A AAPC solidária com o povo e a revolução Cubana, congratula-se com a eleição de Miguel Díaz-Canel como Presidente Conselho de Estado da República de Cuba.

Neste que é um processo eleitoral amplamente participado e onde o povo decidiu, Miguel Díaz-Canel eleito com 603 votos em 604 possíveis, o equivalente a 99,83 %, afirmou no seu primeiro discurso que assume a responsabilidade para o qual... foi eleito, com a convicção de que todos os cubanos serão fieis ao legado deixado por Fidel Castro e seguindo o exemplo de Raul Castro - “Asumo la responsabilidad para la que se me ha elegido, con la convicción de que todos los cubanos seremos fieles al legado del Comandante en Jefe Fidel Castro Ruz, líder histórico de la Revolución Cubana, y al ejemplo del General de Ejército, Raúl Castro Ruz, líder actual del proceso revolucionario”.

Durante o discurso, Díaz- Canel assegurou que la Revolução não termina nos seus guerrilheiros. “La Revolución cubana sigue de verde olivo para vencer todos los combates”.

Mais uma vez saudamos o povo e Cubano e a sua Revolução, desejando votos de um bom trabalho novo ao Presidente Conselho de Estado da República de Cuba.

Alguns dados biográficos:

Miguel Díaz-Canel Bermúdez, 57 anos, engenheiro eletrónico e mestre em gestão, foi Primeiro Secretário da UJC em Villa Clara e Segundo Secretário do Comité Nacional da organização. Se desempeñó como Primer Secretario del PCC en las provincias de Villa Clara y Holguín. Foi primeiro secretário do PCC nas províncias de Villa Clara e Holguín, Designado Ministro de Educación Superior en el 2009 y en el 2012 Vicepresidente del Consejo de Ministros. nomeado Ministro do Ensino Superior em 2009 e em 2012 e Vice-Presidente do Conselho de Ministros. Vanguardia de la Defensa Anti-Aérea y Fuerza Aérea Revolucionaria (DAAFAR), Cooperante Internacionalista.

A Direcção

Celebra-se hoje o 57º aniversário da vitória do povo cubano aquando da invasão da Baía dos Porcos (praia de Girón), perpetrada por exilados cubanos, treinados , equipados e financiados, pelo governo dos Estados Unidos, que tentaram sem sucesso derrubar o governo de Fidel Castro.

Foi no dia 17 de abril de 1961, que cerca de mil e 500 homens desembarcaram na costa sul de Cu...ba dispostos a depor Fidel Castro, o qual tinha subido ao poder dois anos antes.

Com um um espírito de resistência extraordinário, os combatentes cubanos avançaram, sob as bombas, em direção à Playa Girón e os pilotos com os seus frágeis aviões, desferiram golpes decisivos os navios invasores e não só.

A coragem de um povo na defesa da sua revolução conseguiu erguer um muro intransponível diante do invasor que foi derrotado em 72 horas.

Fidel Castro comparou o ataque a Pearl Harbor. “A diferença é que desta vez o ataque foi duas vezes mais traiçoeiro e mil vezes mais covarde” e “O que os imperialistas não nos conseguem perdoar é que fizemos uma revolução socialista debaixo do nariz dos EUA e defenderemos com os nossos fuzis essa revolução socialista” afirmou.

A Associação de Amizade Portugal Cuba recorda este dia histórico.

Viva Cuba!

Viva a Revolução Cubana!

 

 

 

A Associação de Amizade Portugal Cuba apela a todos os seus sócios e amigos a participarem neste acto público.

Pela Paz!
Fim à agressão à Síria!
Acto Público.
19 de Abril de 2018 – 18h00
Largo Camões – Lisboa
(Metro Chiado)

Condenando o ataque dos EUA, do Reino Unido e da França contra a República Árabe Síria, na madrugada de 14 de Abril, e que contou com o expresso apoio da NATO, da União Europeia e de Israel, um conjunto de organizações promove um acto público pela paz e pelo fim da agressão à Síria, no próximo dia 19 de Abril, Quinta-feira, no Largo Camões, em Lisboa.

