospitalares, onde devem enfocar cuidados mais complexos, como cirúrgicos, por exemplo", explicou.

Além disso, Portal pediu que médicos, enfermeiros, tecnólogos e toda a equipa de Saúde Pública sejam cada vez mais humanos.

As transformações no sistema de saúde e o desenvolvimento do sector na ilha são incontornáveis, disse ele. Temos todo o potencial, o apoio do Estado e o apoio da nova Constituição, que será submetida a um referendo no próximo ano e que consolida a saúde como um direito.

"É um grande desafio, mas vamos conseguir que a saúde cubana continue a ser uma referência para o mundo", concluiu.

(Redacção Nacional)