Oferendas florais em nome de Raúl e de Díaz-Canel foram depositadas na rocha-monumento que guarda as cinzas de Fidel, no cemitério patrimonial de Santa Ifigenia, em Santiago de Cuba

Autor: Yudy Castro Morales | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Novembro 2018

  

 

Photo: Roberto Chile

 

E Fidel também ressoou, como se estivesse falando com a multidão novamente

(...) aquele que se colocou como raiz em sua terra, e deu ao seu povo o direito de andar ombro a ombro com os homens, é amado, como uma coisa das entranhas (...) é aberto, de modo que ele entre, em nosso coração...

José Martí

 

Na mesma universidade onde se tornou revolucionário, Fidel retornou no sábado e lá esteve com os jovens em quem sempre acreditou. Neles, dois anos depois, que de repente serão décadas, séculos..., continua nascendo... multiplicando-se.

A noite político-cultural em homenagem ao segundo aniversário do desaparecimento físico do Comandante, liderado pelo presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, foi apenas um pretexto para preencher com as novas gerações a escadaria da Universidade de Havana. Com gerações que o conheceram, que o sentiram e que têm que continuar seus esforços.

Ali evocou-se, num resumo da vida que desmente qualquer indício de morte, a história do jovem universitário, do revolucionário auto-proclamado, do expedicionário, do guerrilheiro que saiu vitorioso da Serra e do estadista, sempre visionário, que advertiu sobre o difícil que seria levar adiante a Revolução, que continuará a ser construída... defendida.

Lá, Ronal Hidalgo Rivera, segundo secretário da União dos Jovens Comunistas, diz que «Fidel é hoje necessário e vital». As suas palavras precisas, as suas denúncias contra os horrores do imperialismo, a sua preocupação com o planeta e a sua solidariedade com os humildes da terra, «são bandeiras que jamais cairão de nossas mãos».

E Fidel também ressoou, como se estivesse a falar com a multidão novamente. Num dos discursos escolhidos para a noite, Fidel perguntou se os jovens entregariam a Revolução, se a trairiam ... E assim, como no momento real de suas palavras, os jovens de hoje lançaram um vigoroso, retumbante, não, um não de continuidade. A esse não, respondeu Fidel, é a única coisa que podemos esperar de você. A história, tão caprichosa e sublime, pelo trabalho da «causalidade», repete-se.

A noite, acima de tudo, foi um tributo na chave do verso e do canto; um tributo, sem estridência desnecessária, ao «ardente profeta da aurora», que endossava «a loucura de viver sem preço», consciente de «quanto custava este céu, quanto da terra amada, quanto levantar a bandeira que imolar-se os viu» Portanto, «a vossa história crescerá», porque «Fidel vivo é eterno e o morto Fidel não existe».

Fidel é uma semente que deve continuar germinando.

 

Dezembro 2018