Companheiros,

Não resistimos à publicação de um texto, quase comovente, de uma companheira que visitou Cuba e nos transmitiu a sua experiência vivida na Ilha.

O relato sincero e honesto do que presenciou e viveu justificam a nossa decisão em publicar tão importante texto que serve também de estímulo ao nosso trabalho.

Obrigado companheira!

 

As nossas saudações fraternas.

Cuba Vencerá!

O imperialismo mantem na ordem do dia a ofensiva contra a Revolução Bolivariana e o seu Povo.

Não satisfeitos com o vergonhoso embargo económico e financeiro, com os actos desestabilizadores que têm promovido contra o país (terrorismo politico, tentativas de golpes de Estado, magnicídio contra o Presidente da República), utilizam a comunicação social dominante como arma de arremesso para confundir a opinião pública e assim criarem o caos no país.

Sujeitos mascarados, armados com morteiros e bazucas caseiras bloqueiam as avenidas, fecham as principais ruas, atacam instituições públicas, queimam pneus, ateiam fogo, saqueiam e matam.

Autor: Raúl Antonio Capote | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Julho 12, 2018 18:07:54

 

Os jovens da Nicarágua foram vítimas de manipulação política e dos média. Foto: www.elpreg.com

 

Até o momento, aproximadamente 170 pessoas morreram na Nicarágua, vítimas do caos e da violência. Uma forte campanha na comunicação social acompanha os eventos e, mais do que acompanhá-los, dinamiza-os, multiplica-os, falsifica-os sem pudor.

 

Foi a maior manifestação nos últimos dez anos, que percorreu Caracas durante mais de 6 horas.

É a resposta do Povo Venezuelano à tentativa de magnicídio do Presidente Nicolas Maduro e de assassinato de altos comandos militares, dirigentes governamentais e do corpo diplomático que estavam presentes nas comemorações dos 91 anos da Guarda Nacional Bolivariana.

O Imperialismo Americano e seus aliados, nomeadamente a Colômbia, não desistem de derrubar a Revolução Bolivariana com o objectivo de se voltarem a apoderar das enormes riquezas naturais da Venezuela (maiores reservas petrolíferas do mundo e terceira reserva mundial de ouro).

Mas a luta do Povo e a Aliança Cívica-Militar não desistem das conquistas de Revolução, da Paz e da independência do país.

"Democracia é quando as maiorias governam, democracia é quando se defendem os interesses da maioria, democracia não é garantir somente o direito a pensar livremente mas também o direito a saber pensar, o direito a saber escrever aquilo que se pensa, o direito a saber ler o que leem os outros, o direito ao pão, ao trabalho, à cultura”.

Fidel Castro, 01/5/1960.

” Tu forjador da História, professor… és o pai dos revolucionários deste continente, tu és o nosso pai”.

Hugo Chávez

 

Inicia-se hoje, aniversário de Fidel, o período de debate e consulta popular sobre as alterações à Constituição, data simbólica em que o povo cubano é chamado a discutir o documento fundamental que vai reger as suas vidas, num processo de participação único, verdadeiramente democrático, sem igual.

O Manifesto de Moncada e, posteriormente, a defesa de Fidel em tribunal após o assalto, refletia um programa de governo integralmente cumprido em que, desde o início, foi introduzido o conceito de que a ética deve acompanhar a política revolucionária socialista.

Fidel foi um grande político, um homem capaz de antecipar o futuro, de declarar com 20 anos de antecedência que a humanidade está em perigo, perante o sorriso condescendente dos líderes mundiais da época.