Esta agressão a um Estado soberano, em completo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e pelo direito internacional, e sob o pretexto de uma alegada utilização de armas químicas, até ao momento não comprovada, foi desencadeada quando a Síria e o seu povo têm obtido diversas vitórias face aos grupos terroristas – apoiados pelos EUA e diversos países seus aliados – e quando foram alcançados, pelo diálogo e esforços de vários países, importantes avanços no caminho da paz.

Significativamente, este ataque ocorreu horas antes de uma equipa de peritos internacionais terem, a convite do Governo sírio, iniciado o seu trabalho de investigação relativamente à alegada utilização de armas químicas, em Douma, a 7 de Abril.

O Governo português ao afirmar “compreender as razões” e a “oportunidade desta intervenção militar” associa-se a um acto de agressão, a uma clara violação do direito internacional.

No cumprimento dos seus princípios constitucionais e do direito internacional, Portugal deve condenar e exigir o fim da ingerência e agressão contra a Síria e contribuir para o encontrar de uma solução negociada e para a paz.

Quem efectivamente se preocupa com os direitos e bem-estar do povo sírio só pode exigir o fim de uma guerra de agressão que está na causa de milhares de mortos, de imenso sofrimento, de uma profunda destruição, de milhões de deslocados e refugiados, da dramática degradação das condições de vida dos trabalhadores e do povo sírio.

É premente a exigência do fim da guerra de agressão que desde há sete anos é imposta à Síria.

É premente a expressão da solidariedade para com resistência da Síria e do seu povo face à agressão externa.

A paz só será alcançada com o pleno respeito da soberania, independência e integridade territorial da Síria, dos direitos do povo sírio, incluindo o direito à paz.

 

Caros companheiros,

A Associação de Amizade Portugal Cuba, agradece o convite que lhe foi dirigido para estar presente nesta significativa acção de solidariedade com a Republica Bolivariana da Venezuela e saúda fraternalmente o Senhor Ministro do Poder Popular para as Relações Externas Jorge Arreaza.

Todos temos acompanhado a agressividade desmesurada com que o Imperialismo Norte Americano, com a cobertura seguidista dos seus acólitos amestrados, tem pautado a sua postura com Estados Livres que lutam para travar o assalto à sua soberania.

É deprimente assistirmos a cada minuto na comunicação social, ao fabrico de pretextos para justificar a sua intervenção brutal, cometendo a barbárie como acontece na Síria ou mantendo sobre ameaça constante todos os Povos que se opõem aos seus desígnios de rapina.

O cerco imperialista aperta-se, agravando-se o bloqueio financeiro e económico à Venezuela, impedindo-a de aceder a milhares de milhões de dólares que tem em depósitos e créditos no exterior, visando a asfixia do país. As ameaças crescem de tom e assumem a possibilidade de uma intervenção militar, tal como tem afirmado o próprio Trump.

Rejeitamos o brutal bloqueio económico e financeiro a que está sujeita a Venezuela, imposto pela Administração Obama e agravado pela Administração Trump.

Expressamos a nossa total solidariedade com a coragem e resistência do Povo Venezuelano que, não obstante as dificuldades com que se confronta, segue firme na defesa da sua Revolução.

VIVA A REVOLUÇÃO BOLIVARIANA!

VIVA A VENEZUELA!

O POVO VENCERÁ!

Sessão promovida pelo CPPC em 10.04.2018

11 de Abril,18:00h

Junto à Embaixada do Brasil

(Estrada das Laranjeiras 144 – Metro Sete Rios)

A Associação de amizade Portugal Cuba, como Organização promotora, exorta todos os seus associados, amigos e a todos os democratas a participarem nesta acção de protesto contra o golpe institucional no Brasil em 2016, do qual resultou a destituição da Presidente Dilma Rousseff e a perseguição e prisão do ex Presidente Lula da Silva.

Solidários com o povo brasileiro na sua luta pela salvaguarda da democracia no Brasil e nos direitos conquistados.

Participa!!!