«Em Cuba a educação é realmente inclusiva; há paridade de género e, quando há alguma diferença entre rapazes e raparigas, quem fica por cima são as mulheres», assim declarou Ena Elsa Velázquez Cobiella, ministra da Educação, analisando os resultados do Estudo Regional Comparativo e Explicativo ERCE-2019, aplicado pela Unesco, referidos aos factores socio emocionais

Disse também que o estudo confirmou igualmente «que na educação não há diferença em Cuba entre o sector rural e o sector urbano, tão pouco nos resultados dos estudantes a partir da situação socioeconómica da família. Estamos convencidos que relativamente aos objectivos de desenvolvimento sustentável, com vista a 2030, na ordem quantitativa, nós temo-los cumpridos».

Logros como estes confirmam que o processo educativo cubano continua a ser uma das grandes conquistas da Revolução e um dos seus pilares fundamentais.

Referindo-se à pesquisa realizada, a Ministra precisou que «há um factor que está relacionado com a aceitação da diversidade por parte dos nossos estudantes. O caso de Cuba está muito acima da média: nós estamos em 93 %, e a média regional é de 85 %. O mesmo sucede com a auto-regulação escolar, em que apresentamos uns 87 %, superiores à média da região (74 %), tal como na empatia, na qual atingimos uns 70 %, acima dos 55 % da média».

 

Autor: Yenia Silva Correa | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Janeiro, 2022