Autor: Alejandra García Elizalde | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

25 de Outubro de 2018

«A milíciana». Foto: Korda, Alberto

 

Entre a multidão daquele 1º de Maio de 1962, um jovem fotógrafo focou o rosto ainda adolescente de Idolka Sánchez, enquanto desfilava em frente ao Memorial José Martí, em Havana.

Ela, uma das quase 2.000 milicianas do batalhão feminino Lídia Doce, viu-o aproximar-se com a câmara na mão. Ele não parecia se importar com mais nada, como se a tivesse visto de longe e não quisesse deixá-la ir sem prender obsessivamente a sua imagem. Ele escolheu-a.

"Suba a arma!" Ordenou o homem que tinha acabado de ouvir o seu nome, Korda, o mesmo que em Março de 1960 imortalizou o rosto de Che com cabelo ao vento, durante o funeral das vítimas do bombardeio ao Vapor La Coubre A ordem foi seguida por vários cliques da sua câmara e, em questão de segundos, desapareceu.

Quando ela se esqueceu do incidente, ele retornou naquela mesma manhã. Korda queria repetir mais dois disparos. Não queria captar apenas um rosto ou uma imagem. Ele estava à procura de um símbolo e encontrou-o. No dia seguinte, a foto percorreu a ilha de uma ponta à outra na capa do jornal Revolución.

«Eu senti uma emoção que não consigo descrever. Não foi vaidade, mas gratidão eterna. Nunca pensei na transcendência dessa imagem”, conta ao Granma Idolka Sánchez Moreno.

Cinquenta e seis anos depois daquele encontro com Korda, a imagem conhecida como "A Miliciana" continua. O sol no seu rosto, o olhar severo focado no horizonte, o abraço do rifle apontando para o céu, a boina inclinada.

Hoje Idolka preserva a beleza tardia da garota de 22 anos que estava naqueles primeiros e intensos tempos da Revolução. "Eu nunca vou esquecer que era uma manhã linda e clara, semelhante à de hoje. Não esperava chamar a atenção de qualquer fotógrafo, estando cercado por tantas mulheres. O meu principal interesse naquele dia foi a possibilidade de desfilar perante o Comandante em Chefe ", diz ela. Levaria anos para Idolka e Korda se reencontrarem, depois que "The Militia" se tornou uma imagem icónica e adornou banners, cartões postais, exposições fotográficas e apareceu nas paredes de locais de trabalho e embaixadas. Poucos sabem que ela era a garota da foto.

"Lembro-me de um dia, caminhando com minha irmã para o trabalho, uma mulher viu "La Miliciana" pendurada na janela de um estabelecimento. Ela, a poucos passos de distância, disse, sem saber que estávamos a ouvir: "Olhe para isso, tenho certeza que deixou o país e a têm em todos os lugares". Minha irmã confrontou-a, mas finalmente decidimos continuar o nosso caminho”.

Integrou as milícias assim que elas foram criadas: "Vinha de uma família que apoiou cada passo dos revolucionários na Sierra, e o meu destino não poderia ser outro. Estudei Direito na Universidade, dediquei toda a minha vida ao meu país e hoje os meus dois filhos são fotógrafos", lembra Idolka.

Quase duas décadas depois daquele dia de Maio, em 1981, ela viu Korda novamente. A partir de uma editora, organizou uma reunião entre ele e "La Miliciana".

"Foi muito emocionante, mas nunca esperei nenhum reconhecimento. Esse foi o seu trabalho. Eu era apenas uma modelo ocasional, descoberta em pleno desfile, uma das muitas jovens que orgulhosamente usavam a mais bela das fantasias, a milícia.”

Desse encontro em frente à Plaza de la Revolución, no 1º de Maio de 1962, Korda certa vez lembrou que "eu estava a procurá-la com a câmara há horas. O batalhão feminino Lídia Doce atraiu-me e eu capturei muitos gestos. Mas, ao revelar, apenas um era indescritível: a miliciana com a espingarda levantada e uma decisão nos olhos, disse para mim mesmo: “Estas são as mulheres guerreiras cubanas em defesa da pátria.

Alberto Diaz Gutierrez, mais conhecido como Alberto Korda (14 de Setembro 1928/25 Maio de 2001), foi um dos grandes artistas fotográficas de todos os tempos, com um trabalho que faz parte do imaginário simbólico da Revolução Cubana.

"La Miliciana", o momento que capturou a pureza e força das mulheres num momento excepcional da história nacional, foi um de seus retratos mais amados. "É uma foto que vai sobreviver a nós", disse Korda. As futuras gerações vão admirar o nosso miliciano eternamente jovem". E assim foi.