A escalada do imperialismo Norte Americano com a hipócrita posição da União Europeia continua a interferir com desmesurada arrogância nos assuntos internos de estados soberanos. A situação que hoje se verifica Continente Americano é disso mesmo prova cabal.

Assim, é de realçar a importância da XX Reunião da Comissão do Convénio Intergovernamental Cuba – Venezuela celebrada em Caracas no passado dia 20.

Que Martí representa para os cubanos a ideia do bem, é algo de que dá absoluta fé o Dr. Eduardo Torres-Cuevas, director da Oficina do Programa Martiano, o qual, a propósito dos actos de vandalismo ocorridos no 1º de Janeiro em Havana em alguns bustos do Apóstolo da Independência Cubana, exprime o seu ponto de vista a respeito do abominável acontecimento

 

 

«Não foi um busto que foi atacado; foi atacada uma imagem, foi atacada a alma de Cuba, que é isso que Martí e refere que não foi por acaso que Fidel Castro o referiu em 1953 como autor intelectual do ataque ao Moncada.

Durante 60 anos, explica, Martí tem estado a viver quotidianamente com as nossas crianças, com os nossos jovens, com os nossos investigadores, com os nossos trabalhadores.

Quando actos deste tipo sucedem não é a uma Revolução que se agride, mas sim «a um povo. Estão atacando a própria essência desse povo, a sua natureza e a sua grandeza. Precisamente aquilo que o representa no mais puro dos ideais com que se forja uma nação».

Nasceu em Setembro de 1929, em Santiago de Cuba, tendo-se incorporado nas lutas estudantis na Universidade de Oriente, onde se graduou em pedagogia e fez amizade com Vilma Espin.

Em Março de 1952, data do golpe fascista liderado por Fulgêncio Baptista, foi presa junto com outras companheiras que participaram na distribuição de folhetos revolucionários.

Nesta ofensiva tenaz do imperialismo os mídia revelam-se como uma frente incontornável deste ataque e um poderoso meio de desestabilização de países soberanos com o propósito de criar as condições para serem levadas à prática os mais ignóbeis propósitos.

Dar combate a esta situação é um dos propósitos das forças democráticas.

No dia 27 de Janeiro foi inaugurada em Havana a filial da TELESUR com um novo centro de produção de conteúdos em espanhol e inglês .

Terminou no dia 24 de Janeiro o 1º Encontro Mundial Contra o Imperialismo na cidade de Caracas, em que participaram 411 delegados de 72 países. A seguir resumimos os temas tratados e as suas conclusões.

O futuro da humanidade está em grave risco. A paz está seriamente ameaçada pela política de agressões militares dos E.U.A. e seus aliados na Síria, Iémen, Iraque, Líbia e Afeganistão. As acções desencadeadas de Guerra Não Convencional , desestabilização de governos, bloqueios económicos e financeiros, actos terroristas que colocam em perigo a humanidade e mais não visam do que impor o neoliberalismo e o saque das riquezas naturais de países soberanos casos de Cuba, Venezuela, Nicarágua e o golpe de estado na Bolívia.