Realizámos na passada 6ª feira, dia 11, nas nossa Sede, uma grande iniciativa de Solidariedade com a Revolução Bolivariana.

Estiveram presentes o Sr. Embaixador da República Bolivariana da Venezuela, General em Chefe Lucas Rincon, o Secretário da Embaixada de Cuba Javy Levy e representantes das embaixadas de S. Tomé, China, Palestina, bem como várias Associações de Solidariedade.

Participou na sessão Carolus Wimmer, Presidente do Comité de Solidariedade Internacional e Defesa da Paz (Venezuela).

O companheiro Carolus Wimmer fez uma importante e esclarecedora intervenção sobre a situação na Venezuela, que se debate com as dificuldades que advêm da política terrorista movida pelo Imperialismo Yankee.

No fim, reafirmámos o apelo ao incremento da luta, denunciando a barbárie desta ingerência de são cúmplices vários países da União Europeia, onde se inclui Portugal.

Foi no dia 8 de Outubro de 1967 na Bolívia que Che Guevara foi preso. A guerrilha do Che estava reduzida a 17 combatentes.

Che decidiu retirar os doentes e fazer frente à tropa que perseguia os combatentes, de modo a permitir a progressão dos feridos.

Cercado pelo exército, Che é feito prisioneiro e assassinado por ordem do agente da CIA, Félix Rodriguez.

26 de Julho de 1953

26 de Julho de 2019

66 anos depois de Moncada

 

 

 

“Se Cristóvão Colombo não tivesse tido uma bússola, não teria chegado a nenhum lado. Mas existia uma bússola, eu também tinha uma bússola:

foi o que encontrei em Marx e em Lenine e a ética que encontrei em Marti”

 

Marta Harneckier, chilena, (1937-2019) periodista, psicóloga, intelectual e escritora publicou mais de 80 livros, entre os quais se destaca “Conceitos Fundamentais do Materialismo Dialéctico”, que teve mais de 70 edições.

Grande amiga de Cuba, onde viveu, foi uma grande defensora das lutas libertadoras da América Latina e do mundo.

 

 

Caros companheiros,

 

Uma vez mais estamos presentes num acto de solidariedade com os povos da América Latina, denunciando as acções criminosas cometidas contra os povos deste continente, violando direitos humanos tentando dominar aqueles que se levantam em defesa de políticas mais humanas, tentando libertar-se de um passado de miséria e morte, vítimas do analfabetismo, da ausência de cuidados médicos e outras maleitas do subdesenvolvimento, consequência de um passado de miséria e morte do passado colonialista a que foram sujeitos pelo conquistador europeu e pelo imperialismo norte-americano que, assumidamente, ressuscita a Doutrina Monroe. O Mundo vive um momento de grande complexidade a nível internacional, quando se avolumam os perigos para os povos, por via da poderosa ofensiva imperialista que se traduz num retrocesso civilizacional, em instabilidade, insegurança e conflitualidade permanentes. O que agora impera é o desrespeito pelo Direito Internacional, a ingerência e a conspiração, a usurpação e subjugação dos povos pela força bélica, a militarização das relações internacionais, a corrida aos armamentos, o financiamento e armamento de grupos que desestabilizam países, utilizando a mentira ,a intriga e a conspiração para justificarem os seus crimes.