Um jornal estatal chinês pede ao governo dos Estados Unidos que esclareça as atividades de seu laboratório biológico, que foi fechado pouco antes do surto de COVID-19.

"Há uma grande incerteza sobre as atividades do Laboratório Microbiano do Exército dos EUA. (Fort Detrick) em relação à disseminação do coronavírus, apelidado de COVID-19, que levou as pessoas a pedir esclarecimentos sobre as suas atividades ", escreveu o jornal oficial do Partido Comunista da China (PCC), no sábado.

Segundo a publicação, existe alguma inquietação quanto às investigações realizadas pelo laboratório mencionado no novo coronavírus e acredita-se que o vazamento do surto tenha ocorrido nessas unidades.

Da mesma forma, ele acentua que em 10 de março foi lançada uma petição no site da Casa Branca, pedindo ao governo dos Estados Unidos que revelasse a verdadeira razão por trás do encerramento de Fort Detrick e esclarecesse se o laboratório em questão era a unidade de investigação do novo coronavírus.

O Laboratório Fort Detrick, localizado em Frederick, Maryland, até recentemente era o foco principal do programa de armas biológicas do Comando Médico do Exército dos EUA. Material infeccioso mortal, como o vírus Ebola e a doença da varíola, estava a ser estudado na instalação, mas foi abruptamente fechado em agosto de 2019.

Nesse sentido, a mídia dos EUA indicou que o seu encerramento respondeu a preocupações de segurança depois que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) descobriram que a organização não havia estabelecido sistemas capazes de descontaminar as águas residuais. Para os trabalhos de laboratório.

Na época, o New York Times informou que o CDC não pôde fornecer mais detalhes sobre a suspensão das atividades de Fort Detrick por "razões de segurança nacional", além de afirmar que numerosos portais da Web em inglês, que ecoavam as notícias foram removidas.

 

 

Zhao Lijian, um dos porta-vozes do Ministério das Relações Exteriores da China, afirmou recentemente na sua conta na rede social Twitter que o novo coronavírus poderia ter sido espalhado pelo Exército dos EUA. na cidade de Wuhan, o epicentro do surto.

Concretizando, com as afirmações de Zhao, Geng Shuang, também porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse que a comunidade internacional, incluindo os EUA, tem opiniões diferentes sobre a fonte do COVID-19, observando que é um problema científico que requer opiniões científicas e profissionais.

Os EUA lançaram a sua arma biológica, a COVID-19, para dominar o mundo

Por outro lado, numa conferência de imprensa na quarta-feira, o principal consultor médico da China, Zhong Nanshan, rejeitou a afirmação generalizada de que o novo coronavírus se originou em Wuhan e criticou tais alegações como irresponsáveis.

"A nova pandemia de pneumonia por coronavírus ocorreu na China, em Wuhan, mas isso não significa que seja originária de Wuhan", disse Zhong.

Vários especialistas e observadores levantam a possibilidade de que os EUA criou o temido COVID-19. Nesse sentido, Philip Giraldi, ex-funcionário da Agência Central de Inteligência da América do Norte (CIA), acredita que o novo coronavírus é o resultado de uma colaboração entre os Estados Unidos. e Israel para criar uma arma biológica de guerra para prejudicar a China e o Irão.